Pular para o conteúdo principal

PESSOAS DE SORTE

Adriana Tanese Nogueira

Por que algumas pessoas parecem ter sorte e outras não? Por que há pessoas que encontram oportunidades que outras não têm? E, em contra partida, há o grupo extenso dos que olham invejando, lamentando sua falta de sorte e se entristecendo ainda mais...

Na verdade, ter sorte não é uma questão de sorte. É uma questão de fazer acontecer. Como? “Se ajuda que Deus ajuda.” Não se diz assim? Observem a cronologia da frase: você primeiro se ajuda e aí, então, Deus ajuda.

Ah, mais eu faço tudo o que tenho que fazer, eu trabalho feito um cão, eu persevero, eu tenho paciência, eu sou bonzinho, eu tentei tantas vezes....

O que parece porém nem sempre é. Como escrevi em outros artigos, às vezes, se fz um monte de coisas mas não justamente aquela única coisa que precisamos fazer e isso porque temos medo das consequências. Fazer mil e uma coisa mas evitar aquela que é realmente importante para... Para que? Para seu desenvolvimento e crescimento como pessoa. Sim, porque esta é uma necessidade da sua alma, se você não atendê-la o universo não irá cooperar com você.

Ter paciência...? Será que é sempre bom? Às vezes a tolerância é o pior dos pecados. Têm coisas com as quais não se deve ter paciência ou ser bons. Manter esse comportamento poderia ser uma super sabotagem contra sua alma.

Ah... e como saber o que a minha alma quer? Basta ser um mínimo sinceros consigo próprios. Todos sabemos lá no fundo o que precisamos e o que nos machuca. A sorte só vem quando fazendo limpeza na nossa existência e aguentamos heroicamente as consequências e assim uma brecha se abre para o universo intervir.

Ninguém pode suprir as necessidades de sua alma, somente você. Ninguém pode começar a transformação da sua vida, somente você. Deus não faz por você. O primeiro passo é seu. O risco é seu, cabe a você assumi-lo. Chama-se “salto de fé”. A atitude é sua, a possibilidade de ganhar ou perder, é de ninguém mais: só sua. A sorte intervém (e sempre segundo seu cronograma) após você jogar suas cartas.

Os grandes golpes de sorte nasce de dentro da gente, quanto tomamos a coragem para encarar algo que precisava ser encarado, que estava esperando por nós. O trabalho interior não poupam da responsabilidade e do possível sofrimento mas dão as condições para levar adiante uam vida verdadeiral.

É preciso conseguir tomar atitudes, selecionar prioridades, fazer escolhas e cortar o que precisa ser eliminado: somente assim, podando a vida, permitimos que ela (re)floresça. Modificar a realidade significa alterar o que é conhecido e o conhecido é confortável, certo? Pode ser um vício, uma crença, uma relação, um trabalho. O conhecido, mesmo quando infernal, conforta.

Como dizem os mitos, o herói começa sua jornada sem garantias. Ele é exilado e/ou se exila, passa por muitas atribulações, luta contra seu chamado até que finalmente se dobra à voz da alma. Ao assumir sua jornada solitária e difícil ele encontra ajudantes: a sorte intervém.

Ao grupo extenso dos lamentosos dizemos: levante-se e caminhe! Está na hora de deixar de lado devaneios, enrolações, preguiça, medo e insegurança. A estrela da sorte brilha para os bravos.

A sorte não é um acaso mas uma labuta; o sorriso da fortuna é caro e precisa ser ganhado. Emily Dickinson

Comentários

  1. A questão é que fazendo o mesmo método pra uns é difícil e outros vem de graça. Como dinheiro por exemplo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E quantos há que têm dinheiro e não fazem nada de bom com ele? Não basta ter dinheiro para ter sucesso.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …