Pular para o conteúdo principal

Quem é seu inimigo

Adriana Tanese Nogueira

Inimigos são tão perigosos quanto mais se negar sua presença. Apesar do potencial para o bem que todos possuem e da declaração de boas intenções, é preciso aprender a olhar para os fatos que determinadas atitudes produzem.

Por trás e por baixo das infinitas diferenças de cada situação particular, se ultrapassarmos as peculiaridades pessoais, encontramos duas tendências básicas que se contrapõem: há um movimento para frente e uma resistência. Esta dupla de forças opostas pode estar presente no interior da psique individual e/ou no exterior das relações.

Vamos fazer um exemplo. A está apaixonado por B. Mas A é casado e não quer se separar da esposa porque infringiria dois dogmas: 1) que o casamento havia de ser para sempre e 2) que sem ela seu mundo desmoronaria. Logo, A vive um conflito interno entre duas forças opostas, de um lado, a que busca o movimento, de outro a força contrária que busca o que é seguro e conhecido.

Outro exemplo. C e D são bons amigos. C se apaixona por E, sobre a qual D tem suas dúvidas. D não acha que E seja uma pessoa honesta. C confia em D, mas quer fazer de seu jeito e finge que não vê. Uma vez encontrava a resistência externa (D), C projeta sua própria dúvida em D e, tirando D de se caminho, casa com B.

Passam os anos, C e E têm filhos. Estes começam a sentir-se apertados no ambiente doméstico, pois efetivamente E não era a melhor das escolhas. Naturalmente, os filhos nada sabem, só sentem. Um deles é atraído inconscientemente para D (que ele vê de longe, pois D não participa da vida da família), talvez justamante pela sua radical diferença de E. O desejo da criança de encontrar D, porém, será impedido, provavelmente de maneira indireta, por E, com a cumplicidade silenciosa de C. O menino então tem duas opções: assujeitar-se à vontade de E acatando-a como própria ou reforçar seu desejo e brigar pelo que quer. Isso vai depender de sua personalidade (e idade).

Em ambas as historinhas há uma luta interna e externa entre a força que empurra para além do imediato (por ex., das vantagens imediatas que uma situação pode providenciar) e uma outra que se agarra de unhas e dente ao lote pessoal, mesmo que seja feito de bijuterias sem valor. A briga é sempre entre o Ego e a Voz mais profunda e sábia, representada às vezes por pessoas de carne e osso outras por sentimentos interiores.

Pais podem ser inimigos de filhos e vice-versa, quando um deles impede o desenvolvimento do outro. Pode-se continuar a amá-los, mas os fatos restam fatos. Nas relações de casais é frequente dormir com o inimigos do que se imagina. O movimento para além deum deles é sentido como particularmente ameaçador. Apesar dos dois terminarem na cama (veja, Sexo como band-aid) o problema retorna no dia seguinte.

A verdade é que qualquer um pode ser nosso inimigo, porque inimigo não é uma pessoa mais uma atitude. Atitudes podem durar uns momentos ou uma vida inteira, depende da obstinação e consciência de cada um. É aqui que o potencial universal para o bem, ou seja para a evolução da consciência, abre caminho - ou não. Lembremo-nos do livre arbítrio, o qual devemos respeitar. Assim, quando há pessoas que escolhem se agarrar às suas atitudes mesmo quando demonstradamente erradas é preciso reconhecer o que são: inimigas do movimento para frente. Abençoe-as e deixe-as.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…