Pular para o conteúdo principal

Os homens e sua sombra

Adriana Tanese Nogueira

É curioso e até engraçado. Tenho me deparado com o desconforto masculino ao ler sobre si próprios, sobretudo quando vêem exposto seu lado feio. A primeira coisa que eles fazem é devolver a bola, apontando para a correspondente problemática feminina, ou outra qualquer.
          O teste do espelho parece ser mais difícil para o homem do que para a mulher. Afinal, elas estão acostumadas a críticas, historicamente nunca foram as "mais importantes" e em muitas famílias ainda não o são, e quando o são não são reconhecidas. Agora, eles… Sua bola de luz ilumina os quatro cantos do planeta. Quando a luz é o reflexo do fogo do inferno que eles fazem em casa, então são suas dedicadas esposas que enchem a bola por eles, para depois se esconderem debaixo de sua sombra e consigo ocultar a verdade.
          É extremamente difícil para um homem reconhecer que está errado, sobretudo quando deve admiti-lo à sua mulher, e talvez concluir que ela estava certa. E, pelo jeito, é também delicado enxergar-se no espelho da psicologia e ver sua outra face, a que mostra o aspecto desagradável de si próprio, sua injustiça, insensibilidade e desamor.
          Infelizmente, é por aí que se amadurece. Ser capazes de manter a visão do que for que será visto é saudável porque somente assim é possível passarmos a uma nova fase da civilização. É preciso de mais coragem para encarar-se do que para vencer mostros marinhos e dragões assustadores. As bravuras externas não fazem mais sentido no mundo de hoje, são os grandes pequenos gestos que fazem a diferença, aqueles que falam alto a partir de uma simplicidade carregada de significado, como por exemplo pedir desculpas.
          O herói hoje é o homem que assume seu lado violento, omisso e covarde. É aquele homem que pára de fugir de suas emoções e sentimentos, que não usa a racionalidade, o trabalho e o dinheiro como armas ou como refúgios, dependendo da situação. Eu acredito que toda mulher a quem eu perguntar vai poder citar um episódio desses a respeito de seu marido, namorado ou pai.
          Herói é o homem que enfrenta a coisa feia e assustadora interna sem se identificar come ele, porque o objetivo de tudo isso não é derrubar o homem, inverter a situação e colocá-lo agora na posição de inferioridade. Não creio que as mulheres queiram vingança. Elas com certeza querem justiça e, sobretudo, querem ir adiante. Há muito o que fazer, não tem tempo para perder. A mudança masculina beneficia a todos, homens e mulheres, assim com o feminismo é um bálsamo de renovação para o casal. Lembro as palavras daquela minha paciente: “Tenho tanto amor para dar…” mas o amor deve andar de mãos dadas com a justiça. Está na hora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…