Pular para o conteúdo principal

Alcoolismo: vício ou doença?

Adriana Tanese Nogueira

A forma como se entende o alcoolismo determina também sua abordagem. Os especialistas no assunto não gostam de usar a palavra "vício" (muito usada comumente) porque ela remete a conotações cristãs moralizantes que mais prejudicam do que ajudam. Vamos entender melhor isso porque, de uma certa forma, todos têm "razão",

Evitar o termo "vício" tem como principal objetivo tirar o atributo de culpa consciente e intencional do dependente. Ser alcólatra não é divertido. É humilhante. Ninguém se submente a cenas tão violentas quanto ridículas por vontade própria.
Existem reais alterações químicas que ocorrem no cérebro do dependente após um certo nível de álcool no sangue. Este é um fato.

O alcoolismo é uma doença hereditária, filhos de alcólatras têm 75% de chances de desenvolver a dependência (todos os outros têm 50% de chances de se tornar alcólatras). Atenção, porém: se for alcoolismo pode ser outra dependência. A questão é a tendência a desenvolver ou não dependências. Conheço pessoas filhas de alcólatras que são dependentes de comida. Gastar dinheiro também pode se tornar uma obsessão.

O alcoolismo é mais do que uma doença física. Alcoolismo é também uma doença emocional e espiritual

Com "emocional" queremos dizer a psicologia que está na base da dependência. O alcoolismo provoca distúrbios de comportamento e de relação que já observei entre pessoas "normais", mas no alcólatra e em suas relações afetivas esses distúrbios são mais intensos e mais difíceis de serem desmascarados e/ou transformados. Exemplo disso é o sentimento de culpa. Quem não conhece um pai ou uma mãe que usam da chantagem emocional para obter do filho alguma coisa. Nesta malha de probições não ditas e de bloqueios silenciosos, uma pessoa pode ficar enredada por anos a fio, às vezes uma vida inteira. Mas no não-dependente químico existe uma chance maior de rebelar-se (santa rebelião). No alcolatra e em seus co-dependentes essa chance cai, talvez porque existe efetivamente um "mal" (o alcoolismo) que suscita pena e dó. O alcoolismo tira força moral, poder pessoal e auto-confiança.

Do ponto de vista psicológico, o comportamento do dependente pode, porém, ser chamado de vício, no sentido que gera uma deformação na percepção e na interpretação de fatos e relações que prejudica o inteiro de sua vida. O comportamento viciado (deformado) contamina o dos outros, que acabam se adequando ao mesmo padrão. Geralmente, o dependente usa de poder econômico, emocional ou físico para dominar seus familiares, daí uma "boa" razão para estes encontrarem um "equilíbrio" dentro do sistema viciado se adaptando a ele. Escrevi em outro tópico como lidar com um pai alcólatra.

Agora, no que diz respeito ao plano espiritual, como entender o alcoolismo? É aqui que entram as religiões. Segundo os neo-protestantes (ou seja a leva de evangélicos dos últimos 40 anos), alcoolismo é coisa do demônio e o alcólatra precisa ser exorcisado. Muitos não acreditam nisso, mas quem viu um alcólatra em crise de brabeza sabe o quanto a pessoa que vêem está alterada. Há no dependente químico atacado uma componente realmente assustadora: seu rosto é diferente, feio, possesso, estranho. Sua voz e suas palavras são apavorantes e das mais baixas e agressivas. A raiva e o ódio que ele vomita nesses momentos beira o incompreensível, mesmo num contexto familiar difícil. Quem é essa criatura? Com certeza, não a mesma que conhecemos em seus momentos de calma. É muito fácil entender essa experiência como "possessão do demônio". Se o Mal existe, uma de suas manifestações é com certeza durante a crise agressiva de um alcólatra.



Nota: Para todos os familiares de alcoólicos que sofrem cotidianamente por causa do alcoolismo de um ente querido abri uma página no facebook para dar suporte, favorecer a troca, promover a saúde mental, emocional e espiritual. Este é o link do grupo: https://www.facebook.com/groups/1989245737982482/?source=create_flow. É preciso pedir para entrar, o grupo é fechado.




Para quem busca ajuda, orientação, suporte e esclarecimento porque está lidando com alguém que bebe demais: 

O Vírus do Alcoolismo.
Quando o amor encontra a sua sombra

Guia prático para familiares de alcoólicos
130 tópicos em ordem alfabética
Com indicações de Florais de Bach


Clique aqui para saber mais ou comprar o livro, disponível em PDF, e-book e impresso.

Comentários

  1. È fogo mesmo, abraço Cynthia.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tanese,

    Não sei se consegui comentar o outro comentário direito, mas então vá lá, rsrs:

    Gostei muito do seu site, há temas interessantes por aqui,

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcelo, não vi outro comentário seu, fora este... Obrigada pelos parabéns.

    PS.: meu nome é Adriana, meu sobrenome é Tanese + Nogueira :-)

    ResponderExcluir
  4. Oi Adriana, é que de um certo tempo para cá meu pai vem bebendo muito, ele já bebeu anos atrás, já parou, mas voltou a beber de novo, e eu estou achando que pela quantidade, intesidade e o tempo que ele bebe, ele já se tornou um alcolatra. Já está bastante difícil o relacionamento com ele. Tu podes me ajudar? Me dá uma luz?
    Vou te add no msn!!! ;)

    ResponderExcluir
  5. Olá Rachel, para lidar com o alcoolismo há dois instrumentos essenciais:
    1) ir ao AA (para o alcoólico) e ao Al-Anon para os familiares;
    2) fazer uma psicoterapia.

    Se você estiver interessada em fazer uma terapia comigo então entre em contato pelo email: adrianatnogueira@uol.com.br

    ResponderExcluir
  6. Ola adrianaoque eu quera te falar e meu que meu pai vem bebendo muito,ele ja parou umas 2 ou 3 vezes. Normalmente quando ele vai beber ele fala que vai resolver algunha coisa as vezes ate importante, e quando chega em casa esta toltalmente bebado mais o pior de tudo e que ele menti fala que não beebeu etc e etc. eu gostaria que vc me desse uma dica para fazer com que ele pare com essa bebedeira

    ResponderExcluir
  7. Arthur, não existe "dica". Esse é um problema sério. Tem duas coisas que precisa saber: 1) que só a pessoa que tem um problema pode resolvê-lo; 2) que vc provavelmente apoia a bebedeira de seu pai. Esse é o seu problema e deveria cuidar disso. Vá ao Al-Anon e aprenda sobre isso.

    ResponderExcluir
  8. Olá, temos muitos problemas com meu pai, ele está é agressivo e violento, minha mãe fica recuada diante das situaçoes, e esconde a violencia provocada nela. agora conseguimos tirar ela de casa e ele esta respondendo processo por violencia domestica, mas esta se fazendo de coitadinho, chora e promete que irá se tratar. O que fazer, acreditar ou continuar firme com a decisão pois acredito que ele deve sentir na pele todo o sofrimento que ele causou ano apos ano para a familia.

    ResponderExcluir
  9. Continuar firme na decisão e deixar que ele mostre com comportamentos continuados e constantes que ele está mudando (= parar de beber por pelo menos 6 meses). E mesmo vendo mudanças, manter a vigilância. Viciados mentem muito.

    ResponderExcluir
  10. realmente e muito bom seu site gostei muito sou psicologo formado en letras e comportamento humano moro no estado do amapa na cidade de santana professor WALTER RICHARDSS email richardsswalter@gmail.com e walter.richardss@yahoo.com.br (MEU FACEBOOK walter richardss )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por ter deixado seu comentário, Walter.
      Um abraço

      Excluir
  11. Ola , estou no momento bem desesperada e acabei achando o se blog e seu comentarios. Acredito que meu esposo se alcooltra , como ja passei eainda passo por isso com meu.pai estou sem saber lidar a sotuacao. Agora a menos de 60 dias ele veio a ter um infarto, sinceramente em nenhum momento me passou na cabeça que ele iria morrer mad que talvez me ajudasse a mostrar pra ele que o ritmo de vida dele estava errado, infelizmente nada mudo só que antes ele bebia todos os dias agora so as quartas sexta sabado e domingo. Spu jovem e tenho raiva por edyar passando por isso e tbem nao quero que meus filhos crescam com estes traumas que tenho . Ele nao quer ajhdar e de vez em quando reconhece. Mas nao acha qie é alcolatra acha que confundo ele com meu pai, sera? Estou pensando em me separar, nao sei o qie seria puor para meus filhos a separacao ou conviver com o alcoolismo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …