Pular para o conteúdo principal

Chantagem contra os homens: as (quase) imbatíveis armas femininas

Adriana Tanese Nogueira


Os homens que querem ser bons deparam-se com algumas artimanhas femininas nas quais, na maioria das vezes, caem como patos gordos prontos para o assado de Natal.          Não acredito que esses homens sejam particularmente estúpidos, não mais, pelo menos, dos durões que usam da violência para resolver suas relações. Se aperceber de estar sendo enrolado por certos truques é objetivamente difícil, e mesmo quando eles se tornam evidentes, sair deles implica responsabilizar-se e aguentar catástrofes emocionais de grandes proporções. Pois é aí que as mulheres atacam.
          Além da famosa gravidez “inesperada”, fazer escândalos é uma das favoritas formas femininas para segurar um homem. Mulheres se jogam no chão, berram, choram, arrancam os cabelos, correm atrás, imploram, conversam e reconversam. Mulheres vítimas e sofredoras.
          O homem que quer ser bom, o que pode fazer? O homem que não quer ser identificado com o aggressivo e injusto, o homem de espírito cavalheiro que não aceita tomar o caminho da violência, o que pode fazer?
          Geralmente, na ausência de uma alternativa melhor, ele simplesmente aguenta, se cala e suporta. Se o homem mau é aquele que se aproveita das mulheres, o bom, só pode ser quem assume o fardo de sua responsabilidade masculina: cuidar das mulheres, no caso da própria. Ele então, com toda a seriedade, joga nos ombros sua cruz e enfrenta o inarredável destino. Destino uma ova.
          Mulheres infantis e aproveitadoras ganham assim seu espaço na base do senso de culpa inculcado na alma ingênua de seus companheiros. É fácil de reconhecer um casal assim porque ele e ela não são parecidos em suas necessidades reais. Visto de fora, uma pessoa legitimamente se pergunta o que é que estão fazendo juntos.
          Quando disponível, entra em cena outra chantagem feminina: os filhos. Em nome deles muitos pais não se separam e mantêm um casamento de fachada (como se isso fosse saudável para os filhos), cortam uma relação significativa que poderia ameaçar seu casamento, e se afundam sempre mais na dependência recíproca com a mãe de seus filhos. Ela precisa deles, eles precisam delas para não se sentir maus se as deixarem.
          Com o passar to tempo, homens que queriam ser bons perdem seu horizonte, misturam-se sempre mais com a personalidade de sua esposa, passam a ser cúmplices, perdem a capacidade de dizer a verdade. Enfim, para sobreviver, buscam um nicho confortável, se acomodam. Ajeitam-se naquela mesma vidinha que se estivessem sóbrios, sem o narcótico afetivo, não aceitariam jamais.

Comentários

  1. Muito bom, Adriana Tanese!

    * * *

    ResponderExcluir
  2. Nooooossa!espetacular! parabéns

    ResponderExcluir
  3. como sair das tramas dessa manipulação?

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto...!Sempre que vejo textos sobre violência psicológica doméstica, me deparo apenas com textos feministas ou exemplos apenas contra homens. Sendo esse tipo de violência, ambígua. Parabéns Adriana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simplistas, eu sei. O feminismo conquistou muita coisa em âmbito social, e ainda tem muitas para conquistar. Mas não se pode esquecer que além do social há a psicologia...

      Excluir
  5. É verdade que existe esse tipo de manipulação com chantagens,dramas,ameaças de suicídio, existem dois lados sendo que no caso do narcisista opressor das vítimas psicológica e física o homem usa de autoridade o tempo todo e culpa a mulher de ser sempre a responsável até mesmo pelos erros dele,o agressor ele faz pressão psicológica e a vítima sempre é acusada de errar e é castigada com agressões verbais e físicas muitas vzs,o homem sempre diminui a vítima a fazendo acreditar que ninguém quer estar com ela ,ele afasta a mulher do convívio de amigos e familiares,decide tudo sobre a vida e vítima que fica sem identidade e vive da forma como opressor a manipula ...Leia mais sobre gaslight existe até um filme onde o homem faz a mulher achar que está louca,ele inventa coisas que a vítima não falou a ponto da própria vítima ficarnem dúvida,acontece em todas as famílias,existem mãe e pai narcisista e existem os maridos opressores dos filhos ,da mulher,ele age concientimente mas não tem nenhum tipo de arrependimento eles apenas sugam suas vítimas que é o que fortalecem eles.por isso será comum ver um opressor narcisista gaslight se defendendo por trás de uma matéria que não tem nada a ver com esse assunto.parabéns pela matéria esse assunto é verifico porém o opressor não dá chance para que a vítima faça chantagem ou drama por esta sempre sendo castigada é como se ele infantilizasse a vítima ,se agir errado da forma que ele não quer será castigada verbalmente e fisicamente e ele nunca assumirá papel de culpado ou pedirá desculpas...ELE É O CERTO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo verdade. Primeiro: proteger a vítima fisicamente. Segundo: levar a sério sua dor. Terceiro: ouvi-la! Quarto: ir mais fundo. O que eu faço, o meu trabalho começa no terceiro ponto. Não exclui que os homens massacram as mulheres fisica e psicologicamente e por isso devem ser punidos. Mas como trabalho com psicologia profunda, posso ver outros fios, mais sutis, que agem na psique masculina manobrados por aquela feminina. Cada um com suas armas. Combato e desmascaro toda forma de opressão e manipulação: TODA.

      Excluir
  6. Sei que faz muito tempo dessa postagem, mais por favor me ajude!
    Eu vivo com uma mulher a 5 anos, nos casamos a 2.. ela sempre fora irredutivelmente ciumenta e possessiva, quando começamos ela me fez cortar a amizade com todos aqueles que eu conhecia (incluindo minha família e meu filho), a situação foi piorando e sempre ela fora usando chantagens e mais chantagens..

    Eu tento ser um homem bom, tive meus erros também, maioria por perder a cabeça quando ela se jogava no chão ou coisas do gênero.. nunca bati, nem levantei a mão.. só tento me afastar.. e no máximo mando ela pra "aquele lugar"...

    Ela já me jogou copos, pratos.. quebrou 6 vidros na minha casa.. eu gastei mais de 200 reais para cobrir todo os custos que ela já causou na minha vida... Tirando isso, há algum tempo ela ficou doente e pago quase 600 reais por mês com tratamento dela..

    Eu entrei em processo de endividamento, estou com duas dividas maiores que 1000 reais..
    Quando começamos ela me disse, que "Não importasse, o que fosse, nem que trabalhasse de domestica, não passaríamos necessidade".. isso nunca aconteceu, foi uma promessa que ela nunca cumpriu, tentou cumprir algumas vezes, porém sempre brigava com o patrão e pedia as contas..

    Tem dias que ela simplesmente acorda e me odeia, hoje tem sido um desses.. (ela não tinha aula na faculdade de psicologia dela) por conta disso, ficou em casa.. eu saí pra trabalhar normalmente.. deu-se 11 da manha, ela acordou e começou a surtar por whatts... de gritar.. ameaçar.. e toda coisa do genero..

    Toda a briga, deriva-se do fato, que estou sem dinheiro e não consigo levar-nos para passear nem nada do gênero, só consigo no máximo tomar um sorvete ou algo assim.. porém não está bom.. nunca tá bom..

    Agora ela usa a chantagem de que vai engravidar, para me ferrar financeiramente mais (palavras dela).. E eu não sei mais o que fazer.. Eu ainda amo. mais acredito que não dá mais..

    Meu maior medo, que ela surte novamente, quebre minha casa, me machuque..
    Por favor.. me dá uma luz.. eu não sei o que fazer.

    Desculpa o desespero..

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …