Pular para o conteúdo principal

O Natal e o sentido de família


Adriana Tanese Nogueira

Está chegando o Natal e começa toda aquela conversa sobre família e união, harmonia e paz, saúde e alegria. Todos os anos a mesma coisa… Cada um dos termos acima são desejados pela completa totalidade da população mundial, e entretanto… o que temos?

Nas entrelinhas dos sorrisos encontramos a hipocrisia.
O preço da harmonia é o fingimento e sua inevitável consequência, a neuróse. A união é muitas vezes confundida com a dependência e a incapacidade de respeitar a si próprios. A alegria só é possível a custa de muito fechamento de olho. A saúde, enfim, é difícil de se manter nessas condições.

Como é que todos desejam a mesma coisa e esta parece tão difícil de se conseguir? Enquanto se busca a convivência acaba-se num emaranhado de faz de conta e de mentiras que têm raízes naquelas ditas a si mesmos. É preciso crescer. O sonho dourado da criança que vive na fantasia do aconchego familiar com as luzinhas de Natal brilhando no céu estrelado da casa paterna há de ser superado.

Todo o ano repete-se a novela e a cada ano enterram-se verdades e afogam-se sentimentos. A união ao custo do silêncio do que nos é mais importante, como por exemplo de nossa personalidade e valores, provoca tanto sofrimento e baixa autoestima que quem tem fígado para encarar isso se dá conta que é inútil.

E tudo acontece porque queremos manter em vida um ideal e fechamos os olhos à realidade, a singela dura realidade. A sapo difícil de engolir tem duas caras: por um lado, a família é um conjunto de indivíduos que podem não ter muito em comum, apesar da genética; por outro, amá-los pode acabar significando enterrar-se na falta de amor próprio.

Pais com personalidades diferentes, bagagem cultural e psicológica diversas darão vida a filhos bastante mesclados, os quais, por sua vez, nascem já com uma determinada tendência de personalidade. Ninguém vem ao mundo como “tábula rasa”, como uma lousa sem nada escrito nela. Crescer juntos, como muitos casos demonstram, não é garantia de união, lealdade e amor.
Os laços de sangue, tão importantes no passado, como na era dos clãs e ainda hoje no meio mafioso (onde família é a chave de todos os negócios), é um conceito antiquado e desviante. A verdade é que famílias podem ser o abraço amoroso que acolhe e protege como também a corda que enforca o desenvolvimento psicológico, social e intelectual de seus membros.

A verdadeira comunhão não está no sangue (apesar de poder ser encontrada lá também). O irmão é aquele com qual podemos nos abrir e nos sentir acolhidos e compreendidos - seja ele quem for. Assim, o sentido de família, aquele que cada um de nós precisa encontrar - se já não o tiver encontrado - está no reconhecimento de quem somos.

Evidentemente, cada um de nós tem suas idiosincrasias e cada pessoa pode ser vista por diversos ângulos. Mas tem um que nos faz melhor, um que nos mostra em nossa beleza e promessa interior. Quando se encontra uma pessoa que enxerga isso, ela nos permite ser isso, potencializa nosso lado mais elevado. Por sua vez, sua visão só é possível porque os olhos vêem o que já conhecem. Eis, portanto, que temos encontrado alguém que pertence à nossa família espiritual.

Pessoas assim podem estar em qualquer lugar do mundo e podem partilhar conosco alguns momentos ou muitos anos, não importa. A existência de gente na qual podemos nos espelhar e que se espelham em nós é o que dá alento e alegria. Saber que há pessoas, variadas e coloridas, mirando a mesma nossa direção é o que provoca saúde e harmonia. A união de valores e busca é o que faz a verdadeira união, o que permite o espaço acolhedor e o abraço amoroso. O resto que caia ao chão, como máscaras gastas e olhos embaçados.

Comentários

  1. Uau Adriana! Corajosa você!

    Legal...

    Li outros posts, parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto realista , excelente.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada gente. E viva o amor (apesar de tudo)!

    ResponderExcluir
  4. Viva o amor a cada membro de nossa família espiritual, SEMPRE!

    BEIJOS!

    ResponderExcluir
  5. Viva o Amor Adriana!!Muito Bom !Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. E vou escrever algo sobre o amor... O grande problema aqui é como amar sem ser arrasados! :-))

    ResponderExcluir
  7. Obrigada por adivinhar o que eu pensava mas achava maldoso verbalizar...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…