Pular para o conteúdo principal

OUTORGAR-SE

Adriana Tanese Nogueira

Há pessoas que se autorizam a fazer o que querem sem pensar. E há aquelas que têm receio e mil e uma insegurança. No primeiro grupo, encontramos os indivíduos que se dão o direito de agir conforme acham conveniente porque não têm (e não querem ter) consciência das consequências do que fazem. No segundo conjunto, há aquelas pessoas que, após um certo penar, ganham auto-estima suficiente para  se empoderarem tendo ética e visão lúcida das coisas.

Obviamente, o primeiro grupo é o que reúne o maior número de pessoas. Nele encontramos desde ladrões e políticos a todos os adultos ganansiosos e os adolescentes sonsos. Sabemos o quanto é fácil fazer o que bem se entende sem pensar. Conhecia uma pessoa que chegava a se orgulhar de agir sem utilizar seus neurônios, como se pensar fosse um fardo que atravancasse seu caminho.

De fato, pensar traz complicações. E aqui entra o segundo tipo de pessoas. Entre elas há indivíduos que não se acham no direito de alterar o curso das coisas, são inseguros e medrosos. Habituaram-se à submissão que consideram a forma “normal” de ser. Há também nesse grupo pessoas que são aparentemente conscientes demais, pensam demais, se perguntam a respeito de todos os prós e os contras, e  temem atrapalhar os outros. Elas colocam o coletivo acima de seu desejo e nunca sabem se “estão certas”.

Os submissos possuem uma sensibilidade especial para com aquelas pessoas que “agem sem pensar”. As admiram e consideram seus líderes pois fazem o que elas achavam “impossível” ou “corajoso”. Os inseguros conscientes não têm referências, só o trêmulo sentimento de seus escrúpulos.

Os dois grupos humanos podem ser também entendidos como estágios da consciência. Dependendo em qual nível a pessoa se encontra, ela terá uma forma diferente de lidar com aquele impulso interior que leva a violar alguma regra social ou a romper algum limites. Se o movimento interno for forte mas a consciência ética fraca, a pessoa será agressiva e descarada, e sobre essas características construirá sua vida. Se, ao contrário, a pessoa tiver personalidade fraca e pouca consciência considerará as regras sociais como invioláveis e admirará os que sabem quebrá-las e se darem bem.

Por outro lado, a pessoa que tiver consciência e conseguir enxergar além do próprio nariz estará vivendo um penoso conflito interno. Violar uma regra ou um hábito “sem pensar” ou sem estar conectados emocionalmente ao sentido da violação é fácil. Resume-se num puro gesto, num comportamento físico e basta. Mas, violar um sistema sabendo que se faz é outra coisa, aí sim é preciso de um ato de verdadeira coragem. É isso que chamamos outorgar-se ou empoderar-se. Autorizar-se a assumir um novo papel na vida, uma nova escolha, uma nova atitude consiste em abrir mão da aprovação e do apoio do coletivo (Silvia Montefoschi), implica acreditar em si mesmos na medida do possível (porque até experimentar nunca saberemos o que somos capazes de fazer). Significa também ter fé. 

Se as pessoas inconscientes e desavergonhadas precisariam de consciência e ética (ou de um tempo entre as grades para refletir sobre a vida), as conscientes e inseguras devem sacudir o medo e ousar confiar em si mesmas. Outorgar-se nessa condições, sem o alvará externo (porque aí não é outorgar-se e sim ser outorgados), exige aceitar dar um salto no escuro, acreditar na próprio taco e que haverá asas que se abrirão e se poderá voar (no lugar de se estraçalhar no chão). O xis da questão de muitas pessoas com ética é como entender seu chamado e superar sua insegurança.

Assim como um quarto mobiliado não oferece lugar para novos móveis, da mesma forma o mundo não está pronto para o novo. É preciso rearranjar as coisas, escolher e fazer espaço. Esse “fazer espaço” é que é difícil, pois significa dar-se o direito de ter um lugar nesse mundo, não na base da estupidez agressiva ou da manipulação, mas do simples básico direito de Ser. Eu existo, eu sou, eu estou aqui e pegarei meu lugar.

Comentários

  1. Muito bom. Por favor, faça mais postagens sobre autorizar-se, permitir-se, outorgar-se.

    * * *

    ResponderExcluir
  2. :D Farei, Emerson. Infelizmente escrevo 1 coisa para cada 10 que penso/quero escrever...! O tempo é curto demais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …