Pular para o conteúdo principal

EGO E INCONSCIENTE

Adriana Tanese Nogueira


Na visão junguiana, o Ego é como uma ilha rodeada pelo mar. Nos identificamos com a ilha, somos a ilha: ela é a parte visível de nossa personalidade, o mar é a parte submersa, o que não se vê. Chamamos a essa parte de inconsciente. O inconsciente não é uma entidade, uma “coisa”. Inconsciente significa simplesmente aquilo que não é consciente, ou seja, o desconhecido, aquilo do qual não temos conhecimento e, muitas vezes, nem sequer imaginamos existir.

O Ego é formado pelos traços da nossa personalidade com a qual nos identificamos, seja porque gostamos deles seja porque os outros nos educaram/treinaram/influenciaram a que fosse assim (no bem e no mal).

O sistema psíquico é como qualquer sistema natural: ele tende ao equilíbrio. Um ecosistema pode estar poluído mas, a menos que sua situação esteja realmente catastrófica, ele encontrará um equilíbrio interno para sobreviver. Alguns elementos serão sacrificados, outros se desenvolverão mutilados ou doentes, mas o todo continuará a existir. Assim é a psique, assim é o Ego. Ele, como uma construção, pode ser torto e doente, mas ficará de pé, ou seja levará adiante as funções normais da vida, apesar de a poluir as coisas à sua volta com seus aspectos doentios.

Mas nós não somos somente o que achamos/pensamos/queremos ser. Há outras coisas em nós que não sempre percebemos e muito menos controlamos. E esses elementos também fazem parte do equilíbrio psíquico interno, mesmo que o Ego não se aperceba disso. E esses elementos também vão participar das escolhas que o Ego faz, que ele saiba ou não.

Finalizando, o que sabemos de nós (nosso Ego) nunca é o todo de nossa pessoa. Há um “resto” que está na sombra. Logo, se querermos ser honestos conosco precisamos enxergar essa condição total que corresponde a uma equação das muitas variáveis. Nós somos essa equação. Uma escolha honesta é aquela que lida com todas as possíveis variáveis e deixa ainda assim espaço para o imprevisível.

Comentários

  1. OLA BOM DIA , ADOREI SUA FALA E COMENTARIO, ES ( simples nop falar no comunicar ) isso é fundamental hoje em dia. adorei ...será que podes comentar um item por favor.
    - Porque o inconsciente e comandado pelas EMOÇOES-

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…