Pular para o conteúdo principal

Arquétipos do inconsciente coletivo


Adriana Tanese Nogueira


          Por baixo da singularidade individual há um terreno comum subterrâneo de onde a natureza humana surge e onde ela mantém suas raízes.
          Estas fundamentas profundas e interiores (o inconsciente coletivo) têm áreas de concentração que se desenvolveram ao longo dos muitos séculos de vida humana. Essas regiões psicológicas são organizadas por temas, possuindo um centro circundado por uma periferia. Mais habitantes essas regiões têm, ou seja, maior o tráfico que elas produzem, mais poderosas elas são, o que significa que elas atrem para si muita energia.          O nome técnico para essa áreas de concentração na psique é “arquétipo”. Arquétipos foram identificados pela primeira vez por Carl Gustav Jung (1875-1961) em suas pesquisas empíricas a respeito do funcionamento da psíque. Ele chegou à conclusão que os arquétipos são imagens, mais precisamente são produtos imaginais dos próprios instintos, resultado da experiência humana nos milênios de sua existência.
         Arquétipos se perpetuam de geração em geração e existem porque os seres humanos desde o começo do tempo tiveram que lidar com os mesmos tipos de situação: nascimento e morte, amor, sexo, casamento, guerra, comunidade, sobrevivência, e muitas outras. Se a biologia diz que as creaturas viventes podem desenvolver uma habilidade ou um órgão e passá-lo adiante geneticamente, por que não haveríamos nós de repassar os signifícados essenciais de nossa experiência humana?
         A psicologia que foca sobretudo os arquétipos é chamada de “Psicologia Archetípica” e seu primeiro representante foi o psicólogo James Hillman. Ele afirma que muitas das nossas doenças sociais e neurosis vêm de termos ignorado e reprimido alguns arquétipos básicos sobre os quais nossa saúde e equilíbrio baseam-se.
         Arquétipos são susceptíveis de serem trabalhados de diversas maneiras. Como sua natureza simbólica sugere eles representam pontos de vista e formas de expressar uma verdadeira única. Sendo uma imagem, o arquétipo é facilmente absorvido pela consciência mesmo quando a mente não pode traduzir seus significados. Sua essência não racional reúne uma variedade de aspectos humanos numa figura só.
          Para reconhecer por si mesmo um arquétipo que influência sua psique e as de outras pessoas, preste atenção ao que sente, aos seus sonhos, comportamentos, reações, palavras e desejos. Se você observar de perto, notará um padrão. Indo mais fundo e comparando os fatos psicológicos de diferentes pessoas, você notará modelos de comportamento, uma inteira scena de vida pode estar representada. Se então você se preocupar em distinguir os elementos subjetivos do material comum, dar-se-á conta que está lidando com um tipo de matéria abstrata, como se fosse um rascunho ideal. Como todo rascunho, esse também pode ser transformado numa variedade de objetos de diferentes estilos e cores - tantos quantos as pessoas que há sobre a Terra. Este é um arquétipo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …