Pular para o conteúdo principal

COMO AJUDAR SEU FILHO A LIDAR COM O ESTRESSE


Adriana Tanese Nogueira


O estresse está à nosssa volta, afetando diariamente adultos e crianças, ninguém vive num lugar seguro. Tendo consciência dele podemos encontrar formas de reagir postivamente para reequilibrar-nos, do contrário somente o sofremos. Mas tomar consciência do estresse nem sempre é óbvio, pois pode ser um gotejar de tensão que vai se accumulando lentamente dia após dia. Por causa da idade, as crianças tendem a demorar mais para mostrar sinais de estresse, podendo não conseguir expressar o que as incomoda. Quando uma pessoa está vivenciando o estresse se torna mais nervosa e vulnerável. Esse malestar generalizado se torna uma bola de neve que produz diferentes e desagradáveis “efeitos colaterais” no corpo e no comportamento.

Como podemos ajudar nosso filho a lidar com o estresse?

Em primeiro lugar, é importante conferir como você lida com o estresse: seu filho não terá condições de enfrentá-lo se ele não se sentir confiante que você tem respostas construtivas diante dos problemas.

Em segundo lugar, para que seu filho possa se abrir com você: tenha paciência. Crianças têm dificuldade em expressar o que sentem e contar sem o medo de ser julgado. Portanto, sabendo disso, faça o seu melhor para limpar o terreno para que possa haver uma conversa honesta entre vocês. Coloque de lado sua pré-compreensão das coisas, incluindo o que você já sabe sobre seu filho. Tenha cuidado para não estereotipá-lo com o conhecimento prévio que você tem dele, mas seja aberto a aprender mais coisas sobre a pessoa que é seu filho, seus sentimentos e pensamentos. Uma criança é um ser em evolução, o que significa que ela está continuamente mudando e descobrindo a si mesma. Assim, mantenha a mente aberta.

Se seu filho for um bebê, amamentar, cantar, caminhar suavemente numa atmosfera serena vai ser de grande alivio. Naturalmente, você precisa sentir-se bem consigo mesmo/a. Se estiver tenso/a, o bebê irá percebê-lo e não se acalmar.

Se seu filho for uma criança de dois ou três anos, dar carinho, abraçar e conversar com ele num tom de voz acolhedor (mas não melado) irá ajudar a quebrar o gelo e a se aproximar dele. Quando ele estiver mais tranquilo, tente colocar-lhe algumas simples perguntas para ajudar você a entender o que aconteceu com ele ou como ele percebe determinada situação. Também, pode dar-lhe papel e lápis coloridos e convida-lo para desenhar. Deixe-o à vontade e observe sem interferir. Movimentar-se, também, é uma boa opção, mudar de lugar, de vista e de perspectiva ajuda e mente a fazer o mesmo.

Se seu filho for aluno do ensino primário, aplica-se o mesmo que acima, mas reforçando a sessão das perguntas. Não se trata de um interrogatório, mas de interesse genuino que dá as boas vindas ao que seu filho tem a dizer. Preste atenção para dar-lhe espaço para que ele tenha reações diferentes das suas. Não faça sermões, não venha com seu discurso sobre valores e moral. Dê-lhe permissão para ser verdadeiro.

Crianças, como adultos, precisam de tempo para pôr ordem em si mesmos. Para isso, eles podem querer assistir televisão, ficar em seu quarto e fazer qualquer outra coisa que pareça “perder tempo”. Este é seu momento da “caverna”. Conceda a seu filho esse tempo, mas não perca o foco. Mais cedo ou mais tarde ele terá encarar a situação.


Outra tendência que as crianças (como também os adultos) têm é a de descontar sobre pais e irmãos seu estresse. Neste caso, elas brigam com você por qualquer coisinha que nada tem a ver com o problema verdadeiro. Não deixe seu filho fazer isso com você, mas não em nome do “bom comportamento”, conceito vago e impersonal, mas em seu nome. Você não quer ser maltratado, já tem seu fardo para carregar. Você precisa ser paciente e cuidadoso porque você ama seu filho, mas definitivamente não queira ser um santo, porque esse não é o exemplo que vale a pena passar a seu filho. O que você quer é mostrar-lhe como é possível ser um ser humano decente num mundo estressado, alguém capaz de levar adiante amor e pensamento claro quando as coisas ficam difíceis.


Adriana Tanese Nogueira, psicanalista, filósofa, terapeuta transpessoal, educadora, educadora perinatal, autora. adrianatnogueira@uol.com.br www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …