06/02/2010

A Persona entre eu e você: como estar juntos na ausência de comunhão

Adriana Tanese Nogueira

Relacionamentos de verdade são aqueles entre almas. Vamos definir logo essa coisa para não ficar no romanticismo barato. Relacionamento de alma é aquele no qual você olha nos olhos da outra pessoa e não enxerga véus. A visão não está borrada, você sente a outra pessoa e as palavras que ela fala estão em perfeita sintonia com o que você sente (e ela te faz sentir) quando as ouve. Na relação de almas não há aquela esquizofrenia entre o que é sentido e o que é ouvido. Ou o que você percebe da pessoa e a forma como ela age.

Esta situação é comuníssima entre homens e mulheres. Os homens (nem todos é claro) são assim: te amam, você sabe que eles te amam, porque você o sente, mas eles não falam, negam ou até se fingem de "ocupados" e "indiferentes".  Creio que pelo menos metade das mulheres que leram isso estão dizendo "Verdade!! Ah-hã...". Eles fazem isso porque temem seus sentimentos e você sabe o quanto você mexeu com eles pela "indiferença" que exibem.

As mulheres são assim: elas querem se dar bem, ser amigas de todos, sobretudo ser "gostadas". O gênero feminino tem uma grande necessidade de saber que são "gostadas" e em nome disso fazem praticamente qualquer negócio. (Não todas, claro, há uma porcentagem da população que tem consciência e dignidade) Por isso, as mulheres vão falar que gostam de tua mãe, irmã e carro. Vão adorar teu novo penteado e elogiar teus brincos. O que ela pensa de verdade só Deus ou o diabo sabem.

Cada um veste sua máscara para caber nos papeis socialmente aceitos. Suas Personas (ver aqui o que é Persona) grudam na pele de cada um com tamanha determinação que ele pode não perceber a profundidade de seu amor e o quanto está em pânico, e ela não se dá conta de suas mentiras bem intencionadas e pode até ter perdido contato com o que pensa de verdade.

Perde-se nessa transação a alma. Pois a alma só pode residir onde a verdade acontece: pânico, amor, ódio, medo, raiva, antipatia, encantamento. Isso é verdade. A pose é mentira - mesmo que conveniente e bem camuflada.

Sem o envolvimento da alma, a relação que todos almejam, cantada em todas as línguas do mundo, chorada e aclamada, se torna inviável. Só pode haver uma meia-pseudo relação dentro dos parâmetros acima mencionados. Cada um, vestindo máscara-Persona só irá poder dar ao outro uma gama muito limitada de si mesmo/a, o que deixa ambos com a sensação de vazio e de insatisfação. Não vale brigar (ou beber), não adianta. É preciso abrir os olhos.

A relação atrofiada e deformada entre Personas ocorre em todos os relacionamentos sentimentais porque só quando há sentimento envolvido (carinho, amor, amizade, companheirismo, empatia, etc.) se quer sentir aquela comunhão profunda com o outro que dá a sensação de plenitude. É essa experiência que segura uma relação qualquer, seja ela entre pais e filhos ou entre amantes e amigos. Fora isso, só sobram uniformes, papeis de papel reciclado e palavras vazias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário