Pular para o conteúdo principal

Amor na era dos cactus

Adriana Tanese Nogueira

Minha filha (de 12 anos) me disse outro dia: "Tenho tanto amor no coração, tanto amor para dar e... não tem para quem dar." Quem não conhece esta situação? Não estamos falando aqui do amor romântico entre amantes, mas do amor como sentimento geral. Amor pelas pessoas, pelos animais, pelas coisas, pela vida. Amor como condição do ser, como alegria compartilhável de estar e de viver.

Acredito que nascemos assim, com muito amor, apesar dos outros elementos que carregamos conosco (de vidas passadas ou do inconsciente coletivo). Infelizmente, aquela alegria inicial esbarra em diversos obstáculos, um deles sendo, muitas vezes, a própria família de origem.

É por isso que esta instituição merece ser dessacralizada e desmitologizada sem piedade, para que possamos nos libertar do ruim que ela traz e trabalhar no bom que ela pode fazer. Por amor ao amor deve-se ter a coragem de rasgar véus e estourar balões de ilusão.


Após anos de vida desvirtuada, de eventos difíceis, de ignorância (no sentido universal de não saber "o que diabo está acontecendo"), eis que aquele ser tão cheio de amor para dar se tranformou num cactus. Abraçá-lo leva ao sofrimento inevitável e não abraçá-lo leva frequentemente à culpa. O que fazer?

Após superar o sentimento de culpa e de pena, a dor pelo amor engolido a seco, depois de finalmente compreender a situação, percebe-se que com cactus só há uma maneira de agir: manter as distâncias. Observando com atenção, notamos que alguns possuem espinhos muito compridos, outros curtos, daí o espaço que devemos colocar entre nós e eles. Há também exemplares cujos espinhos são finos e pequenos, praticamente invisíveis. Com estes é preciso cautela redobrada porque quando menos se espera estamos cheios de agulhinhas transparentes enfiadas nos braços (que demora um tempão para arrancarmos!).

Há também situações-cactus, não só pessoas-cactus. A família é um dos melhores exemplos de situação-cactus. A pessoa consciente e bem intencionada que não quer se enrolar nas teias familiares mas também não quer deixar de estar presente, até só para lembrar aos outros que há diferentes modos de ser, esta pessoa deverá saber manter a distância e também ser muito flexível pois com frequência estará pisando em terreno minado. Não há garantias de sucesso, tudo é a risco e perigo de quem ousar.

Aprendendo a manejar cactus, encontramos os pontos por onde podem ser abordados. Como com as pessoas, às vezes, há somente estreitos espaços de contato. Se somos do tipo que gostaria de "correr pelos campos junto aos amigos debaixo do sol luminoso", podemos ficar desapontados se, ao invés disso, tudo o que conseguimos são uns poucos passinhos raquíticos. Se para nós são totalmente sem graça, para a outra pessoa podem ser maravilhosos. É o que ela pode fazer. É até onde ela pode chegar.

E esta é a questão. Amar é uma dimensão que tem o tamanho da personalidade e da consciência de cada um. Se carrego um saco cheio de amor sou rica, mas isso não significa que poderei desepejar meu amor no bolsinho da outra pessoa, pois esta não vai se sentir amada. O amor apreciado e abençoado deve ter o tamanho certo do que o outro pode receber. Os "cheios de amor" podem passar pela triste experiência de ter que se "mutilar", calar e recolher, no ápice da vontade de amar. Amor só funciona se for recíproco e de mão dupla. Fora isso ou é dependência ou é neuróse.

Quanto maior o sofrimento interno menor a capacidade de amar. É por isso que, quando observarmos por aí e notamos pouca abertura ao amor como dimensão de abordagem à vida, podemos concluir que há muito sofrimento psicológico.

São sempre mais as pessoas às quais silêncio e ausência é tudo o que podemos oferecer, pois já esgotamos todos os recursos e é preciso preservar nosso instinto de auto-conservação. Há indivíduos que sequer podem ser abordados, porque além dos longos espinhos vivem como numa contínua ventania que torna impossível chegar-lhes perto. 

O viajante solitário "cheio de amor para dar" deveria sempre carregar consigo: consciente vigilância, coragem para se distanciar quando for preciso, e a chama viva do amor. Como diz minha filha, "I'm just here for the love" (Estou aqui somente para o amor). O resto, deixe-o cair.

Comentários

  1. Muito bom, gostei mesmo. Já me distanciei de pessoas que me eram tóxicas, (cunhadas, sogros, alguns amigos) me faziam mal, e acho que foi a decisão mais acertada. Por outro lado, durante minha adolescência fui um cactus pros meus pais e hoje, com a idade e a maturidade, voltei a ser capaz de dar e receber amor deles. Abraços, feliz 2011.

    ResponderExcluir
  2. Feliz 2011 para vc também, Silvia61! Mais flores e menos cactus para vc :-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …