Pular para o conteúdo principal

As Mulheres e a Síndrome do Cuco. Ou, quando a dó é traiçoeira.


Adriana Tanese Nogueira

Conta o mito grego que a deusa Hera, filha de Cronos, era o objeto da paixão de Zeus. Seu irmão divino havia, inutilmente, tentado todo tipo de subterfúgio para conquistá-la. A deusa, porém, fugia-lhe. Foi então que, inconformado, ele adotou um último artifício. Um dia, vendo-a vagar pelas montanhas após uma tempestade, Zeus metamorfoseou-se em um cuco, triste e tremendo de frio. Ao vê-lo, a bela Hera compadeceu-se do bichinho, o recolheu e o levou ao peito para aquecê-lo. Repentinamente, Zeus retomou sua forma e a fez sua amante, sem antes, porém, prometer o que ela queria, o matrimonio.


Como é sabido, o casamento de Hera com Zeus não foi dos mais felizes. Não só o deus era inconstante e infiel, tendo inúmeros casos com deusas, ninfas e mortais, como ele assumiu o poderío absoluto do Olimpo, relegando Hera ao segundo plano. Talvez não acaso, a deusa estisse tão relutante em aceitar a paixão de Zeus.

O coração piedoso a traiu. Foi sua generosidade, sensibilidade e zelo pelas criaturas que tornou Hera presa de Zeus.

Este episódio da vida de Hera modela, ainda hoje, certas experiências femininas. Muitas vezes, é o sentimento carinhoso da mulher que a boicota e a coloca ou mantém em situações que lhe são desafavoráveis. Assim como Hera, as armadilhas nas quais a mulher cai são as que apelam à sua sensibilidade maternal. Por conta disso, ela pode abafar seus desejos e necessidades. É como se houvesse uma vergonha interna que a impede de dizer “não”, e de simplesmente cuidar da sua vida em prol de seu próprio crescimento. Esta situação não atinge só mulheres, mas suas raízes estão num modelo feminino de relacionamento.

Manter relações que nos prejudicam porque se tem dó da outra pessoa é o resultado de uma confusão psicológica interna. Nasce da crença equivocada de que se “deve” ao outro alguma coisa e que abandonar a criatura ao seu destino nos tornaria “más”. Não se percebe que a outra pessoa não demonstra a mesma preocupação para conosco e, muitas vezes, continua cega e surda àquilo que é preciso mudar, mesmo assistindo à nossa infelicidade.

É preciso também esclarecer que não é necessário brigar com alguém para decidir mudar de rumo. Pode-se inclusive continuar gostando de uma pessoa e perceber que a relação não nos faz bem, que, pelo contrário, corta nossas asas e trava nosso movimento. Se, após tentativas e investimentos, as coisas não mudarem, é hora de tomar uma atitude. Cuidado com a auto-sabotagem. Encontros e despedidas fazem parte da vida. O que recebemos, também, com certeza já demos. Há caminhos que duram menos do que o esperado, nem por isso são errados. E se não são errados, nem por isso devem ser eternos.

Ter perspectivas diferentes sobre a vida obriga as pessoas a criar alguma forma de conciliação, que haveria de ser boa para ambas. Quando, porém, se possui desejos e falas parecidos, mas comportamentos e interesses concretos divergentes, acaba que uma das partes sucumbe, “adaptando-se” à outra. A alternativa a isso seria ignorar os interesses da outra pessoa e levar adiante a própria vida, neste caso quem sucumbe é a relação.

Geralmente (mas é bom lembrar que pode ser exatamente o contrário), são as mulheres que se encaixam nas limitações do homem. Ao bloquear seu movimento pela dó que sentem da dor, da solidão e do desamparo do outro, estão refazendo os mesmos passos de Hera. Congelam-se naquele momento em que ela recolheu o pobre cuco do chão frio e o afagou ao peito. Congelam também ele na forma de um pobre bichinho indefeso e só. Como num disco quebrado, a mesma estrofe é repetida inúmeras vezes.

Enquanto isso, perde-se de vista o fato que a vida continua, que os anos passam, e que o cuco, na verdade, é o alterego de Zeus todo poderoso, que, assumindo o controle total da situação, comanda o Olimpo conforme seus caprichos e inclinações pessoais. O ego, quando deixado a si mesmo, sem interlocução adulta, é sempre autoritário e tirânico, apesar de, por fora, parecer carente e inócuo.

Comentários

  1. Adriana, amei seu blog. Faço parte da Rebra também e através do site delas recebi seu ultimo texto e descobri seu blog. Já coloquei aqui nos meus prediletos. Por uns problemas sérios que tive com minha filha adolescente fui procurar ajuda de um psicoterapeuta e estou encantada com tudo que tenho aprendido ( sobre mim e os outros) nas consultas com esse profissional. E agora descubro seu blog, super bem escrito, didático sem ser professoral ou pedante, falando de temas que instigam a reflexão e a autocrítica, muito muito bom. Parabéns, já virei frequesa.
    Silvia Dutra / Sinha Clementina ( www.causosdavidalheia.zip.net)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …