Pular para o conteúdo principal

O Amor e os amores

Adriana Tanese Nogueira

Em nossos romantismo cultural idealizado, nos referimos ainda a conceitos hipostatizados. Hipóstase é uma noção filosófica que significa originariamente “substância”, mas que com a evolução do pensamento humano ganhou a conotação de uma abstração  considerada como real, uma ficção.

A idéia de Amor muito difusa é, por exemplo, uma hipóstase. Um conceito em torno do qual se tem muito respeito e veneração,
que pouco se usa de “tão profundo” que é e que permanece como uma relíquia incapaz de ser aplicado ou de adaptar-se à realidade. Pois esta é outra coisa, muito diferente e inferior ao Amor.

Esta cisão faz parte da série na qual fomos criados nos últimos 2000 anos, aquela entre corpo e espírito. O Amor, pertencente às coisas do “mundo superior”, naturalmente não pode encontrar-se entre as corriqueiras e banais situações da vida dos comuns mortais. Ah, o Amor…!

Mudando de paradigma e caindo na real, amor é, a meu ver, difuso, frequente e comum. Todos amam e todos os dias. O “problema” não é o Amor mas Quem Ama, ou qual parte da pessoa ama.

Há muitos padrões de consciência com correspondentes diferentes níveis de profundidade. Se a barriga for a “vanguarda” na realidade existencial de uma pessoa, pela barriga ela amará e amará tudo o que agrada à barriga, combina, promove e empodera. “Vanguarda” aqui quer dizer o que realmente move, a ponta da lança. A cabeça pode pensar o que bem entender, mas o que move um indivíduo pode muito bem não ser suas idéias, apesar dele assim achar. Se os genitais forem seu motor, pelos genitais a pessoa ama. E desses casos temos muitos, não é? Agora, o sujeito cujo foco da personalidade está em sua carência e dependência amamará quem corresponder com o seu chamado ou quem ele achar que tem condições de preencher seu vazio. Muitos casos aqui também.

Tudo isso é amor, amor em diferentes camadas. Nem sempre porém a outra pessoa, a que está sendo amada, se encontra na mesma camada do amante. Por exemplo, imaginemos uma situação em que uma pessoa ama pelos genitais e faz sexo com outra pessoa que a ama pelo coração, o que inclui os genitais mas não se resume neles. A quem ama pelos genitais pode estar também amando pelo coração mas seu foco não é lá em cima, seu amor do coração é confuso e fraco, enquanto o chamado dos genitais forte e claro. O resultado é que os dois amantes estarão se “amando em línguas diferentes” mas achando na hora que se estão se entendendo. Mais cedo ou mais tarde o equívoco, inevitavelmente, virá à tona.

O carente que busca uma mãe pode ter a aparência de um indivíduo com garra e iniciativa, alguém com projetos de crescimento na vida. Sua amada pode vincular-se a ele por este plano que é o dela, para perceber com o tempo que o amante sofre de uma triste discrepância entre falar e fazer, idealizar e ser. Logo ela se vê posta na posição de mãezona. O amante a ama, de verdade. Mas a ama do seu jeito. Entretanto, aquilo não é amor para ela.

Cada camada tem sua verdade. No nível superior ou inferior de cada camada, esta verdade já não existe mais. Tudo é amor, mas cada padrão de consciência têm e precisa de amores diferentes. O amor que uma formiga pode ter não é o mesmo amor que um cão sente pelo seu dono. O amor que um bebê precisa é diferente do amor que um adulto precisa. Toda camada possui um certo grau de complexidade, cada uma está contida na seguinte. Quanto mais complexo for o ser humano que ama, mais complexo será seu amor. Quanto mais simplório (na consciência) ele for, mais trivial seu amor. Quanto mais profundo, mais profundo será o Amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …