Pular para o conteúdo principal

RETARDADOS EMOCIONAIS

Adriana Tanese Nogueira

Os tempos mudam: raciocínios quadrados e lógicas impecáveis ( quando existem) não são suficientes. É preciso mais. Relações conturbadas e sintomas psicológicos e psicossomáticos demonstram que além da racionalidade outra habilidade se faz indispensável para o bem viver. Algo que, por falta de hábito e por ignorância, não se aprende e não ensina e ao qual se não se dá a devida atenção.

Empoleirados nos suportes do pensamento racional olhamos lá do alto com desdém ou com compaixão para as esquisitas manifestações daquela dimensão do Ser considerada inferior e chamada “emoções”, na qual incluo, nesse contexto, também os sentimentos. Utilizando o arsenal de ferramentas disponiveis, consideramos as formas convolutas, coloridas e variadas das emoções que fluem num trânsito constante entre o mundo de dentro e o de fora, e as interpretamos do nosso jeito. A mentalidade na qual crescemos oferece uma série de respostas para cada uma das figuras que enxergamos. Basta abrir uma gaveta lá no alto do nosso poleiro de acordo com afinidades vagas, simpatias e antipatias subjetivas e eis que temos uma “explicação”. Logo, fecha-se a gaveta, retira-se o foco do que está “em baixo”, e cuida-se do que “importa”, ou melhor volta-se a seguir o trilho de sempre, volta-se dentro da bolha mental dos pensamentos de sempre.

Este comportamento pode ser comparado a um estudioso que aborda a natureza do ponto de vista da geometria e inclusive só dispõe de umas poucas formas, quadrado, retângulo, círculo. Suas lentes psicológicas permitem enxergar somente o que couber aproximadamente nessas formas. O resto é descardado por desinteresse e por falta de condições (conceitos) para ser compreeendido. De fato, não se pode ver o que os olhos têm formação para ver, assim como não se pode agarrar uma caneta sem coordenação motora adequada. Entretanto, a experiência psicológica e somática demonstra que essa dimensão do Ser – emoções e sentimentos - joga um papel estratégio no nosso bem estar, no sentido da nossa vida, nas relações que temos, na felicidade e frustração que acarretamos para nós mesmos e os outros. Manter a visão “aproximada” de algo tão decisivo é no mínimo irresponsável.

A dificuldade em lidar com emoções e sentimentos depende de dois motivos que se interlaçam e se influenciam reciprocamente. Por um lado, falta educação emocional e sentimental, a qual entretanto não pode acontecer se se continuar no poleiro olhando de cima com ar de superioridade. A humildade é uma exigência, é preciso “descer” no plano da emoção/sentimento para olhá-la de perto e aprender sua linguagem. Esta atitude requer disposição de espírito, abertura e superação de preconceitos. Por outro lado, não somos meramente esse ego bem intencionado cujo único problema é a dificuldade de “sacar-se”. Por trás dessa primeira camada da psique, existe o simples e bruto interesse que visa manter as coisas como estão, porque emoções e sentimentos desestabilizam. Relacionar-se com eles significa passar de uma posição estática frente a si mesmos e à vida para uma dinâmica, flexível e disposta à mudança. Emoções e sentimentos nunca são inócuos, sempre provocam alguma mudança.

É aí que se revela a verdade. Até que ponto é falta conhecimento ou falta de vontade? Quem tem medo das emoções e sentimentos? Aqueles que não querem/não podem questionar a si próprios, às próprias crenças e decisões porque sairiam de seua zona de conforto. Essas pessoas caminham pela vida como retardadas emocionais. Podem até ser racionalmente inteligentes mas serão emocionalmente retardadas se ignorarem e reprimirem suas emoções.

Por retardo emocional se entende então a inabilidade de lidar com e compreender as próprias emoções e sentimentos – o que implica não saber fazer o mesmo com os  dos outros. Essa deficiência nasce de um vazio educacional  cultural a respeito mas se fortalece pelo medo frente ao desconhecido. Consequência dessa ignorância é a cegueira pelo que está nas entrelinhas em toda relação e a surdez diante do que, por exemplo, os outros sentem mesmo quando estão chorando na nossa frente. Escolhas mal feitas e caminhos errados também fazem parte do mesmo problema.

Que eu saiba, o único modo efetivo para desenvolver este aprendizado e sair do handicap emocional e sentimental é através daquele tipo de psicoterapia que é como um laboratório vivente. Uma análise desse tipo faz-se sem dogmas e teorias prontas, mas de maneira empirista e experimental, discernindo e distinguindo, observando de perto e analisando, fazendo perguntas e buscando respostas novas, porque cada pessoa é única e cada momento irrepetível.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…