Pular para o conteúdo principal

AMOR É COMPORTAMENTO

Que muitos sintam amor profundo e verdadeiro não duvido. Mas é também verdade que muitos não sabem expressá-lo e o amor que sentem é como o tesouro depositado num cofre do qual se perdeu a chave. Uma vez que não está disponível para o proveito humano, ele “não existe”.

O exercício de encarnar o amor em cada momento, em cada escolha, em cada comportamento - e se não em cada um deles, na maioria - é indispensável para a evolução da espécie humana. De nada adianta amar um filho se não lhe mostrarmos com os fatos o que é amor. Amor é uma experiência viva antes de ser um conceito: primeiro se vive o amor, depois identificamos o sentimento como "amor". 

Vejo pais se queixarem pela falta de amor dos filhos: mas será que estes não estão devolvendo o que receberam? A famosa frase "Mas eu trabalhei tanto para que você tivesse o que você tem" não significa muito aos ouvidos da criança. Nem o fato de a família parecer ter sido tão unida e amorosa: as crianças absorvem sempre a sujeira que foi jogada por baixo do tapete.

Uma criança não sabe entender a razão de seus pais passar a maior parte do tempo longe deles, deixando-as em escolinhas, parentes e amigos. Ela só sabe que não seus pais não estavam com ela. Na cabeça de uma criança não existem conceitos relativos a pagar contas, trânsito, preocupações. Muito menos ela pode compreender que seus pais gostariam de brincar com ela, de ser amáveis e disponíveis mas não conseguem, têm suas próprias travas oriundas de sua infância sofrida ou de seus problemas atuais. Uma criança só sabe que seu pai ou sua mãe não estavam emocionalmente disponíveis quando ela precisava deles. Esta é uma memória que se crava na alma e que se manifesta anos depois na vida.

Amor só existe quando é visível, concreto e palpável. Amor tem sabor, cheiro, textura. Amor é um bilhete, uma ligação, uma lembrança, é tempo e espaço, é um doce, um sorriso, uma festa. Uma escolha difícil para um bem maior. Amor é proteção, atenção, cuidado, educação. Amor precisa de humildade, disponibilidade, dedicação. Fora estas condições, sejamos honestos: não há amor. Pode haver uma intenção de amor, um desejo por aquele amor, um sonho guardado no fundo da alma. Mas, fica para outra vida. Nesta e agora, não há amor. Há sim, outros interesses, conflitos e vantagens que têm a preferência, que são mais fortes e importantes na vida da pessoa do que amar. E cortemos por aqui as conversas patéticas sobre "eu te amo..." quando nada comprova esta afirmação.

Amar é empenho, esforço, investimento. Amor custa caro e requer o mesmo trabalho tanto que se ame um filho como outra pessoa, ou até mesmo um cachorro. Amor exige nossa saída da zona de conforto, sair do ego e suas vantagens. Pode haver simpatia, sonho vago e dourado, mas sem o comportamento apropriado, nada de amor.

A diferença entre o amor entre adultos e aquele de adulto para criança é que no primeiro caso a relação só funciona quando for recíproca, no segundo ela deve partir do adulto. É ele quem dá estabelece o exemplo, "mostra como se faz". É assombrosa a quantidade de pais (e também de mães) que não atinam para o fato que filhos precisam ter tido experiência daquele amor que depois eles querem para si. Gerar, parir e sustentar não basta. Nós humanos de modelos de comportamento  para entender a palavra "amor" e aí sim saberemos amar na prática.

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org e www.atnhumanize.com

Comentários

  1. Oi Adriana! Passando para dizer que concordo em tudo o que escreveste. E a maioria das pessoas não compreende quando falo isso! Gostei muito!

    Beijo!
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Ana Luisa! Parece óbvio mas não é... :-)

    ResponderExcluir
  3. Perfeito! Adorei!
    Olha só o que encontrei:
    Mas não podemos chegar ao amor adulto sem passar pelo infantil. Não podemos amar se não soubermos o que é o amor. Não podemos amar outra pessoa como outra pessoa se não tivermos suficiente amor por nós mesmos, um amor que aprendemos sendo amados na infância. E não podemos falar de amor, de amor infantil ou amadurecido, a não ser que estejamos preparados também para falar de ódio.”


    *Trecho do livro: Perdas Necessárias – Judith Viorst

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, Jacqueline, é isso mesmo.
    Sobretudo, quero sublinhar a coragem de arcar com sentimentos negativos para poder desenvolver os positivos.

    ResponderExcluir
  5. Estou lendo seu site pela primeira vez e quero elogiar seus escritos e agradecer por eles. Este texto em especial me lembrou meu ex-marido, que dizia a frase demasiadamente (inclusive levianamente, como réplica aos meus "obrigada", por alguma coisa que ele me fazia, coisas simlpes como passar o sal na hora do almoço!!!) e a desgastou de sentido. Eu respondia: "Ações, e não palavras! Dizer é fácil, fazer é que é difícil". E não deu outra, a não ser separação. Mas lições engrandecedors foram aprendidas.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Juliana, pelo comentário.
    Exatamente: fatos não palavras!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …