Pular para o conteúdo principal

Como acabar com a pobreza

The End of Poverty? é um fantástico filme realizado em 2008 (para uma breve apresentação em português clique aqui). Nele é tratada a origem da pobreza no mundo, suas causas atuais e perspectivas futuras. São entrevistados personagens de vários países, inclusive brasileiros, seja os quem sofrem a pobreza (os pobres) que os estudiosos que têm algo a dizer sobre ela. Vê-se representantes da Tanzania à Bélgica, da Venezuela ao Kenia, e todos unânimes no panorama traçado.
          A pobreza é uma expressão da injustica social e se tornou um problema mundial que atinge a todos: aos pobres, pois a pobreza aumentou enormemente de 1970 para cá, e ao "mercado", pois pessoas pobres não pode consumir os bens que este produz, portanto, quem vende vai ganhar menos ou não ganhar nada. O sistema econômico no qual vivemos hoje é definido no filme como "falido". Chama-se "neoliberalismo", versão avançada do capitalismo.
          Vale a pena assistir o filme. Talvez, seja a primeira vez que publicamente num filme divulgado pelo mundo afora, representantes e professores de tantos países converjam na avaliação da situação e na sua explicação. A solução é a mesma que foi apontada na época dos anos revolucionários da América Latina, é a mesma que Marx preconizou. Hoje, uns duzentos anos depois, o prognóstico e a diágnose continuam idênticos.
          Conforme o entrevistado Clifford Cobb, um dos diretores executivos da Robert Schalkenbach Foundation editora dos trabalhos de Henry George e promotora da justiça econômica  para debelar a pobreza é preciso que:
1) os pobres digam “Basta!”, recusem a caridade e exijam justiça social;
2) seja realizada uma reforma agrária;
3) seja modificado o sistema fiscal que passa a cobrar mais pelas propriedades do que pelos salários;
4) os povos se reapropriem dos bens naturais, como, diz Cobb, ocorreu na Bolívia na luta pela água.
          Esses quatro pontos levam a reafirmar um dos marcos do comunismo: que os lucro excedente seja redistribuido entre a população e reinvestido no bem público. Marx aprofundou o conceito já existente em sua época de mais-valia, ou seja o lucro que “sobra” uma vez que são deduzidos custos e salários. Este “lucro grosso” é o que  Marx argumentou ser a base primária da acumulação capitalista e é o que Clifford Cobb sustenta ter de ser redistribuído à população.
          No social como no psicológico vale a mesma lei: quem está desconfortável é quem precisa se dar ao trabalho de mudar a situação. Nenhum reizinho descerá do trono para cedê-lo, assim totalmente de graça, a outrem. Como na luta da borboleta para sair de seu casulo, somente fazendo aquele esforço sobrenatural é que ela, a borboleta, ganha o direito à liberdade porque é agora que ela tem as condições para ser livre. Graças à luta, suas asas se tornaram fortes e podem levantá-la, sem a luta ela estaria caída no chão sem saber voar.
          A caridade social e a impunidade individual incrementam a fraqueza e a baixa-autoestima. Tudo o que se conquista na luta direta e pessoal tem outro sabor, abre horizontes. É por esse movimento individual e concreto que tanto a palavra “justiça” quanto a palavra “amor” saem do mundo das idéias abstratas e entram gloriosamente e de verdade na vida humana.

Comentários

  1. Quer você queira ou não, todos nós estamos envolvidos no que acontece no mundo. Qualquer que seja nosso padrão de vida, todos nós vemos um grande número de pessoas que tem um padrão de vida que ultrapassa qualquer proporção. Como se a pobreza não existisse. Entretanto, o fato de que a maioria dos habitantes deste planeta vivem na pobreza e que milhões estão sofrendo de fome, isto é nossa responsabilidade. Talvez seja necessário prestar atenção às causas reais para este desequilíbrio, a tomar consciência da grande necessidade de tomar ações que possam ser um encorajamento para uma melhor distribuição de riqueza entre as pessoas. "Cada consciência individual pode, por si só, tornar-se um incentivo para outros seguirem o bom exemplo e, desta forma, contribuir para uma visão coletiva, capaz de mudar o mundo inteiro." (Alex Mero)

    ResponderExcluir
  2. Concordo com vc, Alex. A paz somente eh possivel na justica (equanimidade).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…