Pular para o conteúdo principal

CASAMENTO EM CRISE E FILHOS

Adriana Tanese Nogueira

Nessa época de festas, o Natal se aproximando, vamos aproveitar para puxar a sardinha para o lado da sinceridade e das crianças. Vamos tecer uma reflexão sobre a triste realidade de tantos "casamentos" mantidos em nome dos filhos.

Namorar é uma coisa, sabemos. Casar, enfrentar as responsabilidades do dia-a-dia e a chegada de filhos é outra.  Nem sempre a experiência dá certo, mas uma vez que há os filhos... Eis que o casal se mantêm “unido”.

Infelizmente, o ser humano consegue se adapatar a tudo mas nem por isso deixa de pagar pelas consequências. E estas se medem em termos dos limites que se adquirem para o que podemos ser, pensar e sentir. Quantos casais aceitam uma vida mutilada com a desculpa dos filhos? Mentem e vão levando - em nome dos filhos.

É verdade que não se pode chutar o balde toda vez que der vontade. A relação requer um tempo para que a alquimia da união ser processada. Mas quanto tempo? Até quando se pode dizer que já foi tentado de tudo?

Acredito que cada um dentro de si, em honestidade, sabe das coisas. O que embaça a consciência impedindo de ver a verdade e de tomar atitudes são as dependências que se criam.

Dependências econômicas, em primeiro lugar. Dependências afetivas e o hábito, em segundo lugar: saber que há alguém em casa, alguém que vai preparar o jantar, esquentar a cama... conforta. Mas vale a pena? Não seria mais saudável seria ter uma boa empregada e um ursinho de pelúcia? Ou talvez, uma boa terapia.

Mas a maior e mais comum de todas as mentiras é a que justifica um casamento em nome dos filhos. Vamos pensar um momento.

Como pode um casal que se vê todos os dias e não se entende criar um ambiente sereno em casa? Como pode uma mulher que se sente reprimida e não apoiada pelo marido ser uma boa mãe? Por acaso ser mãe é diferente de ser mulher? Seria possível uma pessoa ser uma mulher oprimida e infeliz e uma mãe talentosa, compreensiva e amorosa? Sejamos sérios. Mesmo fingindo alegria, vocês acham que os filhos são tolos? Eles também aprendem a fingir! E como pode um homem irritado e angustiado abrir os braços a seus filhos no final do dia e ter condições reais de conversar com eles e entendê-los?

Quem viveu num ambiente onde há brigas e tensões sabe quanto isso é sofrido. A escola será o primiro sintoma de que algo não está bem, e não culpem as crianças. Observem primeiro as condições em que ela vive. 

Mas também, não é suficiente não haja brigas. É preciso de honestidade. Um casal que não é sincero não pode ser sincero com os filhos. Sem querer ensinam mentiras para sustentar seu teatro. Os filhos, entretanto, perceberão que há algo errado, mas, como os adultos-todos-poderosos, seus pais, lhes dizem que "está tudo bem", eles vão se “quebrar” por dentro aprendendo a dizer e a sentir o que “é permitido” e recalcando o sentem e pensam de verdade. Aprendarão a mentir a si próprios.


Ser mãe e ser pai exige coragem. Nossa responsabilidade não se resume em pagar as contas e dar presentes, escolas e roupas. Precisamos ser referência para eles, exemplo vivo, verdade de carne e osso na qual eles possam se espelhar. E se não podemos dar tudo isso a nossos filhos e nosso casamento não está bom, procuremos ajuda. Agora. Sem vergonha. Vergonha é arrepender-se quando é tarde demais.

Comentários

  1. Bom através da minha experiencia pessoal de vida, eu percebi que os filhos é uma desculpa, um pretexto para não encarar os problemas.

    É fato que o ser humano, isso já foi estudado na neurociencia, ele busca prazer e foge da dor(no sentido psicologico). Então para uma esposa ou um marido "bater de frente", com o que tem que ser melhorado no relacionamento se torna uma dor.

    Ai que vem a clássica desculpa que é por causa dos filhos. Pois de um ponto de vista de terceiros é fácil ficar com o mesmo marido, na mesma casa/cidade emprego, não ter que mudar tuudo, é uma "Zona de conforto"

    Agora buscar ajuda, sair disso, causa um desconforto interno, então mães e pais acabam falando que é por causa dos filhos que isso é o melhor, etc..

    Porém existem outras pesosas que tem (ou mudam) sua percepção de dor, para elas a dor seria ter um casamento ruim e não dar exemplo para os filhos.

    Para outras a dor é se separar ou buscar uma ajuda de um terapeuta ou algo assim. Esse assunto é bem profundo, é bem extenso, depende de valores pessoais, crenças, etc...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…