Pular para o conteúdo principal

Por que algumas crianças não crescem

Adriana Tanese Nogueira

Nadia, Mariana e Ricardo (nomes fictícios) são três crianças normais em todos os sentidos, se não fosse a estrutura óssea miúda e a estatura que melhor combinaria com uma criança de 5 anos, não de 10, que é a idade dos três. Mais interessante ainda, Nadia e Mariana têm irmãos mais velhos cujo tamanho físico é congruente com o dos pais.
          Intuitivamente, esperamos que pais grandes tenham filhos grandes, pais altos filhos altos, pais baixos filhos baixos, pais miúdos filhos miúdos. Nadia e Mariana têm genitores com estrutura física padrão, os pais entre 1,60m. e 1,75m., as mães entre 1,60 e 1,65., aturas consideradas normais para a geração que tem hoje cerca de 40 anos. Por que então suas filhas de 10 anos são tão pequenas? E não só: o tamanho dos ossos parece frágil. O mesmo vale para Ricardo, sendo que ele é filho único. Com 10 anos, ele tem o sorriso e o olhar vivo de um menino da sua idade mas a estrutura física de uma criancinha. Os anos passam e enquanto as outras crianças a cada novo ano escolar estão maiores, estas parecem estar estancadas no mesmo tamanho. O que acontece?
          Todas vêm de famílias de classe médica, com certeza não falta comida na mesa. Não vou analisar as características genéticas de cada uma, pois foge à minha alçada, o que eu quero é apontar para outro quadro ao qual se dá geralmente pouca atenção: as relações familiares, em particular entre e com os pais.
          O pai de Nadia é um homem barrigudo, com cara antipática, dono de uma lanchonete. Sua esposa, magra e com roupas estilo juvenil, usa o cabelo comprido e uma franja sempre tão longa que quase lhe cobre os olhos. Ela faz revenda de sapatos e bolsas. Seu filho é um menino robusto, parecido com o pai, sempre bem penteado e com cara séria. Apesar de seus 12 anos, exibe um espantoso ar de superioridade. Sua irmã quando fala dele usa superlativos, parece que ele é o reizinho da família e, pela expressão no rosto dele, ele sabe disso.
          Os pais de Mariana estão juntos há 15 anos. O pai, homem feio e com ar de auto-confiança, é pelo menos 10 anos mais velho da esposa. Pelo que a filha contou entre lágrimas num momento de desabafo os pais bringam muito. A mãe dela, mulher de bela aparência que ainda  parece uma garota apesar de vestir-se sempre mais ou menos igual e de forma não chamativa, não deixa transparecer nada a respeito dos problemas com o marido, mas como muitas mulheres se vangloria de estar ainda casada com o mesmo homem por tanto tempo “até quando durar”. Católicos fervorosos, vão à igreja regularmente. Ambos trabalham numa pequena lanchonete de sua propriedade num posto de gasolina. Ele não permite que Mariana vá com uma amiga vizinha de casa e a mãe desta para ir ao parquinho do outro lado da rua brincar. Aparentemente, ele não confia na mulher, talvez por ela ser separada. Apesar disso, a olha com uma atenção diferenciada toda vez que a encontra na rua. A mãe de Mariana aparenta submissão e impotência, o marido é claramente o patrão da casa. A família dela não mora na mesma cidade, de modo que todas as festas e férias são com a família dele. A irmã mais velha de Mariana, já adolescente, tem sua vida, fala pouco com a irmã menor e parece pertencer a outro mundo.
          Seja Nadia que Mariana mentem, sobre escola, gostos e o que fazem em casa, sobre seus pais e suas férias. É difícil distinguir o que é real do que não é, mas no geral há sempre aqui e alí uma mentira, uma pequena ou grande modificação da realidade.
          Ricardo é um menino de bom caráter e animado, mas realmente muito miúdo. Sua mãe tem cerca de 1,65m., magra mas não demais. Porém seu rosto demonstra uma rigidez e tensão que a faz parecer mais magra do que é. Dá pouca atenção ao filho, do alto de sua estatura faz um gesto com a mão para que ele se cale ou espere, há sempre algo mais importante para tratar, o celuar toca, alguém fala, uma informação para pegar. Ricardo é paciente, talvez esteja acostumado. Não deve ser fácil conviver com alguém tão central na vida de uma criança como a mãe que nos coloca de escanteio.
          As três crianças não têm permissão para crescer, no sentido de se desenvolver e expandir. Podem ser exigidas para serem “grandes” no sentido mental e emocional, mas não recebem as condições para crescer como sujeitos e “ocupar seu espaço”. Falta o alvará para serem indivíduos, é como se estivessem em compasso de espera. Toda criança gera mudanças, com o passar dos anos sua personalidade e caráter se tornam sempre mais definidos, o que leva a opinar, escolher e, eventualmente, se posicionar.
          Nadia e Mariana são meninas que pertencem a famílias patriarcais. Nadia vive do reflexo da mãe a qual passa grande parte de seu tempo no shopping, consequentemente esses são os valores da filha. Ambas veneram o filho, símbolo da masculinidade, o “salvador” e o “príncipe”. Logo, qual é o espaço que sobra para Nadia?
          Mariana nasceu provavelmente num momento de crise do casamento dos pais, quando a irmã mais velhas já estava “criada” e uma nova criança veio para reaglutinar um casal cansado. A religião dos pais e sua dependência recíproca lhes impede de pensar a vida de forma alternativa, portanto ele permanece no lugar do chefe e ela da seguidora submissa que se auto-engana para manter as aparências e acalmar os medos internos que uma revolução de papeis provocaria.
          Ricardo fica em seu canto para não dar trabalho e não incomodar sua mãe, mulher um tanto azeda e distante. Ele faz o que pode para continuar sua vida sem perturbar a dela, sendo o mais possível “invisível”.
          Se não há um histórico explícito na família a respeito de problemas genéticos ou hormonais, não é para o endocrinologista que é preciso levar essas crianças. A questão a ser posta é: seus pais permitem que elas cresçam? Eles lhes dão os nutrientes (mentais e emocionais) e as energias (atenção e respeito) suficiente para que elas se desenvolvam fortes e grandes como um carvalho? E esta é uma pergunta que cabe às mães em primeiro lugar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …