11/12/2009

FENOMENOLOGIA DA INVEJA

Não a caso a inveja é um dos sete pecados capitais. Entretanto, fala-se pouco dela, sua presença é geralmente só comentada “por cima”. Vamos aqui olhá-la bem de perto e ver como funciona.

A inveja é a cobiça do ser assim como a ganância é a cobiça do ter. Pessoas gananciosas agarram tudo o que encontram. A cotoveladas buscam arrancar a fatia maior do bolo. São movidas por uma força cega e pouco se importam em quem pisam para conseguir o que querem. Seu desejo é obeso. A angústia que precisam aplacar internamente é muito grande, e neste vazio existencial jogam tudo quanto é possível para acalmar seu deus voraz.

Agora a inveja é menos escandalosa, porém mais perigosa. Seu alvo não é o que os outros têm, mas o que os outros são. O invejoso, que não tem personalidade própria mas vive de luz refletida, está encantado pelo outro. A pessoa que suscita sua inveja possui qualidades que o atraem,  que literalmente o fascinam. Isso poderia gerar uma relação positiva, de complementariedade, troca e amizade. Ou melhor: de mestre-discípulo, dependendo da situação. Mas o invejoso, em lugar disso, nega o fascínio que sente e busca sujar a imagem do outro.

Por que ele faz isso? Porque se sente ameaçado. Como o invejoso se coloca muito abaixo da pessoa cuja personalidade admira, ele sequer cogita ser como ela (do seu jeito). No final das contas, o invejoso tem uma autoestima baixíssima, ele mesmo se coloca fora do jogo. Eliminando a possibilidade de jogar, não lhe resta que estragar o jogo dos outros.

E aqui começa a tristeza. O invejoso não vai declarar o que sente. Inveja é um sentimento do qual se tem vergonha. E também ele não pode reconhecer os valores que vê no outro, a não ser de forma superficial e fingida, como alguém que constata que o céu é azul e que há uma árvore no parque. Ele reconhece mas sem verdadeiramente valorizar, e só quando for necessário devido a situações sociais onde negar seria admitir que se tem um problema.
Há casos em que circunstâncias infortuitas da vida tornam impossível avançar e a pessoa tem mais talentos daqueles que consegue expressar e então sente inveja dos outros. Mas no geral, o problema do invejoso contumaz é que ele simplesmente não têm condições psicológicas para alcançar outros níveis. Falta-lhe estrutura psíquica e cultural. É como uma criança da primeira série que inveja o estudante universitário. A situação é sem esperança, a menos que ele não se disponha a percorrar o árduo caminho para chegar lá. Infelizmente, esse tipo de pessoa não quer se dar ao trabalho real de chegar onde sonha. Quer ela seja preguiçosa, quer prefira manipular os outros ou enfim seja totalmente incapaz, o fato é que há uma triste e fatal discrepância entre o que ela deseja e o que ela é.
Para começar qualquer trabalho de aprendizado, desde estudar matemática a iniciar uma terapia, a pessoa precisa reconhecer que não sabe, que há algo que ela não sabe e quer ou precisa descobrir. E aí começa o rolo: o invejoso se dá o luxo de ser tão orgulhoso a ponto de não poder enfrentar suas próprias lacunas, que desta forma nunca poderá preencher.
Assim, preso num círculo vicioso, ao invejoso só resta solapar a pessoa que desperta sua inveja. E o fará da forma mais sutil, exdrúxula e por baixo dos panos possível. De maneira tão escondida e camuflada como seu real sentimento é.

O meio mais usado é a difamação. O invejo mente e torce a verdade, começando por sua própria percepção das coisas. De fato, o trabalho de difamação e solapamento do outro se instaura dentro da própria psique do invejoso, antes de alcançar o outro. Ele enxerga as coisas de forma distorcida e acredita tanto no que vê que quando comenta com os demais parece sincero, e pior, parece vítima.

O invejoso é, portanto, um fingido. Ele sufocou a tal ponto seu real sentir que está “convencido” do que fala. E precisa fazer isso, porque não aguentaria simplesmente reconhecer sua própria inveja e agir mal. Somente se enxerga aquele que se trabalha e por este motivo não irá prejudicar a vida de ninguém, mas sofrerá em silêncio. Agora, o invejoso real cria uma bola de neve venenosa e apetitosa que fará rolar impiedosamente sobre o objeto de sua inveja com o intuito de eliminá-lo do território, e assim não ter que se deparar mais com a imagem projetada de sua própria incapacidade e fraqueza.

Finalizando, a inveja maléfica é o sinal de um coração obscurecido pela vontade de poder. Por isso ela está entre os sete pecados capitais.


Adriana Tanese Nogueira


Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

77 comentários:

  1. Fabuloso Adriana! O melhor texto que já li sobre o assunto. Acabo de repassar ao meu mailing. O invejoso realmente age de modo estranho e pensa que não dá na cara. Sabe aquela amiga apaixonada por seu cabelo, por seu jeito de escrever etc, mas que faz questão de elogiar qualquer pessoa ao seu redor, menos você? Pois é, já me deparei com esse tipo de situação. Pessoas que têm dificuldade de elogiar, de reconhecer o valor do outro, essas realmente são muito perigosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gremunhoz
      Nem todas as pessoas que tem dificuldade de elogiar são perigosas. Em todos os assuntos precisa-se analisar cada situação. Porque por exemplo eu sinto essa dificuldade e reconheço que a tenho. Isso se dá por eu lá na infância nunca ter sido elogiada, pelo contrário só me mostravam as minha falhas e fraquezas. Mas realmente a inveja faz parte do nosso dia a dia, por não sermos completos. Mas o que falta em mim transborda em você. Bjuss

      Excluir
  2. Parabéns pelo texto! Eu denominaria o 'invejoso maléfico' de 'despeitado', por ser um eterno ressentido.
    Te convido a visitar o meu blog!
    Abraços e até breve. José Luiz

    ResponderExcluir
  3. Obrigada!
    Eu adoro desvendar as dobras das psique...
    E tem coisas que é preciso ver com clareza. Quantas vezes se passa mal por causa de uma amiga dessas? E não se entende o que é que acontece? Parece problema nosso... Isso é muito comum entre crianças. Prevenção é saber enxergar.
    Abraços
    Adriana

    ResponderExcluir
  4. Olá Adriana, como vai?
    Há 2 anos me matriculei num curso de inglês da escola Milenium-Linguas, orientada pelo Prof. Norberto Keppe, que você deve conhecer.

    Eles abordam a inveja sobre outro aspecto, ou seja, que o homem tem inveja de de Deus - através da qual o ser humano tenta acreditar que a realidade é ruim - só porque tem raiva de toda maravilha que existe na verdade. Por causa desta atitude, fwcha os olhos, tornando-se alienado, inconsciente. Confesso que fiquei curioso...

    ResponderExcluir
  5. Oi Marcelo! Tudo bem?
    Não conheço esse professor.
    Esta perspectiva sobre a inveja fundamenta-se numa visão do ser humano como uma criança, infantil e tola, de curto entendimento das coisas.
    Não é o pano de fundo do qual nascem minhas reflexões. De onde esse professor tirou sua teoria? Quais as bases teóricas? Qual é a referência experiencial?

    Um abraço
    Adriana

    ResponderExcluir
  6. Descrição fantástica. Vivi isso com minha mãe, só tive paz ao sair de casa. Hoje, moro em outro estado, depois de ouvir durante muitos anos calúnias, manipulações, pseudo-infartos e demais chantagens, em que ela me colocava como causa, sem nada haver. Obrigada por sua lucidez e generosidade ao escrever o artigo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns a você também por ter conseguido se libertar! Escrevi um artigo que se chama "Pais péssimos" e seu testemunho vem a calhar: precisamos acabar com os ideiais maternos.

    ResponderExcluir
  8. Texto incrível !
    Também sou psicóloga, agora sua fã e seguidora de seu blog!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. sIMPLESMENTE FANTÁSTICO TENHO UMA PESSOA ASSIM NA MINHA VIDA, ELA NÃO PODE OUVIR MEU NOME OU ME VER, ISSO ME FAZIA MAL, AGORA DOU RISADA DA tragedia grega que essa inveja se transformou, não deixarei esse sentimento tao pequeno dessa pessoa atrapalhar minha vida pessoal!!! adorei!
    Cuca Rivani

    ResponderExcluir
  10. Obrigada Mrs. Torquato! Prazer em conhecê-la :-)
    Cuca, obrigada a você também! O sentimento da inveja é pequeno no sentido moral mas é grande no sentido humano. Ocupa muito espaço psicológico e causa muito mal :-( Mas consciência, auto-consciência e atitudes podem vencer a guerra.
    Como há de ser, certo? Porque o Bem deve vencer o Mal. :-)

    ResponderExcluir
  11. MUITO BOM!
    O mais interessante é perceber isso dentro da própria casa.... Triste...

    Abraços e parabéns pelo texto

    ResponderExcluir
  12. Ótimo texto!
    Infelizmente exitem pessoas assim, e pior ainda nos rodeiam!
    Mas não podemos ser hipócritas e dizer que em nenhum momente em nossa vida, nem que por um instante assumimos o papel desse "ser horrível", mas ai que está a diferença entre aqueles que assumem e se corrigem e aqueles que se escondem por trás de uma máscara de falsidade pura!
    Sinceridade esse tipo de "pessoa" não me incomoda, quem sofre com isso no meu ponto de vista, é quem sente...PACIÊNCIA SE A ALEGRIA AlHEIA INCOMODA! rs

    ResponderExcluir
  13. Verdade, Alessandra... dentro da própria casa encontramos esse tipo de comportamento.

    Tania, é também verdade que inveja é um sentimento que faz parte da natureza humana. Por isso que no texto eu fiz questão de identificar o "invejoso contumaz", aquele que não quer mudar. Inveja por algo que os outros têm e nós almejamos é natural, na dose certa deveria incentivar-nos a ir adiante na vida. O problema é aquele invejoso que dedica grande parte de suas energias a solapar os outros.

    Grande abraço!
    Adriana

    ResponderExcluir
  14. Excelente texto!!uma abordagem perfeitamente real.estou sofrendo nesse momento da minha vida com a inveja. inicialmente quando se passava por minha amiga, minha colega de trabalho me criticava e sempre me colocava pra baixo.mudei meus horários de modo a evitá-la mas a situação não melhorou. agora ela aproveita a minha ausencia para lançar calunias e mentiras sempre me desmerecendo profissionalmente.Já não sei como agir com essa situação.Será que existe alguma forma de diminuir a raiva que essa pessoa sente por mim? Há como frear as desavenças, mentiras e sabotagens? devo fingir que está tudo bem? por favor me ajude com sua opiniaõ. obrigada.

    ResponderExcluir
  15. Olá Virgínia! Pelo jeito a pessoa em questão é agressiva e não desiste, quer mesmo é acabar com vc. Tem algum tipo de vínculo entre vocês - mesmo que nào seja consciente - que precisa se compreendido (por você) para que vc consiga se desvencilhar dela. Precisa fazer uma análise apurada da situação para descobrir como desatar esse nó, ou seja, qual é o comportamento apropriado que vai dissover a situação. Sem conhecer a situação concreta (e seu histórico) não tenho como ajudar concretamente. Se quiser, me escreva para marcamos uma sessão.

    Abraços!
    Adriana
    adrianatnogueira@uol.com.br

    ResponderExcluir
  16. olá parabéns pelo texto,vivo isso tudo atualmente,um falso colega de trabalho que se diz meu amigo mas é na verdade uma cobra querendo dar o bote!Sinceramente não sei do quê ele tem inveja,sou uma pessoa simples,não tenho coisas de valor,não sei oque ele viu em mim!!Valeu pelo texto ele me fez enxergar ainda mais a verdade sobre esse amigo da onça que eu tenho.

    ResponderExcluir
  17. Olá Adriana! A irmã mais nova do meu marido é esquisita, ela sempre me admirou, tratou bem, queria ser magra, alta, achava bonitas minhas roupas,dizendo que quer fazer o mesmo ensino superior que eu, sou advogada pós-graduada. Até o dia que eu fiquei noiva. Aí começou o inferno: começou a me difamar pra família, falar que ele tinha se tornado uma pessoa pior desde o começo do nosso namoro, que eu o manipulava, resumindo, fez tudo para me derrubar, para destruir nosso noivado. O ápice foi um dia que me expulsou da casa dos meus sogros, eu contestei, ela rasgou minha roupa e eu revidei, dei um tabefe nela,e a cortei da festa do casamento, agora sempre que nos encontramos em algum lugar, ela fica incomodada, (é adolescente), vive falando de mal de mim, acho que ela tem inveja, e morre de ciúmes do irmão, que hoje é meu marido. REsumindo ela diz pra todo mundo que me odeia e que compete comigo, por favor Adriana que que é isso? Acham na família que ela tem transtorno bipolar, já resolvi deixar ela brigar sozinha, não entro mais em pilha, acho que ela morre de inveja de mim, parece querer ser eu. Gostaria que você me dissesse o que fazer.

    ResponderExcluir
  18. Com certeza está em competição com você. Por que... isso só conhecendo melhor a situação para entender o que realmente está acontecendo e como resolvê-la. "Transtorno bipolar" pode ser uma cômoda etiqueta para não se pensar no caso e todos ficarem "tranquilos". Vc, pelo visto, foi bem ingênua. Melhor aprender a ler nas entrelinhas e assim desenvolver o "terceiro olho".

    ResponderExcluir
  19. É eu achei que era coisa de adolescente, que era só ciúme do irmão, apesar que desde o princípio meu santo não bateu muito com o dela rsrs, eu vi meio maldade no olhar, não sei se estou exagerando rsrsrs, e eu alertava meu noivo e ele não queria enxergar, agora ele diz que foi muito cego, ela era a preferida dele, ele a mimava, ela se achava filha, mesmo não sendo...coisas que não dá muito para entender.
    Adriana, quanto você cobra a consulta online? Obrigada por me responder! Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  20. Entre em contato via email: adrianatnogueira@uol.com.br
    Um abraço

    ResponderExcluir
  21. Oi.
    Por favor me ajuda a entender uma coisa. As vezes me pego comparando minha vida com a de outra pessoa proxima e querida e fico contristada por não poder ter ou ser igual. No entanto esse sentimento não me impede de ficar feliz por ela. Pelo contrário acho até que ela merece, dou apoio e sinceramente amo essa pessoa. Então ue sentimento é esse? Porque não consigo enuadra-lo na inveja, uma vez que não pretendo diminuir a pessoa e muito menos desejar algo de ruim pra ela.
    Muito obrigada

    ResponderExcluir
  22. Então não é inveja. É que vc quer melhorar sua vida e não sabe como. Precisa passar da fantasia aos fatos: faça algo para se entender e melhorar sua vida. Faça terapia, corra atrás, se engaje. Procure a si mesma.

