Pular para o conteúdo principal

Quanto vale uma terapia

Adriana Tanese Nogueira


O valor material de uma terapia, ou seja quanto se está dispostos a pagar por ela, é diretamente proporcional aos valores que norteiam a vida de uma pessoa. O uso do dinheiro é um símbolo poderoso daquilo que “vale”. Consequentemente, a lista das “necessidades” é o resultado das prioridades que uma pessoa tem, as quais, por sua vez, dependem de seus valores.

          Valores não são algo explícitos e claro, não creia você ter controle sobre seus valores. “Valor” é algo que toca o afetivo, não a mente abstrata. Valor é o que nos mexe, dá sentido ao que não faz sentido visto de fora, funcionando como parâmetro para a aceitação ou rejeição de pessoas e situações independentemente de seu “valor objetivo”. Frequentemente, os valores que norteiam a vida de um indivíduo são recebidos num pacote fechado via família e grupo mais próximo, e refletem as orientações da sociedade de massa, suas idealizações, modelos e doenças.
          Para descobrir quais são seus valores não procure, portanto, entre suas idéias, mas vá para sua contabilidade. Observe onde e para quê gasta seu dinheiro: lá estão seus valores. Na simples matemática do final de mês é que vai saber o quanto é imediatista ou superficial, o quanto valoriza seus estudos e desenvolvimento intelectual, e o quanto investe em si mesmo como um todo.
          Investir em si mesmo não é o mesmo que fazer um curso, é bem mais do que isso. Quer dizer tomar-se como alguém a ser conhecido, decifrado e melhorado. É levar a sério as feridas, as dores e os sonhos, talvez para no final descobrir que o tal curso que queríamos fazer não é exatemente significativo para nós, apesar de popular. Investir em si mesmos é igual a apostar em si, é correr atrás das questões em aberto, e dar vez à voz do profundo.
          Quantas vezes se ouvem palavras como auto-consciência, evolução pessoal, individuação, auto-conhecimento no dia a dia? De quem e onde? No vocabulário de massa elas têm pouco espaço, basta prestar atenção, ver a televisão e ouvir as conversas por aí. O que é pouco falado é pouco considerado, logo, não há dinheiro para isso.
          Apesar de existirem pessoas com uma quantidade ilimitada de dinheiro, não há ninguém sobre a face da Terra que possui tempo e energias infinitos. Todos hão de fazer escolhas a respeito de como vão passar seu tempo neste planeta e o que fazer com as energias (mente, corpo e alma) disponíveis. É aí que entram os valores, ou os desvalores, ou a falta de consciência dos mesmos. Sem bússola avança-se tateando como cegos numa sala lotada.
          Toda escolha leva a renunciar a alguma coisa. Não se pode estar em dois lugares diferentes, fazer com afinco duas carreiras diferentes ao mesmo tempo ou ter dois maridos juntos (!), assim como é impossível passar o dia no shopping, sair com os amigos, transcorrer o próprios dias passeando e namorando e ganhar um prêmio Nobel no final do ano.
          Escolhas, baseadas em valores, levam a investir o próprio tempo e energias numa determinada direção e nela irá nosso dinheiro. Todos, consciente ou inconscientemente, fazem escolhas desse tipo, logo investir em si mesmos nada tem a ver com a quantidade de dinheiro que se possui mas com os valores que se prezam. Portanto, dando uma rápida olhada em volta, as idéias de consciência, reflexão, compreensão, e, eventualmente, reavaliação dar própria vida e mudança são pouco valorizadas. Logo, do ponto de vista da cultura de massa, o valor de uma terapia vale menos do que um lanche no McDonald’s.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …