Pular para o conteúdo principal

PEITO OU MAMADEIRA?

Adriana Tanese Nogueira


O outro dia levei minha filha ao Zoo Safari de West Palm Beach, FL (EUA). Era um belo dia de sol. Estávamos caminhando ao longo do lago quando uma visão infelizmente comum capturou meus olhos. Havia uma bebê, de cerca nove meses, em seu carrinho tomando uma mamadeira. Ao lado dela, olhando para o lado contrário, estava seu pai. Em sua mão direta ele segurava um enorme copo de refrigerante do qual bebia, o olhar absorvido no vazio. Sua mão esquerda segurava ausente a mamadeira na altura da boca de sua filha. Ambos estava deglutindo líquidos, fitando ninguém e nada em direções opostas.

Em um instante reconheci olhar da bebê tomando aquela mamadeira. Numa fração de segundo lembrei-me das longas mamadas de minha filha, que teve durante dois anos e meio meu peito à sua disposição. Aquele olhar me tocou. Ela não sabia, mas eu sim. Eu estava consciente de que aquela bebê estava só.

O grande lance acerca da amamentação é que não se trata somente de alimento perfeitamente balanceado e nutriente, sustento saudável e orgânico, mas que é também a chave da relação mãe-bebê. Aleitamento é contato pele-a-pele, conforto, abraço, olhar, intimidade e amor. O energia nutricional da vida está genialmente inserida numa promissora, essencial e significativa relação de alegria e prazer. O alimento 100% guarantido, orgânico e palatável, chega com o acalanto do olhar que nina e garante a vitória da vida e do dádiva.

Que tal uma insípida garrafa de plástico sem ninguém para tocar, cheirar, sentir? Sem nenhum olhar para fitar? Nenhum sorriso, nenhuma reasseguração de que a vida é maravilhosa porque não estamos sós, porque somos amados, antes mesmos de sermos capazes de fazer qualquer coisa de meritório e útil para quem quer que for? Somos amados apesar do duro trabalho que damos a qualquer adulto que de nós cuide.

Que tal ter uma amorfa e silenciosa mão humana não para nos acariciar, para acarinhar nossos cabelo curto e fino, mas para mecanicamente dar suporte a uma estúpida garrafa que temos de beber por mero instinto de sobrevivência?

A pequena bebê não sabe, mas ela sente. Ela pode estar sugando intensamente aquele leite artificial na vã esperança que magicamente algo maravilhoso surja pelo simples fato de engolir aquela coisa. E talvez seu pai persiga o mesmo sonho não dito, enquanto bebe litros de refrigerante ou cerveja. Se por milhares de anos a raça humana tem instintivamente associado a delícia do abraço maternal à primeira nutrição, é um reflexo condicionado sugar para fazer o amor aparecer. Apesar de fazerem sentido, essas são conjeturas, naturalmente, idéias que brotam espontaneamente do fundo da minha mente enquanto olho a cena e me dou conta da tristeza que ela faz meu coração sentir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…