Pular para o conteúdo principal

TOMADA DE CONSCIÊNCIA

Você vive nessa casa chamada Eu há muito tempo. Nela há vários cômodos e você tem seus espaços favoritos. Alguns cantos da casa estão constantemente iluminados, porque você passa muito tempo lá e conhece cada detalhe do local. Há quartos onde você vai só de vez em quando, se trata de experiências saltuárias que dependem da oportunidade e da companhia. Cada um desses cômodos, com sua mobilia, seus sons, cores e objetos, fala de você. E você está acostumado a eles.

Um dia, andando pela casa, você nota uma porta fechada. Por baixo dela só vê escuridão. A porta lhe é desconhecida e você, de repente, sente-se desconfortável. Quando passar por perto você não pára, mas segue em frente, como se nada estivesse lá. Porém, com o andar dos dias, aquela porta lhe chama a atenção. Você não vai conseguir evitar de ficar fantasiando a respeito do que tem lá dentro. E um dia começará a ouvir barulhos. Coisas estranhas e arrepiantes. Ou coisas intrigantes. Mas o medo continua, aliás cresce com a desestabilizante curiosidade. De vez em quando os sons que transpiram do quarto escuro aparentam ter relação com o que ocorre nos outros quartos. Mas nada disso poderá ser desvendado porque a porta permanece fechada.

Um dia, talvez por causa de um amor apaixonado ou de uns copos a mais, a porta é aberta, por um só momento. Constata-se que, de fato, lá é bem escuro, mas há coisas que lhe transmitem sensações, sentimos e pressentimentos enigmáticos. Porém as trevas permanecem assustadoras e você evitará o quarto.

Mas seus conteúdos começarão a vazar. Agora que a porta está entreaberta, o que é contido no quarto começa a espalhar-se pela casa. Tudo isso se sente, não se vê, pois a ignorância reina completa sobre o que lá tem. Mais tempo passa e, de repente, outra porta se descobre. Essa também está fechada. Em seguida, outra é entrevista. Também fechada. O desconforto que surge no Eu a partir dessas revelações e seu desconhecimento com relação ao que está acontecendo levam-no a buscar ajuda. A ajuda de um profissional que o orienta a conhecer esses espaços novos e desconhecidos de sua casa interior. A procedimento é simples. Ao entrar num quarto escuro todos sabemos o que é preciso fazer antes de mais nada.

Tomar consciência é acender a luz.

Ao ativar a luz da consciência pode-se, em primeiro lugar, distinguir o que é real do que é fantasia; define-se em seguida o que sente de verdade e se pode fazer enfim um inventário dos conteúdos desses espaços da casa do Eu. Aos poucos, graças a esses novos conhecimentos o Eu vai perceber a casa conhecida com outros olhos. Por exemplo, poderá perceber que muitos dos móveis e objetos da casa não foram escolhidos por ele, modos de pensar, sentir, ver o mundo e a si próprio foram recebidos da loja de usados da casa dos pais e da praça coletiva. A uma atenta análise, pode-se concluir que eles não são tão interessantes como pareciam na época em que a luz da consciência estava apagada. Agora é possível fazer uma limpeza de primavera, renovar a propriedade, abrir as janelas e arejar a casa. Novos horizontes são divisados, no fundo dos cômodos e pelas janelas abertas.

Com a prática, a luz da consciência tende a não se apagar mais e de ameaça e tormento que era inicialmente se torna uma aliada preciosa, um instrumento insubstituível para enfrentar a vida. Não é mais fácil enxergar o caminho se se possui a luz do discernimento sempre acesa?


Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

  1. SINCERAMENTE ESSE TEXTO SEM VIA DE DUVIDAS É FANTÁSTICO, EU ESTOU ADORANDO LER OS SEUS POSTS. OBRIGADO

    ResponderExcluir
  2. Maravilha esse texto . Amei .

    ResponderExcluir
  3. Depois que se abre as portas,se descobre a brisa do existir, de ser , se descobre única ,se descobre tb. que pode-se ser feliz conosco mesmo, embora as portas daqueles que compartilham essa existência conosco que estão trancadas , fechadas, muitas vezes são a causa de muitas das nossas desventuras, sofrimentos e momentos de dor. MUITO OBRIGADA PELO TEXTO LINDO, POÉTICO !!

    ResponderExcluir
  4. Elizete, obrigada pelo comentário. Sim, as portas fechadas dos outros são com frequência a causa de nossas desaventuras. Mas, com mais consciência é possível enxergar essas portas fechadas e precaver-se delas. Boas relações só se podem realizar a dois.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …