Pular para o conteúdo principal

SONHOS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM

Não somos feitos só de racionalidade. Como diz Hamlet: “Há muito mais sob o Céu e sobre a Terra do que nossa vã filosofia imagina”. Percebemos, sentimos e até pensamentos mais do que nossa consciência sabe.

Tudo aquilo do que não estamos imediatamente conscientes se comunica através de imagens. Como filmes e propaganda demonstram esta linguagem imaginal é mais efetiva e poderosa do que aquela por meio de palavras. Inclusive, ela é a primeira em ordem cronológica: as crianças usam as imagens para se comunicar (desenhos, construções, brincadeiras baseadas na imaginação) e imagens são a melhor forma de se comunicar com elas (contos, histórias, metáforas, alegorias).

Os sonhos são expressões dessa linguagem. São imagens dinâmicas (exatamente como os filmes) que comunicam algo que está acontecendo dentro da gente. Eu uso os sonhos da mesma forma como um médico usa um exame de sangue: uma coisa é o que se vê por fora e o que o paciente relata, outra é a situação dentro dele. O exame de sangue (como outros) complementa o relato da pessoa, e a partir daí é possível adotar uma estratégia de ação para melhorar sua qualidade de vida.

Para compreender os sonhos é preciso utilizar uma teoria. “Teoria” quer dizer um ponto de vista a partir do qual olhar para a realidade. No Antigo Testamento, a “teoria” para interpretar os sonhos é aquela segundo a qual estes são mensagens de Deus. Freud usa outra teoria: segundo ele os sonhos são expressões camufladas de desejos reprimidos, reprimidos mas não mortos, que tentam ainda vir à superfície. Para Jung os sonhos são expressões da totalidade da personalidade que segue seu impulso natural evolutivo e traz nos sonhos informações importantes para realizar seu projeto existencial.

Encontramos nos sonhos tanto o material psíquico reprimido ou deixado de lado como aquele que prospecta soluções e futuros desenvolvimentos. Em ambos os casos é preciso compreender a linguagem onírica para decifrar sua mensagem, o que só pode ocorrer tendo em vista o momento de vida do sonhador. Nesse sentido, os sonhos são sempre muito precisos. Mas eles têm também valor universal: há sonhos que trazem uma mensagem coletiva, porque se referem a questões sociais que se manifestam tanto na vida do sonhador como no meio social no qual ele vive. Isso demonstra a dimensão coletiva do inconsciente, que é o bojo de onde nascem os sonhos.

Dar valor aos nossos sonhos é, em primeiro lugar, um ato de respeito para conosco, faz parte de uma relação saudável consigo próprio. É como regar nosso jardim interno, para que não se torne árido e estéril. Os sonhos sempre vêm até nós, mas se não lhes darmos importância, vão-se embora, deixando-nos sós em nosso monótono monólogo racional interno. A falta de sonhos é como um quadro branco que perdeu as cores e os desenhos que o preenchiam.

Relacionar-se com os sonhos é estabelecer um dialogar interior, com este mundo rico, complexo, cheio de personagens, tendências, idéias e desejos que todos temos dentro. Essa cidade interna é holográfica e os sonhos são sua obra prima. Ser reis de um reino que se desconhece não é lá muito sábio, certo?



Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…