Pular para o conteúdo principal

FALTA DE CONCENTRAÇÃO


Partimos da premissa que o que é de nosso interesse irá estimular nossa concentração. Faça um teste e observe as coisas que o atraem, aquelas atividades ou imagens ou até mesmo palavras que ocupam seu tempo e que não requerem seu firme esforço consciente para mantê-as em mente. Nelas sua libido, ou seja sua energia vital, está presa. Essas coisas são como imãs ou depressões do terreno que chamam para si as águas que, do contrário, estariam dispersas.

Provalvelmente, estará se perguntando agora: como é então que muitas vezes se está “presos” a coisas de pouco valor ou definitivamente erradas?

Há diversas razões e todas no final das contas são inerentes ao nosso modo de pensar e de viver a vida. O trabalho, o estudo, a professora podem ser desinteressantes: nesse caso, por que se está lá? Se for uma professora, por que a criança não reclama do tédio da aula com seus pais e, ao invés disso se acomoda e aproveita para bater papo? Se for trabalho e estudo, por que será que se insiste em fazer algo no qual não se consegue manter a concentração? Quando o problema reside numa realidade externa desinteressante e definitivamente chata nos cabe entender por que não reagimos adequadamente. Pensemos numa criança pequena (ainda não “estragada”): ela pousaria sua atenção onde interessa e a retiraria imediatamente assim que o interesse cessasse. Como acontece deste instinto ser perdido em seguida e a pessoa permanecer com a capacidade de atenção de uma criança de 2 anos?

É muito comum na sociedade consumista atual ter tudo rápido e fácil, pegar e descartar sem pensar duas vezes. A internet leva para isso, video-games nem se fala. Este hábito desenvolve preguiça e falta de disciplina. Ele também limita os horizontes, porque uma vez que tudo é aqui e agora não há futuro. Falta o projeto, pois este prevê um movimento continuado e perseverante na direção de uma meta. Daí, a ausência de um por quê real. Por que fazer um esforço se posso me satisfazer no momento com isso ou aquilo? Concentração requer esforço, é um investimento energético.

O estilo de vida quando não evolui nos anos passa a se tornar uma deficiência. Este modo de encarar a vida e a si próprios sabota o desenvolvimento intelectual e profissional de uma pessoa. O  “treinamento” imediatista e hiperativo debilita sua força de vontade, a pessoa é, na realidade, fraca, incapaz de resistir à tentação, se distrai facilmente e logo muda de assunto. Somente a psicoterapia pode resolver isso, porque é preciso um trabalho de re-educação no qual a pessoa aprende a se administrar reconhecendo seus mecanismos internos e aprendendo a canalizar sua energia vital para objetivos que requerem trabalho e por isso dão resultados mais duradouros. Para isso é preciso também aprender a entrar em contato com seus verdadeiros sentimentos e o chamado de sua alma.

A outra razão que explica a falta de concentração é o modo de pensar. Mesmo as pessoas “treinadas” para o trabalho e a disciplina, podem encontrar-se estancadas sem a força de vontade para realizar o que se propuseram. Apesar de estarem convencidas do que “querem”, suas intenções não vão muito longe. Nesse caso, o ego é forte demais, ou melhor, é rígido e duro. A crença dogmática (não questionável) de que o que o que fazem é o que devem fazer lhes impede de ver que talvez não é isso o que elas realmente querem. Há um conflito interno entre o dever e o querer. Quando a concentração falta é porque o querer venceu, mas como a pessoa está fixada numa determinada ideia, ela não tem acesso ao que sente de verdade. É como declarar: vamos à direita! E as pernas estarem viradas à esquerda e não sairem do lugar.

Ambas as situações são neuróticas e precisam de psicoterapia para que a pessoa possa desatar os nós que lhe impedem de ter uma vida criativa. Concluindo, a falta de concentração é devida ao fato que se está no caminho errado.


Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.atnhumanize.com

Comentários

  1. Nao consigo concluir nada que inicio seja na vida proficional quanto pessoal....

    ResponderExcluir
  2. E vai ficar por isso mesmo? Depende de vc mudar ou continuar assim.

    ResponderExcluir
  3. nao consigo numa situação dar a resposta no momento, só depois que poderia dar a tal resposta, e como se desconetar-se por alguns segundo..

    ResponderExcluir
  4. eu estou com muito falta de concentração,as vezes fico muita preocupada com trabalho,e esqueço da minha vida pessoal,por que não consigo separar trabalho e vida pessoal,bem que eu queria mudar...

    ResponderExcluir
  5. Eu nao consigo mi concentrar, nao consigo assistir a uma tV q vem mil pensamentos na mente. o q devo fazer? nao consigo mi expressar bem, as palavras somem constantemente de minha mente.Mi ajude.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…