Pular para o conteúdo principal

Homens com complexo materno positivo


Adriana Tanese Nogueira

Ele se apaixona por uma mulher que tem algumas semelhanças com sua mãe. Ele vem de uma história de vida onde a figura materna teve relevância em contraste com as falhas paternas. Sua esposa, portanto, lhe lembra de alguma forma o quanto sua mãe foi importante em sua vida. A mãe, sua salvadora. A esposa, sua companheira e, de certa forma, salvadora também. Ele se sente devedor à mãe e à mulher. Agradecido abre-lhes os braços.
          Até aqui tudo bem. Que bom que há homens assim… Num mundo machista e patriarcal, homens que valorizam a mulher são preciosos.
          Só que olhando mais de perto, observamos algumas estranhezas: o homem sabe julgar as situações da vida, mas não usa os mesmos critérios para julgar as que acontecem em sua casa. Quem olha de fora percebe que há um ponto cego que seus olhos não vêem. Ele racionaliza e justifica realidades que não deixaria baratas se fossem do vizinho. Os defeitos que enxerga na esposa “não fizessem efeito”, sua tolerância, aparentemente, não têm limites.
          Olhando mais de perto ainda, por baixo das aparências, percebemos que sua mulher é sutilmente manipuladora. Seus sorrisos ou falas são produzidos, até mesmo sem ela se dar conta (o que é mais comum do que se imagina), com a finalidade de mantê-la na posição que ocupa. Ela sabe que não merece o que tem. Receber contínuas colheres de chá deixa qualquer pessoa insegura porque cabe-lhe naturalmente demonstrar que é digna delas. Daí o papel crucial da manipulação que deve ser tão sutil tanto quanto inteligente é seu marido.
          O homem com complexo materno positivo terá uma confiança cega na mulher sobre a qual projetar seu modelo feminino. Por “confiança cega” não quero dizer deixar de perceber certas coisas e de não gostar de outras. Pode até ser isso em alguns casos, mas desta forma o homem perderia ser orgulho masculino. O que acontece mais frequentemente é uma percepção camuflada de alguns detalhes fatídicos que se encarados mudariam definitivamente sua postura para com a mulher. Ou seja, este tipo de homem sempre encontra um jeito de salvar sua esposa das verdades que iriam desmascará-la. E assim fazendo, ele mantém ela no controle das artimanhas afetivas e a si mesmo no limbo da pseudo-consciência.

Comentários

  1. Esse tipo de homem também está associado a um mãe super-protetora? Homens que tem mães assim projetam na esposa a mulher perfeita, se esta se assemelhar com a mãe? O que fazer quando um homem assim não consegue se relacionar e fica só querendo o impossível (mulheres comprometidas) ao invés de se relacionar com quem está ao lado e é real?

    ResponderExcluir
  2. O homem com uma mãe super protetora vai ser um filhinho de mamãe e vai buscar uma mãe na namorada.

    Homens que idealizam a mãe não necessariamente têm mães superprotetoras, mas certamente têm um vínculo de dependência afetiva dela e de certa forma não conseguem trai-la com outra (aqui Freud teria um prato cheio).

    Homens que buscam o impossível pode estar envoltos numa problemática interna deles que não necessariamente tem a ver com a mãe (se foi super-protetiva ou não, se foi perfeita ou não). Ele está numa viagem dele... que é preciso analisar de perto para entender e poder te responder.

    ResponderExcluir
  3. Eu me casei com um homem assim.
    Meu marido sempre fez tudo o que eu quiz….as vezes as coisas mais absurdas sem se queixar. Muitas vezes eu indagava : Como pode ele aturar isso ???
    Eu nao fazia as coisas de proposito, alias, so qgora me dei conta de que nosso relacionamento e desta maneira. Moramos perto de seu pai e sua mae e a dinamica na casa dos pais e a mesma. Minha sogra uma desvairada e meu sogo completamtente submisso. Ninguem move uma palha contra as coisas absurdas ditas pela minha sogra…..nem o pai nem os filhos e meu marido se casou e sempre me tratou da mesma forma.Havia momentos que eu achava tudo aquilo muito estranho, pois nao me parecia comum aquele tipo de reacao tao calma, tao submissa…
    Marcia

    ResponderExcluir
  4. Agora sabe por que. A gente repete o modelo de relacionamento que conhece.

    ResponderExcluir
  5. Fetichismos e fantasias de dominação e submissão podem ter relação com o complexo materno?

    ResponderExcluir
  6. O complexo materno é formado somente pela imagem/presença da mãe na vida do menino, ou a esta se somam outras figuras femininas adultas como babás, professoras, avós, tias ou mesmo irmãs mais velhas?

    ResponderExcluir
  7. Depende de quem foi a principal cuidador do menino e mais constante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…