Pular para o conteúdo principal

CÃES, AUTOESTIMA E CRIANÇAS

Adriana Tanese Nogueira

Ao que parece, a desobediência do cachorro decorre da baixa autoestima de seu dono. Um dono autoconfiante tem um cachorro seguro e tranquilo. Falta de exercício e de disciplina unidos ao excesso de afeto produzem cães nervosos e agressivos. Essas são algumas conclusões extraídas da psicologia canina segundo Cesar Millan, un "reabilitador de cachorros e treinador de pessoas", e autor de "Cesar's Way" (traduzido para o português como "O encantador de cães").


A força física não ganha o cachorro, mas o torna um bicho assustado e confuso, e se o cachorro for grande e forte adeus força humana. O abuso de força da parte do dono nasce da insegurança e covardia destes. Cachorros estressados e fora do controle se tornam assim por conta da instabilidade psicológica e da falta de entendimento de seus donos humanos. Assim, o segredo para um cachorro “perfeito” é então o resultado do centramento interior de seu dono.

A coisa interessantíssima que a relação com o cachorro traz à tona é que esta relação corporifica a questão da psicologia da autoestima retirando-a do contexto às vezes vago na qual a colocamos. Autoestima não se manifesta nas palavras, por exemplo. Há um monte de gente que fala bem, decorou belos discursos e tem poses de sabidão, mas o que seu corpo revela? Qual é a postura física que tem? Pessoas de corpo mole, física ou metafóricamente, ou rígido e corcunda, com posturas retraídas, olhares oblíquos, pessoas cuja energia não se manifesta clara e tranquila, mas confusa e cheia de rodeios ou agressiva e estourada... Que temem dizer o que pensam, que não mostram seus sentimentos ou que titubeiam para não "perturbar" os outros: estas não podem ter um cachorro.
 
O melhor amigo do homem é a prova do nove da psicologia de seu dono. O cão fareja a insegurança do dono e reage apropriadamente, ou seja, faz o que é preciso fazer. O mundo canino é simples, ele vive em comunidade e nela de haver um líder. Seu líder deveria ser o dono, mas se este se omite então o cachorro preencherá a vaga.

A relação de confiança entre humano e cachorro acontece quando o dono entende seu cão e o que ele precisa e, ao mesmo tempo, lhe dá a disciplina necessária para uma serena convivência.

Não é o mesmo para nós?

A psicologia canina se assemelha muito àquela infantil. Bebês e crianças pequenas também precisam de um líder. Líder é quem sabe o que está fazendo e assume seu papel com responsabilidade. Assim como os cães, as crianças também precisam saber o que se quer delas, como "funciona" a realidade ao seu redor e como agir nela. Linhas de comportamento dão segurança e produzem serenidade. Mas quantos adultos explicam o mundo ao seu filho? Ou o orientam para que ele o compreenda melhor?

Cães e crianças precisam de líderes inteligentes, ou seja pessoas que têm firmeza de caráter e centramento interno. Donos de cachorros e "de crianças", muitas vezes abusam de seu poder, sendo crueis, estúpidos ou insensíveis. Obrigam seus dependentes a viver conforme suas regras sem levar em consideração aquilo que filhos e bichos necessitam para ser felizes. 

O que falta compreender é que amar não é dar o amor que a gente quer dar, mas dar o amor que a outra pessoa precisa receber. Somente ama desse jeito quem estiver de bem consigo e não utilizar outros seres como muletas existenciais. Somente quem se respeita pode respeitar, quem sabe ouvir sua criança interior será capaz de dar atenção ao filho, e somente quem sabe ouvir seu corpo poderá respeitar o animal.


Comentários

  1. Muito bom seu texto!
    Sou APAIXONADA pelo Cesar Millan!!
    Assisto todos os programas da tv.
    Acho interessantissimo quando ele diz que reabilita cachorros e treina pessoas.
    Com ele aprendi mais sobre gente do que sobre cachorro.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. :-)) Obrigada Jacqueline!
    Ache bárbaro o César. Ele é um "homem que corre com os lobos".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …