Pular para o conteúdo principal

O LIMITE DA VIDA

Adriana Tanese Nogueira

A vida é limitada. Muita gente não se apercebe disso, sabe-o mentalmente, como uma verdade abstrata que não tem ressonância interna. Ainda não houve aquele “clic” interior que ocorre quando o pensamento se une ao sentimento correspondente. Pois é, a vida chega a um fim e, mais cedo ou mais tarde, todo mundo vai ter que acordar para isso.

Mas essa realidade que pode parecer triste e é em muitos sentidos, pode ser usada de forma empoderadora. Limites de tempo são impiedosamente úteis! Nos obrigam a escolher entre as muitas formas de passar esse nosso tempo aqui no planeta. O que faz sentido para nós? O que vale a pena? Afinal, esta é a grade pergunta: o que motiva e valoriza minha vida, esse meu tempo?

E, como somos, também, seres limitados, precisamos escollher o melhor para não perder tempo, vida, saúde, pessoas amadas, lugares importantes, interesses, e etc. “Melhor” quer dizer que o que quer que nós escolhemos precisa ser algo que vai nos dar um retorno. Algo que aumente nossa força e nossas oportunidades, como também nossa sabedoria e consciência. A consciência da delimitação do tempo, se usada sabiamente, nos leva a definir o que queremos para nós – e quem queremos ser. Agora.

As questões-chave são: como usar este tempo? Com quem usar este tempo? Para quê usar este tempo? São perguntas preciosas, pois nos últimos dias desse tempo na Terra elas poderão voltar e nos provocar uma dor infinita ou uma alegria santa.

Pensar no limite da vida ajuda a abordar com mais distância emocional e objetividade as questões prementes e angustiantes do presente, por exemplo: vale a pena ter vergonha de fazer algo que sabemos ser importante para nós? E vale a pena manter o orgulho que torna inflexíveis e burros, bloqueando o fluxo de nossa vida? Ou manter aquele outro tipo de orgulho que faz permanecer presos a um relacionamento para demonstrar que se “tinha razão”? Quantas outras coisas poderíamos fazer nesse tempo insubstituível?

E o medo? Este, então, é o grande senhor de todos: quantas coisas se deixam de fazer por medo? Não digo o medo de se jogar no oceano do pico mais alto da montanha. Falo do medo de se separar, de mudar de carreira ou de trabalho, de dizer não, de expor e assumir a ferida para poder dela tratar. E o que dizer do medo de falar “te amo”, como também o de admitir que “não te amo”? E aquele outro medo, o de fazer o que se sente? Finalmente, o que pensar do medo de simplesmente se libertar?

Por medo vive-se uma vida inteira em amargura e fingimento. Mas um dia, não haverá mais “os outros” a quem prestar contas, nem um passado e nem um futuro. Não haverá mais medo, porque não haverá mais vida para viver. Haverá apenas um presente, um instante. E nele estaremos só com nossa vida passando num flash em nossa mente. E a pergunta: valeu a pena?


O fato de haver um fim pode e deve ser usado como uma alavanca para motivar a vida em frente, dando coragem e audácia. Uma vez que estamos aqui, vamos fazer dessa experiência a melhor possível e de nós os mais sábios possíveis!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …