Pular para o conteúdo principal

Sonhar é pensar

Adriana Tanese Nogueira

É sabido que o filósofo francês, René Descartes, derivou todo seu sistema filosófico de três sonhos que ele teve enquanto estava acampado na Alemanha como membro do exército francês. Se o “Pai da filosofia moderna” sonhou com filosofia e você com as experiências que teve no dia anterior talvez dependa do tipo de comida com a qual você nutre sua alma. Contudo, é certo que os sonhos de Descartes não incluiam os racicínios e as argumentações plenamente desenvolvidas que ele escreveu em seus vários volumes e que iriam modificar a história do pensamento humano até hoje. Ele trabalhou nesses sonhos, sua mente aguçada levou-os a sério e deles Descartes extraiu uma obra de arte intelectual. Você também pode fazer o mesmo com os seus sonhos (se você se der o tempo e o trabalho).


A linguagem do sonho é diferente daquela que governa nossa vida consciente diurna, tanto é que todos sabem que os sonhos precisam ser interpretados. Não se lê um sonho como se lê esta minha frase, onde cada palavra tem um significado unívoco, pelo menos no contexto em que está. As “palavras” dos sonhos são de outra textura e a situação na qual se encontram (ou seja, a história do sonho e o momento de vida do sonhador) alteram ulteriormente seu sentido.

Em “Símbolos da Transformação” (na versão da última revisão de 1950), C. G. Jung levanta a primeira pergunta que surge ao lidar com a simbologia onírica: de onde é que vem essa capacidade de representar por símbolos que é tão diferente do nosso pensar consciente? É uma pergunta essencial que introduz a importância dos sonhos. Para respondê-la, Jung analisa nosso pensar diurno. Quando pensamos, podemos observar que nossos pensamentos formam uma corrente contínua de argumentos, como se estivéssemos querendo convencer alguém. Este pensar, além de manifestar essa lógica interna, está também direcionado para o externo. Por estes dois motivos, ele é chamado de “pensar com atenção direcionada”: pensa-se direcionando a atenção para algum fato da vida real e argumentando como se estivéssemos conversando com outra pessoa.

Mas a linguagem, escreve Jung, é mais do que isso. O que acontece, ele se pergunta, quando “soltamos” o pensamento, e não o direcionamos para algo? Acontece que ele perde o senso de direção e de representação superior, ou seja, ele não está mais vinculado a uma lógica global que o organiza e também não parece ter objetivos, pelo menos não externos.

Se o pensar com atenção direcionada é cansativo, este outro pensar é leve. Ele destaca-se da realidade e perde aquela força de gravidade que caracteriza o anterior. O pensamento direcionado é regido por palavras e argumentos, o outro pensar funciona por imagens e sentimentos apresentados em sucessão como num dominó onde algum tipo de congruência atrai a peça seguinte.

Esta segunda forma de pensar é chamada de sonhar e fantasiar. É uma atividade subjetiva e interna que acontece no pano de fundo da psicologia individual e de seus íntimos movimentos. Esta dimensão do pensamento era considerada antigamente como mensageira dos deuses (no Antigo Testamento Deus também manifesta-se pelos sonhos), em seguida passou a ser vista como sintoma de doença mental tanto mais grave quanto mais intensa sua presença na vida da pessoa. Assim a medicina da época de Jung a considerava. Mas ele corrige: “As bases inconscentes dos sonhos e das fantasias são somente em aparência reminescências infantis. Na realidade se trata de formas de pensamento primitivo ou arcáico baseadas em instintos, que como é natural se manifestavam mais nitidamente na infância do que depois. Mas em si elas não são nem infantis nem patológicas.” (1990, p. 42).

Logo, esse pensar por fantasias é tão objetivo quanto aquele lógico e direcionato e tão universal quanto o outro. O pensar dos sonhos promove a relação entre o pensar direcionado e as camadas mais profundas e antigas do espírito humano, localizadas abaixo do limite da consciência. Como água fresca o pensar inconsciente fertiliza o solo do pensar consciente que ao isolar-se demais do resto da psíque tende a ficar árido e pesado. É por isso que através dos sonhos podemos receber as revelações que trazem respostas e abrem caminhos.

Comentários

  1. Olá, Adriana. Tomei a arriscada liberdade de reproduzir seu texto aqui: http://www.sonhesustentavel.net/sonhe/
    Como faço para falar contigo a respeito? Ainda não o divulguei nas redes sociais. Obrigada, marília

    ResponderExcluir
  2. Marília, o link que vc colocou aí não leva para nenhuma página em específico. Vc pode divulgar qualquer artigo meu, desde que com meu nome e o link para a página de onde o tirou.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Olá, Adriana, basta clicar no seu nome embaixo do título (Por "Adriana Tanese Nogueira"). Vou colocar o nome em negrito, para deixar mais explícito. Como a contato? Obrigada, marília

    ResponderExcluir
  4. muito bom, olha descreve perfeitamente como e sonhar

    ResponderExcluir
  5. Por tudo isso fico com o famoso dizer de certo sábio: "Sonhar é desejar sucesso e grandes realizações; logo sonhe grandes sonhos para que eles se tornem realidade"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …