Pular para o conteúdo principal

Por que as pessoas são tão complicadas?


Adriana Tanese Nogueira

Quem já não se perguntou isso? Cansados e confusos diante da dificuldade de lidar com alguém que amamos, ou com quem temos que nos relacionar de qualquer maneira, concluimos que as pessoas são complicadas demais. Gostaríamos de ter um manual de instruções para saber o que fazer, mas, naturalmente, ele não existe. Existem porém algumas considerações a serem feitas.

Enxergamos o que nossos olhos permitem ver. O que é maior do que nossa visão “não existe” e, o que for constituído por mais elementos de quantos podemos administrar conceptualmente, é “complicado”.

Diante de uma pessoa “complicada” temos duas opções: ampliar nossa compreensão da realidade ou ficaram-nos na nossa “simplicidade correta”.

Geralmente, é quando se está tomando consciência de que as coisas são maiores e mais profundas do que se imaginava que se pensa em termos de “as pessoas são complicadas”. O que acontece que é está havendo um despertar para a complexidade humana. Bem vindo à realidade.

Somos seres complexos. A simplicidade é um estado que pertence às crianças (pequenas e bem criadas, hoje nem isso podemos generalizar) e aos sábios (outra espécie rara). No começo e no fim do novelo, o fio é solto e linear. No meio é uma “complicação” só. A simplicidade do início é a da inocência, também chamada de ignorância. Aquela do fim é a sabedoria que conheceu, viu e transcendeu. O meio é onde ocorre a passagem de um estado para o outro.

A cada bifurcação do caminho, sem mapa na mão, é preciso tomar uma decisão. Muitas vezes, ela não está fincada no sentimento profundo da própria identidade, mas depende do que se pensa no momento, dos amigos que tem e, para alguns, de por quantas cerveja ou bailes passaram. Cada escolha implica em excluir alguma coisa, e nem sempre o que fica para trás ou o que é posto de lado é o pior. Quando a estrada se faz difícil, muitas pessoas preferem apressar o passo e aumentar o som para não ouvir os incômodos de sua alma. Desta forma, o novelo se faz mais embaraçado, tensões internas puxam cada uma de um lado e apertam os nós.

Olhando para a ponta do iceberg, como se fosse uma foto de revista, a pessoa parece bonita, bacana, simpática. Mas estamos vendo somente uma fachada. Ela pode ser uma fachada verdadeira, totalmente pura, mas constitui uma parte pequenina de um todo, cuja corpo maior está oculto. Toda relação começa aos poucos, um passo de cada vez. É no tempo e com a convivência que se conhece de fato uma pessoa. A cada estágio se penetra mais fundo em sua intimidade, experimentando novas situações e encontrando complicações ou complexidade, conforme o estofo da pessoa.

Quanto mais a pessoa se conhece, com amor e consciência, mais sua complexidade é um fator de encantamento. Uma pessoa complexa e dona de si mesma é como uma aventura sem fim, para quem gosta de descobertas e novidades. Por outro lado, uma pessoa não cultivada é simplesmente complicadas e difícil de se lidar. Mas, para a pessoa de mente indiferenciada, toda complexidade não passa de “complicação”. Para estas, a vida e as relações são feitas para caberem em gibis: imagens bidimensionais e simplificadas do real.

Comentários

  1. ae gostei, bem complexo rsrsrs q nada muito bem pensado , e´assim sim rsrsr , SOU COMPLEXO !!! preciso parar de ser

    ResponderExcluir
  2. Sou muito complicada e queria deixa de ser assim como faço? preciso muito deixa de ser complicada,sou muito até demais e isso é muito ruir pra mim, e pra minha vida queria olha para o lado mais simples da vida mas olho o lado mas complicado.

    ResponderExcluir
  3. Eu acho q o maior problema é q criamos expectativa com realaçao as pessoas quê convivemos ou amamos,esse expectativa é ilusória, pois o mundo e as pessoas não funcionam segundo nossos conceitos psicológicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Expectativas são inevitáveis. O que precisa é compreender quais temos, de onde vêm, até que ponto são realísticas. Ou seja: precisa aprofundar a visão, se conhecer melhor e conhecer melhor ao outro.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …