Pular para o conteúdo principal

O DIREITO DE DIZER NÃO

Adriana Tanese Nogueira

Por não saber que elas têm o direito de dizer “não”, muitas pessoas, jovens e menos jovens, acatam o que recebem, sem discriminar e sem escolher. Uma das razões que justificam a “dificuldade” de dizer “não” é que não se acredita que se tenha o direito de dizer não. Talvez este seja o nó mais doloroso no qual cada um se amarra: por um lado tem-se dó de negar ao outro nosso “sim”, por outro, não nos autorgamos o direito ao não.


Mas a verdade é que somente quem sabe dizer “não” é senhor de si mesmo, está no domínio de sua vida, aliás, objetivamente tem uma vida. Os que só dizem “sim” são como os sem-tetos, não possuem um espaço individual que eles podem organizar e mobiliar conforme preferirem, onde convidar os amigos e viver do jeito que quiserem. Os sem-teto incapazes de dizer “não” prostituem-se para ter um abrigo da solidão e do abandono no qual eles mesmos se jogaram, pois quem só diz “sim” é inimigos de si próprio.
Quem se nega o direito de dizer “não”, perdeu a vida digna e amputou-se o direito inalienável à uma existência individualizadaa. Ser uma pessoa significa ter preferências e portanto excluir outras pessoas, coisas, assuntos e opções da própria vida. Somente o Todo topa tudo. O indivíduo topa só o que lhe diz respeito e o resto fica fora. Sem essa atitude corajosa de distinção e discriminação não há individualidade, mas mera e banal neurose.

Muita gente tem vergonha por não caber nos estereótipos populares e na ânsia de esconderem de si e do mundo essa suposta mancha dizem “sim” com um sorriso de orelha a orelha. Estas pessoas estão sempre disponíveis, a custa de seus próprios interesses. O que parece ser amizade é na verdade disfarce (do qual os outros “corretamente” aproveitam) para despistar o olhar estranho de sua verdade interior: elas são diferentes, ou seja elas são pecadoras. Elas têm preferência diferente das dos outros com quem convivem, tem gostos e opiniões diferentes.

Indivíduos assim não atinaram, e ninguém nunca lhes disse, que há um direito básico universal: aquele de dizer “não”. Tem-se o direito a escolher diferente do pai, do amigo, da mãe e do irmão. Tem-se o direito a não gostar do que muitos gostam, tem-se o direito de preferir outros passeios na vida e pensar de outras maneiras. A verdadeira e saudável diversidade só se alcança após ter conseguido dizer, forte e alto, NÃO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…