Pular para o conteúdo principal

Diferenças entre Psicologia e Religião


Adriana Tanese Nogueira


Temos um problema: onde colocar a psicologia? As pessoas religiosas, aquelas ativas e participativa de qualquer igreja, quando têm um problema pessoal, dão-se duas opoções: rezar mais ou recorrer ao pastor ou padre. Seria a psicologia inútil para elas? O crente não precisa de terapia?

          Essa é uma questão de um milhão de dólares. Desde os tempos de Jung, teólogos, padres e pastores escreviam desconfortáveis a respeito do lugar da psicologia, em particular da psicanálise, no tratamento das almas, até então terreno exclusivo da igreja e seus representantes. Os três volumes de correspondência de Jung atestam a respeito.
          Vejamos algumas diferenças entre as duas áreas:
  • Se o objetivo da psicanálise é, nas palavras de Freud, “trazer o inconsciente à consciência”, isto conscientizar e conscientizar-se, daí o conhecimento de si mesmo, o da religião é a relação com Deus, qualquer coisa Este seja.
  • Enquanto a religião (todas elas) dá uma identidade a Deus, pois a partir de quem é Deus que dogmas e crenças se desenvolvem, a psicanálise - em particular a junguiana - fala de imagem psicológica de Deus dentro da gente, por Jung identificado com o Self, que, por sua vez, porém, nada diz de específico e mensurável a respeito do divino. Para Jung, todas nossas experiências são de fundo psicológico pois é através da psique que nos relacionamos com o mundo e nós mesmos, algo parecido com o que disse Kant a respeito das categorias a priori de espaço e tempo através das quais conhecemos o mundo.
  • Por dar a Deus uma identidade definida, a religião estipula para o ser humano uma imagem complementar e o esforço do crente é moldar-se o mais possível à “vontade de Deus”. A psicanálise pensa em termos de desenvolvimento da personalidade, e, a junguiana em particular, visa fazer desabrochar algo que está dentro mas que sem as experiências externas não tem humus para construir-se. Daí, a identidade individual ser algo a ser descoberto enquanto o caminho do auto-conhecimento procede.
  • Enquanto a religião parte de dogmas e da palavra revelada, a psicanálise é empirica e parte da experiência e da observação/conscientização da mesma.
  • E, sobretudo, se a religão está baseada na fé, a psicanálise fundamenta-se na consciência.
          O objetivo da psicanálise (Freud e Jung) é o auto-conhecimento, o qual passa pela análise do ego, de suas crenças, hábitos, estratégias, história. Para Jung em particular, pois Freud era praticamente atéu, a jornada interior leva à experiências não mundanas e não materialistas, e inclui a possibilidade da vivência do divino. Experiência esta que marca a personalidade de um indivíduo, mas não se configura para ele na forma de um dogma, de modo que não implica na adesão a uma específica instituição religiosa e doutrina.
          A psicanálise não está interessada em convertir crentes e incrementar religião alguma, mas em promover a consciência individual, o auto-conhecimento humano e, eventualmente, se assim ocorrer, a experiência profunda de algo superior ao ego. Todas essas experiências são positivas porque promovem a saúde global da pessoa. Eu pessoalmente tenho convicção de que ao aprofundar-se em si mesma, uma pessoa acaba tendo a experiência de algo transcendental ou imanente (tanto faz), e que essa vivência é profundamente enriquecedora. Mas a psicologia não se importa em dar uma denominação a esta experiência, não a encaixota em uma doutrina.
          Voltando à pergunta: a psicoterapia serve para o crente?
          Resposta: sim.
          Sim, porque os preceitos religiosos são gerais por natureza, um dogma fala a linguagem do universal. Colocar em prática uma verdade que se acredita como tal são outros quinhentos. E esse é o trabalho da psicoterapia: analisar com atenção, pegar pela mão e ver de perto onde é que está o calo que dói, e por que exatamente; é dar novos pontos de vista, oferecer perspectivas significativas, dar contexto, chão e horizonte.
          Sim, porque todas as experiências, incluindo a religiosa, não deixam de ser psicológicas. Uma vez que somos seres encarnados temos uma psique assim como temos um corpo. Uma psique sadia permite uma experiência mais sadia e profunda da dimensão espiritual.
          Sim enfim, porque o nível de consciência dá a tônica da qualidade da experiência religiosa que se tem. Basta olhar para a história e observar como a prática religiosa mudou: cada um enxerga de Deus o que consegue ver do degrau no qual está.

Comentários

  1. O cristianismo original não era dogmático nem fundamentado em uma "fé" cega, mas alicerçado em uma esclarecida confiança em fatos e em princípios.

    ResponderExcluir
  2. O cristianismo original, sobretudo o dos primeiríssimos séculos era fundamentado no boca a boca e na experiência pessoal. Era um cristianismo "místico" (no sentido medieval). Não diria de princípios e fatos, mas de sentimento, "vocação", de chamado interior. É como toda religião começa. Mas isso já se perdeu há muito tempo, aliás, a igreja institucionalizada hoje não gosta de gente assim, pois mesmo sabendo que o "Espírito sopra onde quer" eles temem que este sussurre algo nos ouvidos dos subordinados que a hierarquia não aprove. Portanto, amarraram o Espírito, codificaram a religião e se autorgam o direito de representar Deus. É a crença deles, não a minha. Não há arrogância maior a meu ver que colocar-se no lugar de Deus e decidir o que Ele ou Ela quer, manda e julga. Amém.

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente não é isso que os registros informam. O cristianismo original era muito diferente do misticismo irracional que se desenvolveu do século II em diante com a mistura de paganismo e filosofia.

    Sim, o cristianismo original era divulgado "de boca em boca". Mas essa divulgação era racional, baseada em fatos e em princípios e não emocionalista. Era uma religião alicerçada em um registro histórico que provia um controle de fidelidade da divulgação. A experiência pessoal era secundária e subordinada ao conhecimento conceitual obtido através do estudo. P/ex. leia Atos 17.

    Não é coincidência que a ciência moderna surgiu depois que a invenção da imprensa tornou a Bíblia acessível. Os primeiros cientistas modernos foram cristãos que tiveram acesso à ela e por isso acreditavam que a Natureza é regida por leis naturais decifráveis pelo intelecto. A objetividade da ciência moderna e sua confiança em fatos e em princípios é filha da objetividade que a Bíblia ensina.

    * * *

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…