Pular para o conteúdo principal

SABER AGUENTAR O TRANCO

Há várias maneiras de ser fortes. Se tivessem que representar a força muitos imaginariam um homem musculoso, alterofilista dedicado. Um cara assim poderia derrubar uma parede, quebrar obstáculos, avançar intrépido... É o que em psicanálise se chama de atitude fálica. Fálico é o sujeito que atua, fala, toma iniciativa, age, intervém. Atitude muitas vezes necessária, mas nem sempre. Quando se ficar só nela a pessa se torna chata, obsessiva, impositiva e dominadora.

Ainda por cima, esta força pode ser inútil em várias situações da vida. para começar, o poder de ação pode não ter nada a ver com a força moral. Ter músculos não quer dizer ser fortes por dentro, e deste tipo de força é o que mais precisamos.

A prova de força é quando é preciso aguentar o tranco. O poder que é exigido nesse momento não vem do físico, mas do poder interior do qual o falo é mero canal. Sacou? Ter verdadeira força é ter bolas. O que se manifesta em conseguir aguentar a tensão. Essa, que vou chamar de força moral, é o verdadeiro suporte para toda ação de sucesso.

Precisamos desse tipo de poder interior quando há uma tensão que é preciso aguentar, sujo resultado final depende de nossa capacidade de suportar, não como bois mudos que levam a carga, e sim como pessoas atentas que não se deixam anestesiar. É indispensável permanecer alertas e vivos, pois pode haver a qualquer momento uma brecha, uma chance das coisas mudarem e é preciso colher as oportunidades na hora. Aqui está a grande diferença entre o tipo que aguenta a barra, mas acaba adormecendo sua sensibilidade a fim de sobreviver e tomando medicamentos e drogas para levar a vida, e aquele que de fato tem aquela força moral para suportar a situação enquanto a transforma. Deixar-se estupidificar pelo estresse da vida não é a solução.

É do forte tirar as conclusões inevitáveis e aceitar as consequências, reconhecer a cruz e viver com ela, ou jogá-la fora e mudar de rumo. É da pessoa que sabe aguentar o tranco fazer o que é preciso mesmo que não é o que desejaria fazer. E, às vezes, não é falando e agindo que se mostra força, mas justamante o contrário, calando e continuando a andar, custe o que custar e dóa a quem doer (inclusive a nós mesmos). É essa uma das mais nobres qualidades do Masculino Positivo.

Aguentar o tranco é uma forma de ser um guerreiro da luz. Essa postura é indispensável quando, por exemplo, se está rompendo uma relação que dá trabalho, produz escândalos e sofrimento. Ou simplesmente dor. Mas a consciência do que é justo é maior do que o “coitadinho de mim, ou dele, ou dela”. É preciso dessa força moral quando se denunciam situações nocivas a si próprios e a outrem e se sofre represalia por causa disso, ou quando se é chantageados por tomar caminhos diferentes dos que os outros esperam de nós.

Enfim, é absolutamente indispensável saber aguentar o tranco quando se aposta em si mesmos.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Olá Rosane, obrigada pelo comentário. Quando escrever seu texto mais "ousado" me avise, vou gostar de ler.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Estou passando por uma crise familiar muito grande e seu blogue tem me ajudado muito.
    Na realidade a minha vida está em crise mas você mostra possibilidades para superar todas essas crises!
    Obrigada por compartilhar seus textos, sua experiência como profissional e ser humano.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …