Pular para o conteúdo principal

INTUIÇÃO X FANTASIA

Intuição é uma percepção que parece com uma fantasia mas, diferentemente desta, traz um vislumbre do que vai ser. Para saber distinguir uma da outra é preciso ter o próprio ego sob controle. E aqui é que está a dificuldade.

Ao desejar tencionamos nossos pensamentos e sentimentos na direção do almejado, e desta forma “poluimos” o olhar interior. Criamos verdeiras fantasias baseadas no desejo e, pior, tudo isso já vem imbutido de uma velada censura que bloqueia tudo o que não combina com o quadro que queremos enxergar.

Esta atitude é claramente visível nas relações sentimentais, pelo menos para quem olha de fora. A escolha de uma pessoa está imbuída por motivos e sonhos de vária natureza. A cegueira nasce as fantasias são mais fortes do que os próprios sentimentos. São muitos os casamentos baseados em fantasias. Por que? Porque uma fantasia é um prato cheio de satisfações, preenche um vazio grande pois apresenta um quadro completo de elementos. Quando fantasiamos nós visualizamos como que um filme, uma história com começo, meio e fim. Isso nos alivia, dá um sentido ao que vivemos e ainda por cima agradável. Por que precisamos de um sentido? Porque tudo na vida se faz suportável, decente, viável se estiver alinhavado dentro de uma história. Uma história é um conjunto de elementos interligados de forma lógica e sensata. Nós humanos precisamos de histórias para encontrar nosso lugar e um lugar para nossas dificuldades e sofrimentos. Por este motivo a fantasia vence sobre a realidade, inclusive a sentimental. Quando ainda por cima estamos precisando de gratificação a fantasia ganha domínio absoluto!

Agora, a intuição fala de realidades. Pode ser uma realidade presente ou um desenvolvimento futuro – mas fala do real. E este real nem sempre é o que queremos enxergar. Por este motivo para ter intuições precisamos segurar o ego e suas vontades. Diferentemente da fantasia, a intuição não tem dono e não responde a donos.

A intuição capta acontecimentos não visíveis “a olho nu” ou seja pelo pensamento corriqueiro do cotidiano. Para conseguir enxergá-los é preciso ter o horizonte livre dos desejos do ego, seja eles a favor ou contra. A intuição é um fenômeno livre. Da mesma forma que um raciocínio lógico não pode ser dobrado conforme interesses pessoais, assim a intuição precisa de ar puro para operar.

Quando não temos clareza do que de fato sentimos, se torna complicado distinguir fantasias de intuição. Com mais frequência do que se imagina, há pessoas que percebem algo por entre as névoas, mas evitam focar. Têm  medo. Ao nos cegarmos intencionalmente, é claro que afastamos futuras intuições. Enfim, quando a intuição é usada no trabalho (desde cartomantes a psicólogos) é preciso prestar ainda mais atenção ao nosso ego, pois não só a personalidade de cada profissional como seus interesses profissionais podem atrapalhar o caminho. Para se ter boas intenções é preciso se desprender dos resultados (dinheiro, poder, medo, etc.).

Quem já teve uma intuição deve ter notado que ela chega num momento de “distração”. Na fronteira entre o que é e o que ainda não existe, no espaço livre das pegajosas exigências do ego, lá a intuição pode viver.
Concluindo: a fantasia é a representação de um desejo pessoal; a intuição a ‘foto’ não-racional de uma realidade que precisa ser decifrada para que seja útil para a nossa vida.

Adriana Tanese Nogueira
Psicanalista
adrianatnogueira@uol.com.br

Comentários

  1. Tenho uma intuiçaõ sobre um assunto sentimental, porem minha intuição diz, deixa do jeito que tá, não é pra agora....e ai o tempo vai passando, e eu estou parada, sem fazer nada pra adiantar este grande sentimento que tenho por uma pessoa, me declarar, lutar por este amor....minha intuição diz....ESPERE!!! Ainda não faça nada....No tempo certo, ele mesmo vai se pronunciar e te procurar, tudo vai acontecer como por acaso, sem interferencia, de ninguem, vai acontecer, por obras do destino, o encontro vai ser marcado pelo destino, os caminhos cruzaram novamente, pelo destino.. Será que estou certa?

    ResponderExcluir
  2. Boa pergunta. Seria bom você responder a essa pergunta antes que o tempo passe por completo... Isso significa terapia = trabalho interior = distilação do que é verdadeira intuição e do que é fantasia alimentada por seus próprios limites.

    ResponderExcluir
  3. Só mesmo muito autoconhecimento, muito silêncio, muito tempo sozinha, muito joio e trigo separados para conseguirmos ouvir e respeitar a intuição. E esse coquetel é exatamente o que não temos na sociedade competitiva atual. Principalmente a nós mulheres, estamos tão absortas em cumprir 'papéis' e justificar nossas posições que fica difícil 'ouvir a voz interior'. Mas ela está lá! Sou prova disto em inúmeras experiências que vivi...
    Gostei da 'dica' de anular o ego para ver o que resta e conferir se é intuição genuína!
    Cariny Cielo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …