Pular para o conteúdo principal

Alcoolismo, entre vítimas e carrascos

Adriana Tanese Nogueira

"Como você pôde deixar teu filho nas mãos de uma drogada???" Pergunta Anne Hathaway (a do Diario de uma Princesa), personificando Kim, à mãe no filme “Rachel Getting Married“ (Rachel está se casando).


“Mas você era boa com ele…”, responde perdida a mãe.


“Eu era uma fodida drogada!!“ Responde Anne/Kim, elecando todos os sinais de dependência claros já na época. Agora está em reabilitação e no processo de assumir suas responsabilidades, está na hora de interrogar a mãe. Esta foge da raia, não quer encarar, termina dando um soco no olho da filha (o que abriu e enxergou!), a qual retruca dando um tapa na mãe. E sai.


É assim que a drogadição da filha e a omissão da mãe convivem, e o irmã menor encontrou a morte. Anne/Kim, deixada a cuidar do irmãozinho, pegou o carro bêbada e drogada, capotou no lago, se salvou mas não conseguiu salvar o irmão que viu afogar.


O álcool é responsável por 60% dos acidentes de trânsito e é um elemento em 70% dos laudos cadavéricos de mortes violentas. Fora o tabagismo, parece que o alcoolismo custa ao país mais do que todos os outros problemas de drogas juntos.


E o que custa a uma família?

- O alcoolismo é uma doença.


- O alcoólico pode apresentar prejuízos relacionados com o uso de álcool em todas as áreas da vida (prejuízos físicos, mentais, morais, profissionais, sociais, entre outros).


- O alcoólico perde a capacidade de controlar a quantidade de bebida que ingere, uma vez que vence a ingestão (dependência química).(1)


O problema do alcoolismo cresce na proporção do fingimento que se mantém em torno dele. Ninguém gosta de abordar o assunto e são muito poucas as famílias que encaram o problema. Aliás, geralmente é no lar que se aprende a fechar os olhos e a jogar o jogo da conivência.


Além da vergonha e da ignorância - as quais de qualquer forma não são justificativas para nada - muitas vezes encontramos outra realidade por baixo dos panos.


É sempre útil ter um bode expiatório em casa. Usar o alcóol para explicar as falhas do alcólatra é a mesma coisa que usar o alcólatra para esconder as falhas da família. Os desastres que o dependente cria fazem tanto barulho que obliteram as “pequenas” outras malandragens de cada um.


Ser “vítimas” é um método muito usado e para isso precisa-se de um responsável que carrega “todos os pecados do mundo” e é demonizado. Enquanto isso, os demais familiares, esposa, filhos e quem quer que seja, têm seu ganho lateral. Há quem se aproveita do salário do alcoolico, outros do nome, do status, e até das crises, porque as maluquices dele escondem as nossas próprias e falar dele evita as olhar-se no espelho - nós, os que somos tão bonzinhos…

(1) Ver Wikipedia, voz "Alcoolismo".



Nota: Para todos os familiares de alcoólicos que sofrem cotidianamente por causa do alcoolismo de um ente querido abri uma página no facebook para dar suporte, favorecer a troca, promover a saúde mental, emocional e espiritual. Este é o link do grupo: https://www.facebook.com/groups/1989245737982482/?source=create_flow. É preciso pedir para entrar, o grupo é fechado.


Para quem busca ajuda, orientação, suporte e esclarecimento porque está lidando com alguém que bebe demais: 

O Vírus do Alcoolismo.
Quando o amor encontra a sua sombra

Guia prático para familiares de alcoólicos
130 tópicos em ordem alfabética
Com indicações de Florais de Bach


Clique aqui para saber mais ou comprar o livro, disponível em PDF, e-book e impresso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …