Pular para o conteúdo principal

Elsa, nascida livre, mas com um porém…


Adriana Tanese Nogueira

          “Elsa, Nascida Livre”, é um fantástico filme de 1966 que ganhou 2 Oscars, cuja história é ainda tão fascinante quanto na época em que foi lançado. É a história de uma leoazinha criada por um casal, com o qual desenvolve um forte vínculo.
          A leoa cresce tão afetuosa e presente quanto qualquer cadela bem tratada. Entretanto, com o tempo, Elsa começa a criar alguns “problemas”,
como quando, por exemplo, resolve brincar com uma manada de elefantes. Não podendo imaginar suas intenções, esses animais enormes se apavoram, mudam sua rota e acabam pisando sobre os campos cultivados de um vilarejo próximo.
          Elsa encara a todos como amigos. Foi criada com carinho, sempre teve comida e cuidados: por que haveria de atacar? Os outros, porém, têm medo. Logo, Elsa, agora já adulta e pronta inclusive para o acasalamento, se torna um problema. Das duas uma: ou ela vai para um zoológico ou é reintroduzida à vida selvagem.
          A primeira opção lhe garante a sobrevivência e a segurança. A segunda, lhe oferece a liberdade. Na primeira, sua dona-amiga sabe que Elsa será infeliz, na segunda Elsa pode simplesmente morrer de fome, já que nunca caçou, ou ser rejeitada pelos outros leões.
          Esta é a situação na qual todos nós em algum momento da vida nos encontramos. Chega a hora em que é preciso escolher entre entrar numa jaula e viver num zoológico metafórico ou enfrentar o campo aberto.

  
 

          Há uma cena tão hilária quanto dramática que aparece nesse trecho do filme (começando aos 3:45min.). Se trata do início da readaptação de Elsa à vida selvagem. Na cena em questão, Elsa avança de pernas semidobradas, quietinha se aproxima de um animal escuro e baixo que ao vê-la lança-se na fuga. Elsa leve e solta no começo, acelerando depois, com facilidade o alcança e agarra. Se trata de uma espécie de pequeno javali com chifres ou talvez caninos, virados para cima em meia lua, sua arma de defesa. O animal grita pelo susto, mas a leoa não tem intenção de machucá-lo. Aliás, ela o solta, senta na frente dele e espera, aparentemente, para continuar a brincadeira. O javali, ao contrário, solta uns grunhidos de despeito e dá uma chifrada no peito da leoa. Esta se afasta, perplexa diante da reação agressiva do animal. O javali ganha velocidade e dá mais uma cabeçada na leoa e assim, de cabeçada (chifruda) em cabeçada a leoa é espantada pelo pequeno javali, que claramente está tendo sua vitória e vingança. Finalmente, Elsa desiste e vai embora. Uma leoa jovem e forte posta em fuga por um javalizinho de um quarto de seu tamanho.
          Essa é uma cena para ser assistida várias vezes. Inclusive, observando a cara sem graça do dono de Elsa que testimonial o humilhante ocorrido. A leoa ainda não entendeu, e não entendeu porque ela não sabe de si. E não sabe de si porque seus instintos não estão despertos.
          Elsa nasceu livre, mas só poderá conquistar sua liberdade se resgatar seus instintos. E essa é a lição para todos nós. Nossa civilização criou uma série de códigos de comportamento que visam assegurar o convívio pacífico, mas que muitas vezes produzem somente hipocrisia, dominação e mentira. Em nome do bom comportamento, ensina-se e impõem-se a repressão dos instintos. Todas as reações não esperadas são tachadas de “ruins”. Adultos e crianças que não se “adaptam” aos usos e costumes de um grupo são considerados desagradáveis, quando, talvez, eles simplesmente não conseguem ser suficientemente hipócritas para fingir de gostar do que não faz sentido.
          Elsa posta em fuga por um banal javalizinho representa a confusão que existe na cabeça de quem sufocou seus instintos, e com ele seus desejos, anseios, vontades, alegrias. A bela e majestosa Elsa assujeitada por um bicho que com um só rugido ela poderia por para correr reproduz o absurdo de dobrar a sensibilidade e inteligência (o que é nobre e belo) à estupidez e à baixaria. É uma vergonha, simplesmente uma vergonha.
          A liberdade só é possível a uma condição: que se botem as garras de fora. É preciso aprender a dizer “sims” e “nãos” de verdade, a sorrir porque se tem vontade, e a ir e vir porque é assim que sentimos. A liberdade somente é possível quando se é capaz de defender o próprio território, espaço físico, emocional e mental. O instinto de sobrevivência comanda discriminação e escolha, há coisas e pessoas que não cabem em nossa vida, sem maldade e sem piedade. Há relações, hábitos, pensamentos que não funcionam com nosso corpo e alma, que apagam nossas emoções e nos tiram a alegria de viver.
          Aliás, a alegria de viver está associada à liberdade de ser, da qual os instintos são expressão.

Comentários

  1. Excelente o seu texto e as suas considerações. Parabéns

    ResponderExcluir
  2. I love this history, really!
    maria belle

    ResponderExcluir
  3. Olá Adriana, bom dia.

    Nunca tinha "visto" por essa ótica o filme da Elsa!

    Parabéns! Sempre fui sua fã lendo textos seus e cada vez mais a admiro pela maneira fácil e flexível com que vc expõe seus pensamentos, despertando em nós, seus leitores, fortes e enriquecedoras reflexões. Pude comprovar mais tudo isso no Curso Online para Capacitação da Doula Pós Parto, 2010!

    Bjks pra vc e para a Beatriz
    Graça (Eloim)

    ResponderExcluir
  4. Oi Graça, tudo bem? Que bom que despertei reflexões! Gosto muito da Elsa, até dei esse nome para uma cadela que tive... :-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…