Pular para o conteúdo principal

Pessoas Bidimensionais

Adriana Tanese Nogueira

Todos sabem que temos a geometria plana e a sólida. Na plana contam-se somente com duas grandezas: altura e largura. Na sólida, acrescentar-se a profundidade, que é justamente o que dá consistência tornando um objeto aparente e superficial num corpo firme, maciço, robusto.
          No mundo humano a altura representa o pensamento com seus ideais, sejam eles o da igreja ou os da mídia, sejam eles o carro novo ou o corpo perfeito. Deus e o demônio
encontram-se na verticaldade do pensar, com os ídolos de papelão e os de ouro. A racionalidade do pensador é “altura”, pois ele está engajado na construção mental de elevados pensamentos ou inatingíveis objetivos. O ideal da pátria ou da família, o sonho da modelo ou do jogador de futebol fazem parte da verticalidade. Tudo que leva para cima, que abstrai da materialdade do dia-a-dia e do corpo, do sentir e das relações reais que nos redeam é “altura”.
          Na Idade Média a verticalidade tinha um enorme valor, pois representava a relação do homem com Deus, o almejar da alma rumo seu destino transcendente, os valores supremos e o Bem universal. Hoje muitas coisas mudaram, novos Deuses surgiram e valores impensáveis um tempo, mas todos ocupam o mesmo lugar: a grandeza da altura.
          Com o passar dos séculos, a largura foi ganhando sempre mais espaço. Esta representa a horizontalidade da vida humana, isto é as relações com os outros e com o mundo. Frequentemente este aspecto é hoje mais valorizado do que o outro, sem deixar porém de estar vinculado a ele, pois as relações estão repletas de ideais.
          Desenvolver o contato com o mundo é de extrema importância, sem ele todos os valores caem por terra. Até na recusa ao mundo, permanecemos vinculados a ele e dele fazemos nossa referência para a construção de nossa personalidade. O mundo molda. Para melhor conviver com ele, estabelecem-se regras implícitas. Foram precisos séculos para criar comunidades humanas que não se massacrassem à primeira desavença e hoje, todo mundo sabe por uma espécie de mudo instinto que é melhor “se dar bem com todo mundo”.
          Alguns são mais bem dotados do que os outros (veja meu post sobre Introversão e Extroversão), mas todos, de uma forma ou de outra fazem da horizontalidade, ou seja de suas relações sociais, a base de sua vida (repito, mesmo quando têm vivências negativas). Com os outros deve-se ser educados, simpáticos e bastante disponíveis. Ouvi-los e “respeitá-los”, o que significa muitas vezes não dizer o que se pensa realmente.
          Imaginemos então este ser humano que vive entre seus ideais e suas relações sociais. Ele se comporta como “deve” e tem sua rede social. O que falta nesse cenário?
          Nada. Para muitas pessoas não falta nada. E amém para elas.
          Quem sente-se insatisfeito pode continuar lendo.
          Falta a grandeza da profundidade. Para um discreto número de seres humanos, e muitos mais do que se pensa pois eles não têm consciência do que as perturba, falta a dimensão da profundidade, isto é, da interioridade. Graças à vida interior, podemos sentir e avaliar os ideais. Por ela sentimos e compreendemos as relações. Na profundidade tem-se o ponto de equilíbrio entre ser uma marionete dos ideais e ser um boneco animado das relações sociais, um clone, alguém que repete o que é esperado. Pela profundidade é possível fazer dessas duas grandezas, altura e largura, algo interessante, moldando a realidade conforme os chamados internos e ao mesmo tempo burilando as idéias para que se tornem mais humanas e menos diabolicamente abstratas.
          É pelo descobrimento da profundidade que uma pessoa adquire consistência, solidez, firmeza e, consequentemente, valor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…