Pular para o conteúdo principal

JÁ PENSOU O QUE É PENSAR?

O que significa pensar? Não "pensamos" quando “jogamos baralho” dentro da nossa mente, rearranjando as cartas em novas combinações. Isso dá aquela sensação de jaula, de não sair da própria cabeça e não chegar a lugar nenhum. Isso é reencenar e ruminar pensamentos prontos que não trazem informação nova. Portanto são inúteis e prejudiciais. 

Esses pensamentos prontos são o que a psicanalista italiana Silvia Montefoschi chama de "pensados". Os pensados são os produtos do conhecimento, conscientes e não, adquiridos ao longo da vida e que geralmente as pessoas acabam por repetir pela vida afora.

Os pensados são as tais cartas do baralho, a pessoa acha que “pensa” quando “reajusta as peças” tentando encontrar a configuração que explicaria determinado fenômeno. Não percebe ela que, sem exercitar o pensamento em quanto atividade livre e ativa está  perdida num labirinto mental. Talvez um dia, esses pensados representaram aspectos da realidade, eram, como se diz, “verdadeiros”. Mas hoje, muito tempo depois (ou um dia depois) precisam ser revisados, checados, confrontados com o real, que semper muda. Mas sem a capacidade de pensar, o confronto se faz impossível e a pessoa geralmente prefere ficar com seus pensados e fechar os olhos diante da realidade. Os pensados então se tornam "entidades", "verdades" aprisionadoras que bloqueiam o acesso ao que está fora deles.

Nunca nesse processo há um contato real, com a realidade. Por real entendo a experiência intelectual e/ou afetiva de entrar em contato com algo que não está pré-figurado no que já se sabe. Sem isso não há conhecimento novo. Essas mastigação de pensados já dados e rancinços mata a verdadeira atividade do pensamento, daí o sorve de hoje terá o mesmo sabor do sorvete de ontem. É preciso abertura mental-e-afetiva, a capacidade de enxergar com a mente e com o coração para além do que já se sabe e se experimentou para fazer com que a realidade penetre em nossa consciência.

Pensar é um movimento dinâmico, infinito e livre. No pensar temos algumas referências, normas, valores, verdades adquiridas no passados mas estes nunca podem limitar o pensamento, se não o negam. Seria como querer correr com um elástico amarrado no tornozelo que nos prende à grade. Pensar é entrar em relação, tanto aquela externa como aquela interior. Pensar é refletir e produzir conhecimento novo. Na reflexão, o movimento é introspectivo, como um olho que se volta para si mesmo e reflete sobre o que captou.

O mundo de fora penetra em nós pelos sentidos, afetos e emoções. A função do pensamento é a de elaborar as experiências obtidas e de relacioná-las com os conhecimentos já dados para enriquecê-los e mudá-los. Os pensados assim se aprimoram, se transformam, pode ser jogados fora ou se tornarem mais claros, amplos e focados. O conhecimento evolui e o pensar sai do solipsismo ao qual, caso contrário, estaria condenado. Solipsismo é aquela conversa solitária que não conhece o dialogo.

O pensar não criativo, o que é uma manipulação de pensados, se reduz a mera masturbação mental. Obtém-se o prazer (de pensar), a descarga mental de ter vomitado ou perambulado em meio à floresta de pensados, mas não se produz nada de novo. O verdadeiro pensar sempre acende uma chama, ilumina a realidade com nova luz, abrindo caminhos para a ação. Promove a consciência.

Pensar é um ato de pessoas livres. Livres da repetição de saberes importados de fora. Livres do medo de não saber e do pânico do vazio, porque é necessário “ter espaço mental” para que novos conteúdos entrem. Pensar é para quem não tem compromissos com dogmas e não teme ser diferente. Pelo jeito, pensar é para eleitos.

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

  1. amei a postagem...muito reflexiva..kkk

    ResponderExcluir
  2. Claiton, eleitos e elite são duas coisas completamente diferentes? Quem seria a elite? E por que ela saberia pensar? Eleitos é aqui entendido como aqueles que são criativos ao pensar. Quando vc identifica o "eleitos" do texto com a "elite" da sua cabeça (sem explicar a quem está se referindo, inclusive), está achatando uma informação nova num contexto antigo. Isso não é criativo.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. "Inato",também é um acréscimo seu, não está no meu texto e não pode ser inferido como consequência necessária dele. Vc está reduzindo meu texto aos seus pressupostos inquestionados. O que vc está fazendo é exatamente remexer no caldeirão de seus pensados, e nada de novo está entrando nele. O novo é reduzido ao que já pensava, a uma opinião já formada. Essa dinâmica do pensamento é comum: há uma tendência a reduzir o desconhecido ao conhecido, mas dessa maneira. Pensar é romper esse círculo vicioso, um processo perfeitamente realizável por aqueles que refletem sobre seus pensamentos e sobre sua forma de pensar. Absolutamente, qualquer um pode conseguir esse feito. Este objetivo é um dos pilares da atividade analítica na linha Jung-Montefoschi. É só uma questão de se dar ao trabalho de questionar a própria forma de pensar, elaborar pensamentos e tirar conclusões. Os eleitos são aqueles que conseguem ir além do ego, do orgulho pessoal que manda ter razão a qualquer custo e substitui-lo pelo prazer que o pensamento criativo oferece.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Interessante postagem , me ajudou a entender melhor o ato de pensar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…