Pular para o conteúdo principal

Sherlock Holmes ou a função intuição extrovertida

Adriana Tanese Nogueira


A intuição é a capacidade de enxergar o que não está na superfície e que muitas vezes anuncia sua presença através de detalhes que parecem insignificantes ao olhar comum. O intuitivo deve poder estar desligado o suficiente do julgamento externo porque caso contrário não terá autoestima suficiente para prestar ouvidos ao que sua intuição diz.

E aqui está uma das mais difíceis coisas de se fazer. Geralmente a reação às intuições do intuitivo o consideram um preconceituoso, "interesseiro" ou com visão "não objetiva". Ou seja, tira-se validade de forma rotineira de todo conhecimento que não confirma o status quo. Isso parece um tanto demencial, mas é a pura realidade.

Tem razão de ser, porém. Se cada um fosse chutando o que lhe aparecer de repente na cabeça poderíamos estar num mundo de loucos. Há muitas fantasias soltas nas mentes confusas. Nelas os próprios preconceitos e desejos ocultos misturam-se com embriões de intuições. Mas é preciso de bom senso.

Sherlock Holmes é tudo menos que uma pessoa "normal". No filme que está agora na tela seu principal instrumento de trabalho é a intuição. Ele "enxerga" eventos que ocorreram sustentado no conhecimento e em sua habilidade de relacionar dados diferentes entre si. Sua intuição enraíza-se nesse terreno rico e e dá frutos maravilhosos. Toda intuição precisa de apoio para ser efetiva e confiável. Este suporte vem dos conhecimentos que se possui. Quanto mais profundos num determinado campo, mas a intuição funcionará. 

No caso de Sherlock Holmes, sua intuição é extrovertida. Ela está voltada para fatos externos, não por exemplo para os processos psicológicos próprios ou alheios. Nem por isso parece menos "maluca".

Mais interessante ainda, a intuição sherlockiana é potencializada pelos demais sentidos: visão, paladar, tato, olfato e audição. Os cinco sentidos funcionam ao uníssonos, tendo o sexto, a intuição, como a apoteose da capacidade humana de perceber a realidade. Finalmente, o pensamento é o alquimista que faz a mágica de juntar todos os elementos e fazer surgir a verdade.

Este processo fantástico não é fantasioso. Requer observação, silêncio, estudo e ginástica mental. É o resultado da concentração interna, da curiosidade e dA liberdade interior para seguir os caminhos que a intuição oferece. Não importa onde ela levar. Mais uma vez, é preciso dar-se ao trabalho, ter coragem e encarar.


PS.: Veja também "Sherlock Holmes ou quando os neurônios estão em festa em Neurônios Vivos.

Comentários

  1. Opa! Ja achei o que eu perguntei no outro topico! Obrigada!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…