    ResponderExcluir
  23. Gostei muito do seu texto, apresenta uma reflexão ampla. Tenho amigos que me colocam nas nuvens, fico sempre observando a forma como se colocam diante de mim, me elogiam muito. Sou Psicólogo, poliglota, professor, componho música clássica, exploro minhas potenciaidades, nunca tive grana, sou um brasileiro sacrificado, sempre vivi em bairro de periferia, mas hoje vejo que tenho que ter cuidados. Evito falar de minhas realizações, de meus conhecimentos intelectuais, ouvir mais e falar pouco! Há muita gente que não tem força para lutar pelos seus objetivos que invejam e desejam o fracasso do outro. Abraço Adriana.

    ResponderExcluir
  24. Oi Adriana,
    Gostei muito do apontamento de como a inveja é 'disfarçada' no mundo e de como todos tem vergonha de sentir ou já ter sentido.
    Muita gente aqui apontou sofrer com a inveja de alguém, e eu também já tive muito isso, tenho registros de inveja até na minha infância, com amiguinhas da escola.
    Mas ficou a questão: porque atraímos invejosos? Existe algum componente no 'invejado' para chamar/atrair essas pessoas negativas?
    Eu me lembro de sofrer com inveja desde meus 10-11 anos. Nas escola algumas meninas debochavam de mim sempre que eu conquistava algo (por exemplo, numa feira de ciências que meu trabalho foi filmado e divulgado na TV, ficaram o ano todo imitando o texto que falei, em tom de deboche). Hoje, mais amadurecida, eu sei que aquilo me feria muito, mas eu sempre dei uma de 'não ligo'.
    Na faculdade, no balé, no trabalho, nas amizades mais próximas, na família... eram comentários depreciativos, boicotes velados, brincadeiras de mal gosto, críticas para ferir...

    Porque atraímos invejosos, afinal? Somos 'invejosos disfarçados' que se deram bem?
    Se o outro é reflexo nosso, pq tanta inveja ao nosso redor?

    Cariny BTCielo

    ResponderExcluir
  25. Cariny,

    em geral podemos dizer que:
    1) atraímos a inveja que ocultamos em nós e não assumimos dando uma de boazinha;
    2) somos simplesmente bonitas, talentosas, inteligentes e vivemos num ambiente muito baixo!
    3) há mais por baixo do pano.

    É importante não ter medo de reconhecer a nossa inveja. Como escrevi ela não vem sempre negra e feia, fica assim quanto mais a negamos e ocultamos. Em seguida, a grande questão é que num lugar onde o nível intelectual e social é baixo e há muito resentimento pela vida que se leva, quem se sobressai vai ser massacrata. É regra.

    Enfim, há um terceiro nível mais profundo que eu fui descobrindo por experiência pessoal que volta atrás no tempo e encontra a raíz do mal (que não necessariamente é culpa nossa). Por isso a pergunta seguinte à sua é: por que nasci aqui e porque tenho que lidar com isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa! Ficou bem clara a resposta! Gostaria de ter alguém inteligente assim do meu lado, como amiga,Adriana Tanese.

      Excluir
    2. Vc não precisa de uma amiga, precisa de uma orientação, guia, suporte, ou seja, de uma terapeuta.

      Excluir
  26. Olá Adriana. Vivo muito atormentada há anos pois convivi a vida inteira com pessoas que ao mesmo tempo pareciam me amar e me faziam mal. Essas pessoas só se sentem bem quando me vêem triste, para baixo e então tentam me animar. Porém quando eu estou feliz ou realizando algo percebo que não as agrado mais. Elas tentam fazer parecer que eu é que fico diferente quando algo bom me acontece. Não acredito nisso pois costumo analizar tudo o que falo para não falar nada que possa ser mal interpretado, até por que não costumo me enganar com esse tipo de pessoa por serem muito óbvias e as vezes sem noção. Parece que acham que as outras pessoas não pensam e analisam as coisas. Cheguei a conclusão que eu sou muito invejada. O que eu não entendo é por que isso acontece tanto comigo e por que me prejudica tanto.
    Já fiz até testes escondendo algo para dar certo e vice versa. Sempre há confirmação. Sou invejada até em meus problemas. Como devo me proteger. Será que dá para ser feliz sozinha, sem dividir a minha vida. Fico tão feliz em ver o bem acontecer com os outros. Me faz pensar que estão bem e isso me alivia.

    ResponderExcluir
  27. Drica, precisa entender por que isso está acontecendo com vc, aí encontra a resposta para todas as outras perguntas. Para saber por que isso está acontecendo com vc, vc precisa fazer um trabalho de auto-conhecimento, ou seja, uma boa terapiacom alguém capaz de lidar com isso tudo.

    ResponderExcluir
  28. Olá, Gostaria de dar os parabéns pelo texto... Convivo com uma pessoa que age exatamente dessa forma... e sofro de mais com isso, mas lendo esse texto acredito que ela sofre muito mais... Como devemos agir nestas situações...?

    ResponderExcluir
  29. Como já respondi a várias pessoas, a pergunta: como devemos fazer? para ser respondida apropriadamente preciso conhecer os detalhes da situação de cada um. Não existe uma fórmula. E para isso: tem que marcar uma sessão comigo.

    ResponderExcluir
  30. Ótimo texto!! Entretanto a maioria das pessoas sente-se invejada e se recusa a confrontar esse defeito em si própria. A inveja atua diariamente dentro de cada um de nós, o q pode mudar é só o modo como deixamos q isso de exteriorize.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, a inveja não é uma característica exclusiva de umas pessoas. Mas acho que escrevi isso.

      Excluir
  31. Oi, Adriana,

    você não imagina como seu texto foi esclarecedor e me fez entender determinadas situações que permeiam minha vida. Meu pai era proprietário de uma chácara e lá vivemos boa parte de nossas vidas, com muitas dificuldades. Éramos tratados como "os pobres" da família e, muitas vezes, fomos humilhados. Porém os que se consideravam ricos na família sequer possuíam casas próprias. Hoje, compreendendo a inversão de valores, estou certa que ricos éramos nós! Como vivemos no interior, os sobrenomes ainda têm, por incrível que pareça, uma importância quase vital...coisas do coronelismo, entende? Pois bem, estudei, estudei muito. E trabalho muito, também. Aquela chácara foi vendida quando meus irmãos e eu ainda éramos adolescentes por conta da doença de meu pai. Sou professora da rede estadual de ensino, proprietária de uma escola, polo ead de uma Universidade, proprietária de uma pequena chácara e dois filhos lindos. E aqueles familiares que ficaram lá atrás, na nossa infância, nos tratam com indiferença. E os amigos, ah...os amigos...muitos pararam no tempo. Casaram, engordaram...rsrsrsrs....mas pertencem àquela "sociedade". Quanto a mim...continuo ignorada como quando era "pobre". Raríssimos convites pra eventos, se publico ou compartilho assuntos importantes no facebook, lá mesmo eles ficam, com uma ou outra curtida desse pessoal que eu adicionei por educação, por se tratar de uma página da escola porque a minha, particular, eu fechei, temporariamente, por não conseguir administrar as duas. Enfim, sinto o peso da inveja em minhas costas e isso me faz mal, até hoje. O que me orienta, Adriana?
    Um abraço,
    Vera

    ResponderExcluir
  32. Muito interessante sua história, Vera. Vejo que vc já refletiu sobre o assunto e há muito sentimento envolvido. Parece que vc está agora com vontade de dar uma virada nessa situação. Vc não quer marcar uma sessão comigo para que possa ajudá-la?
    Veja a página acima sobre sessões e valores e se tiver interessada me escreva. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou te enviar e-mail, Adriana, como (asspe@uol.com.br)
      Ah, já te convidei para o Face (Asspe polo Unimes Itapeva/Itararé).
      Obrigada pelo retorno!
      Um abraço!
      Vera

      Excluir
  33. Gostaria de registrar a minha opinião sobre este arquivo, por tratar-se de um suporte emocional aos leitores. Vivencio estes tipos de situações citadas diariamente, com a maioria das pessoas de quem me aproximo. Estou ficando desiludida, em relação às pessoas, tenho medo de criar vínculos, ter novas amizades, pois sempre acabo me decepcionando com a inveja alheia. Sinto necessidade de compartilhar e entender melhor este sentimento tão feio, que ofende e magoa.

    ResponderExcluir
  34. Ola, Adriana !
    Me vi compretamente nesse texto que você escreveu. Como faço pra me livrar da inveja?
    Obrigado desde já!
    Meus Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer marcar uma sessão? É fazendo a jornada interior do autoconhecimento que vc supera esse problema. adrianatnogueira@uol.com

      Excluir
  35. Adriana, fascinante suas palavras,mas é possível livrar-se da inveja??

    ResponderExcluir
  36. Super, mega, hiper interessante. Adorei!

    ResponderExcluir
  37. Esse texto caiu do céu e é uma bênção de deus para mim. Eu não ligo para beleza física. A beleza física é efêmera. Mas eu fui tão marcada pela vida por causa da beleza. Eu fui tão invejada. Eu tive uma diretora que cada vez que me via, ela armou, me difamou pelas costas. O meu mal é que eu estava ingênua e eu não conseguia entender tanta sacanagem no magistério público, difamação, clima de intriga e fofocas. Esse texto veio para me abrir dos olhos. O negócio é me proteger espiritualmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abrir os olhos e aprender boa psicologia: esse é o negócio.

      Excluir
  38. Muito legal e interessante, como varios outros artigos ja publicados. Nao estou criticando, mas os erros de portugues e concordancia sao sempre varios. Me incomada ao ler e sei que isso tambem acostuma alguns leitores a lerem e aprenderem o portugues errado. Entao se precisarem de uma mão...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela crítica, Raissa. O que você quer dizer com "se precisarem de uma mão..." Você se disponibiliza para revisão?

      Excluir
  39. Olá Adriana! Seu texto me ajudou muito no dia de hoje, tenho enfrentado esse comportamento por parte de amigas que gosto muito e varias vezes cheguei a achar que a culpa era minha, como elas queria m insinuar. Por postar fotos de viagens e com minha família, uma delas chegou a me "aconselhar" sair do instagram para não despertar a inveja das pessoas. Fiquei atormentada com aquilo, como é que vou me castigar saindo das redes sociais por um problema que é dos outros?
    Com seu texto tive a clareza de enxergar que o problema não é meu e sim daqueles que não conseguem ver os outros felizes. O mais interessante é que essa pessoa que me mandou sair das redes sociais não sai, pelo contrario! Um abraço e obrigada pelo texto, maravilhoso!

    ResponderExcluir
  40. Muito esclarecedor o texto mesmo. Eu gostaria de saber o que uma pessoa faz para ser invejado, tenho sempre a impressão que de alguma forma provoco isso. Durante minha vida tive convivência longa com pessoas que me dominavam por causa de sua inveja e lá estava eu tentando conquistá-las e me sentindo sempre culpada porque elas sempre dizem que comprei um carro que não precisava, que tenho muitos sapatos... etc. Começou com minha mãe que competia comigo como se fosse minha irmã, chegava até a se apropriar de roupas minhas ou fazia altas chantagens pelo que eu tinha que ela não teve no passado. Depois um grupo de amigas envolvendo inclusive minha terapeuta (que era desequilibrada) que por pouco não me levaram a morte. E atualmente estou enfrentando problemas com uma grande amiga que quer jogar minhas roupas no lixo porque acha que tenho demais, a chantagem ainda é pior porque agora arrebanhou marido e filha para me atormentarem também e minha energia está sendo minada a cada dia. Claro que isso tudo acontece porque de alguma forma eu deixo e que se minha presença desperta esse sentimento tão feroz disfarçado de cuidados, então alguma coisa eu poderia fazer para evitar. Percebem o que quero dizer? Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema não é a inveja. O seu problema é sua necessidade de ser aceita, o que faz que as pessoas lhe machuquem. Sua falta de auto-estima para se proteger, se afirmar, se amar, se definir.

      Excluir
  41. Olá Doutora,eu gostaria de saber se é possível que uma pessoa tenha muito mais coisas do que eu, mas mesmo assim sinta uma inveja terrível de mim.É possível isso? Fui uma adolescente muito pobre, mas as minhas primas ricas sempre me imitavam em tudo.Sempre procurando saber da minha vida para imitar.Como pode uma pessoa ter tudo na vida e ter inveja de uma pobre coitada como eu?

    ResponderExcluir
  42. Olá..
    Vi muitas pessoas aqui falando que se sentem invejadas..
    Mas confesso que sou refém da inveja. Luto contra isso a muito tempo, hoje considero que já não é tão forte como era antes e que consigo estar bem comigo mesmo. Mas as vezes me vejo caindo nela de novo e de novo, então a felicidade do outro me afeta tanto quanto a tristeza. De uma pessoa em específico me vejo refém, acho que devo viver as mesmas coisas que ela, acho que deveria ter a mesma maturidade e "reconhecimento", então ataca minha ansiedade de querer "crescer". Não quero mais me sentir assim, mas tem hora que não consigo fugir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. levanta a bunda da cadeira e vá atrás de suas conquistas. Nao se sinta fracassado, a vida é cair e levantar até o fim!

      Excluir
  43. Louco muito louco eu queria entender como a inveja posa fazer mau a auguma pessoa de que geito como iso nao e verdade ..eu nao acredito sao fabulas fantazias de uma mente pertubada ou remedio para solidao se alguem puder me ajudar eu quero sim um gole de .depresao de auto estima baixa um deve ser bom .nao pense que eu sou de oltro mundo nao vivo aqui mais eu queria esperimentar ese sentimento algum dia dotora eu queria uma consulta quero entender menhor iso tudo peso desculpas nao me intrepreta mau ..por favor

    ResponderExcluir
  44. Olá, Adriana!
    Desde os meus 7 anos de idade me relaciono com uma pessoa. Estudamos até à 8.a série juntas, morávamos no mesmo bairro, tomávamos o mesmo ônibus, na adolescência a ajudei a arrumar emprego, dividimos um flet um tempo, temos a mesma idade..
    Apesar de termos ficado afastadas um período devido à mudanças, o destino deu uma grande volta e acabamos por nos tornar concunhadas! Hoje, estamos na mesma família.
    O mais engraçado, é que sempre a tive como amiga, tendo eu mesma a apresentado ao rapaz que mais tarde se tornou meu cunhado. Mas sempre achei que ela sofresse algum complexo, pois eu sempre pegava umas mentirinhas inocentes dela na infância. Até eu começar a me interessar pelo cunhado dela um tempo depois .. Nossa! Aí o negócio se tornou pessoal. Custei a perceber o desconforto dela qdo passei a namorar seu cunhado e a frequentar a casa dos sogros. Eu de fato estava em processo de conhecê-lo e ela aproveitou o momento para me dizer muitas inverdades sobre ele, o que me deixou muito insegura no início do nosso namoro. Cheguei a deixa-lo sem respostas por um tempo, tudo devido às coisas q ela me dizia sobre ele. No início, houve uma amiga dela que gostava dele é que mais tarde descobri que ela dava super apoio para que ficassem juntos. Ela chegou a armar situações para q eles se encontrassem e coisas desse tipo. Aos poucos colocou o namorado dela contra minha pessoa também. Um dia ele me falou q as luzes do meu cabelo lhe causavam dúvidas 'por onde eu andava' e ela riu do comentário. Me lembro de ter ficado muito constrangida com isso, mas foi a partir desse dia que notei e aceitei a verdade, o quanto ela não me queria por perto.
    O tempo passou, me tornei namorada do cunhado dela, depois esposa, mãe, passei num grande concurso (detalhe, um concurso na área de formação dela), mas antes de dar a volta por cima, ela me afetou demais psicologicamente, me deixou por baixo com todos. Minha sogra entrou no jogo dela, me diminuíam tanto...
    Bom, o fato é que com o passar dos tempos eu provei pra mim mesma o valor que tenho, mas ela e o marido ainda nos vêem como rivais concorrentes. Sempre damos duro para termos alguma coisa, e quando conseguimos, eles fazem questão de ir e fazer melhor. Se fazemos uma viagem modesta, eles encaram como provocação e vão e fazem uma viagem internacional; se compramos algo com sacrifício, um carro por exemplo, eles vão e compram um carro zero, importado e tudo mais...
    Então, ficou essa coisa chata sabe, desde sempre...
    Recordo-me de qdo recebi a convocação do concurso, que ela também prestou mas não foi classificada, todos os mais próximos da família me ligaram, me parabenizaram, ficaram alegres por mim. Já ela, assim que cheguei na casa de meus sogros para de certa forma comemorarmos, se retirou e NUNCA tocou no assunto até hoje, muito menos me parabenizou.. Porém, como é uma pessoa que não suporta se sentir por baixo, após isso vendeu a alma para poder virar chefia na empresa onde trabalha. E hoje, usa esse pronome de 'chefe' nas conversas familiares, para não se sentir por baixo.
    Olha, sei que esse tipo de coisa é muito comum nas famílias, principalmente entre cunhados, porém, gostaria muito entender onde exatamente isso começou e porquê?
    Sinto raiva de mim mesma as vezes, gostaria de esquecer que ela existe. Mas não consigo me esquecer de todo dano psicológico que me causou quando inventou coisas sobre mim e do meu marido prá mim; quando eu ainda estava batalhando na vida e ela me olhava de cima, como se desejasse minha queda...
    Fico mais triste ainda quando penso que poderíamos ser amigas por termos nos conhecido desde a idade escolar e hoje sermos cunhadas. Mas não, a verdade é bem o contrário...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, acontecem situações assim. Vamos descobrindo aos poucos quem é a outra pessoa. No caso, alguém que afunda no sentimento de INFERIODIDADE e que o mascara ou se protege dele armando contra os outros e sabotando suas vidas. É preciso se cuidar de pessoas assim!

      Excluir
  45. Boa noite,
    O que fazer quando o invejoso é alguém que se ama, um conjugue por exemplo?
    Será que esse invejoso é capaz de amar ou está apenas dissimulando?

    ResponderExcluir
  46. Oi Adriana, boa noite!!
    O invejoso é capaz de amar?
    Ou seria dissimilado, incapaz de amar?
    É possível viver ao lado de um invejoso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada pessoa é um caso. Tem que ver o quanto é profunda e inconsciente a inveja, quais outras características, qualidades e defeitos a pessoa tem. Em geral, acho possível amar apesar da inveja, mas... é preciso tomar cuidado, pois inveja leva à traição, mesmo sem querer. E não quero dizer: traição com outra mulher, mas traição de companheirismo, confiança, cumplicidade.

      Excluir
  47. Bom dia!gratidão pelo texto Adriana perfeito!so quero ressaltar uma coisa ninguém é vitima. E todos nos somos invejosos. Logicamente em níveis diferentes ate chegar a patologia. E a questão da vitimização estamos sempre fazendo projeções, pois tem algo naquele que me inveja que me mantem em uma zona de conforto, claro que inconsciente. As vezes faltamos com a caridade com o outro por alimentar a inveja deste , com minha intelectualidade, meus totes físicos, coisas materiais, ostentando tudo isso e outro que não tem estrutura psicologica por isso sente tanta inveja vai sendo controlado por suas frustrações. Invejoso x invejado onde um controla o outro através da submissão e do próprio controle. Sim porque todo submisso é controlador e virce e versa.

    ResponderExcluir
  48. Eu descobrir que sinto inveja e foi maravilho porque me trouxe uma liberdade que antes não tinha o de saber o real motivo pelo qual faço as coisas, o de refletir porque não fico feliz com a alegria da minha amiga. E a inveja ela é assim: Vc foca em um ponto no qual vc não vê em se. Porque inveja é aquilo que vem de fora, ou seja eu não tenho. Mais a pessoa tem ela so não descobriu ainda por isso fica projetando negativamente nos outros. Talvez se projetasse positivamente seria admiração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No caso minha inveja não prejudica ninguém e ela não esta mais na sombra então posso trabalha-la. Nem todos ainda tem esse nível de consciência e preferem julgar os outros e colocar a responsabilidade nos mesmos da inveja que sentem ou de ser invejados.

      Excluir
    2. Quer dizer so prejuldica a mim mesmo.

      Excluir
    3. Conhecer-se e descobrir-se é sempre libertador, mesmo quando vemos o negativo em nós porque então podemos trabalhá-lo e mudá-lo no lugar de sermos presas. Bem vindo o autoconhecimento!

      Excluir
  49. Obrigado por este texto esclarecedor.sofro muito com com a indiferenca de minha familia.ja ate penseivque é inveja.Morei em São paulo por 19 anos sou de Minas Gerais,e durante o tempobque morava em São paulo tinha uma relação boa com minhas irmas.Me mudei para Minas meu sonho era morar perto de minha mae e minhas irmas.So que tive a maior decepção.Elas não faz caso de mim nem de minha filha(18 anos) nem do meu marido é como se agente nao existisse.sofro muito.Temos situaçao financeira melhor qye eles.Estou construindo uma casa e quando falo da construção eles mudam de assunto.nem se quer perguntam de minha filha que faz faculdade quando comento sobre ela eles calam e nao da assunto. Nao vem em minha casa tem uma irma wue mora prto fa mais de 4 anos que veio em minha casa,a outra mora a dois quarteirões e faz mais de ano que veio.Minha mae quando vem fica olhando pras coisas psrecendo que ta procurando algo.Emuito triste.Fico atras deles o tempo todo, vou na casa delas toda semana. ISSO PORQUE AJUDEI MINHA IRMA MAIS NOVA QUANDO TEVE INFARTO ,FIQUEI 20 DIAS NO HOSOITAL CUIDANDO DELA.

    ResponderExcluir
  50. Respostas
    1. Selma, não posso dizer se é inveja, mas está claro que elas não têm com vc a mesma atenção que vc tem com elas. Ficar indo atrás delas não vai melhorar. Precisa entender o que é que acontece de verdade. E aí vc vai saber como agir e conhecer a realidade. Sabe aquela frase: A verdade vos libertará? Mesmo quando desagradável, a verdade liberta.

      Excluir
  51. eu fui vítima da inveja. Já sentí uma vez e fui correr atras dos meus sonhos pra me sentir preenchida e funcionou. O que me faz sentir raiva, é quando alguem quer minha vida, atrapalha atrapalha me difama e depois que consegue me ferir e destruir tudo, vai viver a vida dela bem, sem peso na consciencia, cheia de pessoas bajulando por perto. Queria saber como deixar de ser ingenua.

    ResponderExcluir
  52. OI ADRIANA PARABÉNS PELO SEU TEXTO VEJO QUE É UMA PESSOA APAIXONADA PELO QUE FAZ, EU SÓ NÃO ENTENDI QUANDO FALA QUE O (invejoso, que não tem personalidade própria mas vive de luz refletida) O QUE QUER DIZER COM ISSO ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bruno, quero dizer que se uma pessoa inveja outra pelo que a outra é, o invejoso vive olhando para essa pessoa, certo? Ele não está focado em si e em como se desenvolver e crescer e alcançar o que quer, mas vive de olho na(s) outra(s) pessoa(s).

      Excluir
  53. ISSO É UMA COISA MUITO INTERESSANTE POIS AO MESMO TEMPO QUE O INVEJOSO ELE VIVE OLHANDO PARA A PESSOA QUE ELE TEM INVEJA, ELE NÃO QUER VER AQUELA PESSOA NA FRENTE DELE POIS SE SENTE MAL.

    ResponderExcluir
  54. Boa noite Adriana desculpe o incomodo mas seu texto é muito bom e fiquei curioso para entender quando fala ( coração obscurecido pela vontade de poder) o que quer dizer com isso ? e quando fala (inveja maléfica ) inveja só pode ser maléfica correto ?

    ResponderExcluir