Pular para o conteúdo principal

Psicologia e Psicologias - Quando o ponto de vista é fatídico

Adriana Tanese Nogueira


Toda psicologia serve para alguma coisa. Mas nem toda psicologia resolve. A psique é feita de camadas. Há um famoso sonho de Jung falando disso (em Memórias, Sonhos e Reflexões). Ele está numa casa e vai descendo os andares e nisso descobre que cada um é um específico ambiente histórico, cada um com seus móveis da época; até chegar a restos arqueológicos.


A verdade surge em camadas também. Se usarmos a fisica como exemplo, podemos dizer que a física newtoniana é correta e a quântica também. Cada uma delas se aplica a uma “camada” da realidade, a newtoniana para os objetos maiores, a quântica para os infinitesimais (e muito mais). O mesmo vale para a filosofia e outras compreensões da realidade que não vou aprofundar agora para não me delongar.


Falando em psicologia, eu que não sou freudiana, quando analiso sonhos percebo que alguns conceitos de Freud cabem à perfeição, ou melhor eu os vejo atuarem debaixo dos meus olhos! Nem por isso viro freudiana. Nem por isso tenho invalidado Jung, Montefoschi ou Hillman. A verdade vem aos pedaços, sendo o único problema a tendência totalitária do pensamento humano (a que forma igrejas, corporações e escolas) que visa contrabandear um pedaço pela totalidade…

Como escolher o “pedaço” melhor? A melhor psicologia é aquela que permite chegar mais
fundo, ver mais longe, e entender com mais clareza. É aquela que proporciona mais “clicks” mentais, um maior despertar.


Assim como em todos os âmbitos do conhecimento humano, o mais notável é aquele que consegue explicar mais coisas, cujos princípios são mais amplos e mais apurados, ou seja, mais universais. A melhor psicologia tem como pano de fundo uma concepção da humanidade que permite uma maior gama de ações e possui um alto teor de fertilização.


É importante observar qual é a visão de ser humano sadio que as diversas linhas psicológicas têm. É sabido que Freud, por exemplo é fruto da época vitoriana, ele é judeu e sofreu com isso, tem uma história familiar marcante (como todos) e muito mais. Freud é um sujeito com sua história e contexto, cuja produção intelectual é o brilhante resultado de todos os elementos involvidos.


Ao escolher uma linha psicológica, uma pessoa alinha-se também com o pano de fundo que deu origem à tal psicologia, que ela saiba ou não. Esses fundos são como palcos, cada um com sua história. Saber delas é importante porque disso depende muitas vezes o avançar ou o estancamento da situação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…