Pular para o conteúdo principal

Saber prestar atenção

Adriana Tanese Nogueira


Diferentemente do que se costuma dizer, “religião” não se resume à etimologia tradicional que a associa a “re-ligar” (juntar, unir, de modo que religião é tudo o que une), mas de “atenção, observação escrupulosa”. É esta a acepção que Jung prefere e o accompanho nisso, pois se prestarem atenção (!), aquilo ao qual se dedica “observação escrupulosa” se torna de alguma forma precioso, passa a constituir um centro de referência de nossa vida,
um atrator de escolhas e preferências. Ou seja, se torna “sagrado”, é protegido e não se pode colocar em questão impunemente.
          Dar atenção a algo é dar nossa presença, energia e poder. O livro “A Profecia Celestina” de James Redfield trata exaustivamente desse assunto, vale a pena aproveitar-se dessa leitura agradável e profunda. Se tudo é energia, o olhar atento é uma forma de transmissão de energia. E se ele também for amoroso estará transmitindo uma energia que dá suporte, nutre e potencializa. O mesmo vale para o contrário, não se fala de “olho gordo”? De pessoas assim é melhor manter a distância física, não só psicológica.
          Fazer atenção permite discriminar e discernir aquilo que ao olhar distraído parece um bolo informe de problemas, sensações ou idéias. Muitos dos pensamentos que se levam adiante, como crença ou lógica são, ao exame atento, um emaranhado confuso de meias verdades, estereótipos, senso comum e simples fantasias. Uma pessoa preconceituosa se submetida a uma conversa atenta e precisa (“escrupulosa”) não vai poder sustentar suas razões. De fato, toda vez que se olha bem de perto uma idéia, sentimento ou atitude se descobre muito mais (e muito menos) daquilo que se imaginava.
          Particularmente, no que diz respeito às crenças de uma pessoa, que motivam suas escolhas e comportamentos, a visão de longe, aproximada e borrada leva a uma série de mal entendidos e confusões que impedem que ela mude, inclusive para seu bem. Por falta de atenção escrupulosa, suas idéias lhes parecem claras, quando a observação de perto revelaria confusão e sobreposição de meias-idéias. Com base em conceitos indefinidos essas pessoas constróem raciocínios lógicos que fazem sentido em abstrato, como lógica do discurso, mas cujo tijolos constitutivos estão corrompidos. É como ter uma frase com sintaxe correta mas sem significado. Para algumas pessoas é preferível continuar dando murro em ponta de faca porque parar para pensar, ou seja, observar com atenção sua forma de pensar, levaria a uma revisão geral e ao auto-questionamento. Nem por isso chegam a algum resultado.
          Sem prestar atenção escrupulosa, paciente e presente, não é possível encontrar o fio da meada. Tentar resolver um problema “na marra” é o mesmo que querer desenrolar um novelo puxando vigorosamente um de seus fios, somente as crianças fazem isso. O ato violento da convicção racional não é suficiente para endireitar o bolo interior, nem próprio nem alheio.
          Como no mito de Eros e Psique, de Ovidio, a primeira prova de Psique (a alma) em sua jornada de rendeção para se tornar uma deusa, é a de separar um montão de sementes, cada uma conforme seu tipo. Quem a ajuda são as formigas, animais pequenos, humildes, disciplinados, trabalhadores incansáveis e fortes. E é isso mesmo: somente o trabalho de formiguinha, consciente e atento, permite enxergar e distinguir, e aí sim saber do que se está falando. É por este esforço que uma pessoa pode compreender-se, fazer justiça a si mesma, aprender a amar-se, entender de fato quem é e o que está acontecendo com ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…