Pular para o conteúdo principal

QUANDO PENSAR FAZ MAL À SAÚDE

Observando as muitas idéias que me vêm na cabeça e seu desenvolvimento em longo pensamentos e raciocínios interessantes, percebo que se não as botar em prática na hora que chegam, ou muito perto disso, acabo por perder o ímpeto que levaria à realização. Parece que mais se pensa mais fica difícil agir.

De fato, pensar demais é nocivo e produz uma perturbação psicológica digna de muitas sessões de psicoterapia. O pensamento excessivo revela, na verdade, uma deficiência. As pessoas dotadas de pensamento ágil, as “inteligentes”, facilmente inflacionam esse dote e o transformam em algo tão prejudicial quanto a própria falta dele. O calcanhar de Aquiles de muitos “pensadores” é justamante sua falta de ação.

Quando os raciocínios funcionam e correm fáceis, acontece uma espécie de encantamento psíquico. Tem-se a sensação de que pensar seja suficiente, meio que se “esquece” de agir, tudo tende a ficar “na cabeça”. O “pensador” justifica sua “exuberância” de várias formas: ele quer “ter certeza”, quer ser “cauteloso”, quer “fazer a coisa certa”, e etc. Como pensar sai espontâneo e confiante, e ainda por cima aparenta ser um ato nobre e cheio de sentido, termina por assumir conotações mágicas, e o feitiço se volta contra o aprendiz feiticeiro.

Toda vez que surge o ímpeto na direção de alguma coisa ele é “filtrado” pelo pensamento e lá dissecado indefinitamente até não sobrar mais nada dele. A fantasmagoria de pensamentos e raciocínios tão convincentes e sensatos encobre como uma capa da invisibilidade outros aspectos de nós mesmos, principalmente todas as emoções que negariam a legitimidade de tantas belas idéias. É então que o pensar se torna neurótico: um modo de evitar sentir e sobretudo evitar aquele sentir que leva à ação. A paixão do corpo que ascende à cabeça é assim assassinada com elegantes e lineares raciocínios, todos lógicos e fundamentados em “responsabilidade e boas intenções”.
  
Stato
Corpo
Anima
Virtù corrispondente
Il rapporto esistente fra le tre parti dell'uomo e quelle dello Stato
Segundo Platão a alma humana está dividida em três aspectos: razão, vontade e desejo. A elas correspondem três partes do corpo: cabeça, tórax e abdômen. Em seu livro, “A República", o filósofo se refere a esta estrutura para dizer que assim como acontece com o indivíduo o coletivo também está dividido em três partes distintas, todas importantes para seu funcionamento: a classe dos governantes, a dos guerreiros e a dos artesões (em linguagem moderna, dos trabalhadores). O desequíbrio de uma das partes leva à alguma forma de tirania. Se é verdade que a cabeça deve comandar, ela porém não existe sem o restante do corpo com suas outras qualidade. O conjunto deve permanecer unido para que tenha o poder e os efeitos esperados.

Se transportarmos o modelo platônico para a psicologia, vemos que quem dá muita ênfase ao abdômen se torna ganancioso, lascivo e desregado; investir no tórax é, como muitos halterofilistas mostram, valorizar a defesa, o lado guerreiro, produzindo deficiência em outros áreas, como o prazer da vida e o sentido da mesma. Quem, por sua vez, concentra suas energias no pensar tende a se tornar fraco na hora de agir, ou seja medroso e covarde, e com o tempo perde a espontâneidade, pois seus desejos são constantemente manipolados pelo pensamento que lhes tira seu poder revolucionário.

Pensar demais portanto faz mal, e faz mal a todo o conjunto do nosso ser, chegando um dia impreterivelmente a prejudicar nossa própria saúde física.

AdrianaTanese Nogueira
Holistic Life Coaching and Spiritual Learning
www.adrianatanesenogueira.org






Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…