Pular para o conteúdo principal

O PAI E A FUNÇÃO PATERNA NA ADOLESCÊNCIA

Adriana Tanese Nogueira

A adolescência é o delicadíssimo tempo da nossa vida em que lenta e inexoravelmente se “cai na real”. Para quem já é adulto e está imerso na realidade é facilmente compreensível que este processo seja doloroso e difícil. “Realidade” significa limites, um mundo desconhecido que nos é estranho e com o qual não sabemos lidar. Apesar de nosso corpo adolescente nos denunciar como supostos “adultos”, nada em nós é ainda adulto. Adolescência é conflito e contradição à flor da pele.

Adolescentes são tímidos, agressivos, retraídos, desconfiados e assustados (apesar de não admitir nada disso). Mudam de humor facilmente, alternando a alegria frente à grandiosidade das forças vitais que sentem pulsar nas veias ao assombro e à raiva perante sua própria ignorância a respeito do que fazer, como fazer e por onde ir, à falta de oportunidades e de recursos.

Ser adolescente não é fácil. É como ter um milhão de dólares em mãos e não saber contar até um milhão, além de não ter noção de investimentos, cálculo e lucratividade. Como o Pinóquio do famoso conto, o adolescente facilmente dá ouvidos ao Gato e à Raposa, os espertalhões no caminho, quando ele legitimamente busca ampliar os horizontes do próprio mundo.

É neste contexto que a função paterna faz toda a diferença. É interessante observar que é justamente na hora em que os filhos se encontram nessa encruzilhada da vida que os pais estão ausentes. Um grande número de separações ocorrem nesta fase da vida dos filhos, o que não teria repercussões tão sérias se os pais se mantivessem por perto. Melhor ainda, se houvesse uma função paterna saudável e estruturada em pelo menos um dos genitores para dar conta de assistir os filhos nesta transição da vida que pode ser considerada tão delicada quanto a passagem do útero para a vida extra-uterina.

A função paterna deveria ser parte da psique de homens e mulheres, independentemente do sexo. Originariamente pertencia aos homens, mas estes nem sempre estão a par da situação enquanto sempre mais mulheres têm assumido papeis multidimensionais na vida de seus filhos. Entretanto, porque provém de um modelo masculino encarnado por homens muitas vezes imaturos, a função paterna precisa evoluir – em ambos os sexos.

Para o adolescente, a função paterna serve para lhe dar o chão de onde partir para começar a construir sua vida, ajudando-o a orientar-se e discriminar entre as várias facetas da realidade. Esta função deve ser suficientemente flexível para permitir ao filho a liberdade de criar caminhos novos para si mesmo, mas sem ter que passar novamente pela invenção da roda. O pai simbólico é aquele gigante sobre cujo ombros o filho senta para dalí enxergar o mundo. E o pai é um “gigante” não só por causa de sua experiência pessoal, como pelo conhecimento acumulado de gerações que ele carrega. Atenção, porém, o “pai” simbólico “gigante” deve ter a delicadeza de não fazer pesar sua estatura moral e intelectual à já baixa auto-estima de seu filho. Muitos genitores adoram exibir seus conhecimentos e experiência perante os filhos, estabelecendo assim uma competição injusta e infantil.

A adolescência requer dos pais mais um ato de sacrifício. Se no início da vida, o sacrifício era principalmente material (investimento de tempo e energia física para cuidar do bebê), neste novo início se trata de um sacrifício simbólico que requer um conjunto de habilidades morais, psicológicas e emocionais que não é objetivamente fácil possuir e administrar. Talvez esta seja uma das razões por que tantos pais se afastam de seus filhos na hora em que estes mais precisam deles.

Comentários

  1. O difícil é que nem sempre o adolescente quer a presença dos pais nessa hora. Eu mesma, quando adolescente, rejeitava tudo que vinha dos meus pais, principalmente minha mãe. E agora vejo a história se repetir com meus próprios filhos. De vez em quando tenho alguma oportunidade, por alguns minutos, de ter uma abertura, de poder falar alguma coisa, mas é sem dúvida uma fase complicadíssima, tanto pros adolescentes quanto para os pais. Não só porque muitos casamentos estão balançando e acabando por essa época, como também muitas mulheres estão chegando ou em plena menopausa, e daí o desiquilíbrio hormonal é mais um fator para complicar toda a equação. Donde se conclui que o poeta é que estava certo: Filhos, melhor não tê-los!

    ResponderExcluir
  2. Silvia61,

    se o adolescente rejeita os pais é porque ele sente que não há espaço para ele na relação. Não percebe a abertura para suas contradições, dificuldades, potencialidades, etc. A relação com o adolescente está embasada na relação com a criança que ele era. A adolescência traz à tona o que antes estava "guardado", "silenciado".

    ResponderExcluir
  3. Mas se não te-los como sabe-los?
    Adriana querida,

    Obrigada pelas tuas considerações a respeito da função paterna na adolescência! Ajuda muito no meu trabalho com gestantes e pais adolescentes!
    Ótimas relfexões!
    bjs
    Fernanda (aluna do curso capacitação doulas parto)

    ResponderExcluir
  4. Oi Fernanda! Vou continuar esse assunto da adolescência. Uma amiga me pediu para aprofundar algumas considerações... ;-)

    Beijo grande
    Adriana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…