Pular para o conteúdo principal

OS “TE AMO” QUE SE PERDEM AO VENTO

Há quem raramente fala “te amo” e quem muito o fala. Por que será? Imaginemos a situação em que uma pessoa se sente, no fundo de si, em dívida para com outra. A dívida nasce da percepção de não estar dando à outra o que esta merece, ou não estar retornando o que se recebeu, ou, enfim, por não cumprir o que se prometeu. Esta outra pessoa é sua esposa (ou seu marido). O "te amo" funciona como uma forma de pedir desculpas, manter a relação e... se assegurar um pouco de paz de consciência.
Mas, se a pessoa em questão se acomodar na falação do "te amo", suas intenções originais escorregarão rapidamente para o lado sombrio. Quanto mais a situação permanecer inalterada, ou seja, o "te amo" continuar gerando "conforto emocional" mesmo que por uns momentos, mais difícil será passar à fase de demonstrar o amor com os fatos. É desta forma que se arrastam relacionamentos que provocam confusões: coração e mente se contradizem.
Pessoas ingênuas e sonhadoras - como muitos nos seus primeiros 30-40 anos de vida (dependendo de cada um) - tendem a acreditar nas palavras. É normal – quando elas correspondem ao que se sente. No início de uma relação, a emoção do encontro toma o controle e a falta de conhecimento sobre a personalidade da outra pessoa, que só se adquire com a convivência, induz a dar crédito ao que se ouve. Afinal, só se ama quando se confia.
Com o passar do tempo, pode-se descobrir a existência de uma cisão entre as palavras que a pessoa verbaliza e os fatos que ela apresenta, seus comportamentos. Ou, ainda, entre o sentimento que se sente por ela e o que ela nos mostra. Acontece então de nos darmos conta que o "te amo" que expressa uma verdade do sentimento não necessariamente expressa uma verdade da vida. Uma coisa é sentir e ser sinceros com o que se sente (muita gente nem isso consegue fazer), outra coisa, é transformar esse sentir numa realidade de vida, num comportamento, numa atitude, num ser real!
A trava que ocorre aqui é aquela que uma pessoa encontra quando descobre que para manter uma relação de amor ela precisa assumir algumas mudanças em si e em seus comportamentos. E, acontece dela, simplesmente, no fundo do fundo, ela não quer. Ela não quer se dar ao trabalho da mudança. Qualquer transformação, acomodação, sinergia, união, relação custa esforço, subverte hábitos, questiona crenças, arranca do comodismo.

Amar é um trabalho. Significa que uma relação (de verdade) não pode ser usada como um meio de gratificação pessoal. Para isso há parques diversão, drogas, filmes, viagens, carros poderosos e todo um rol de opções que servem como muletas para aguentar a dor do viver. O amor não cai nesta categoria. Talvez é por isso que tantas pessoas hoje "ficam". Enquanto isso, há quem enche o ar à sua volta verbalizando muitos "te amo" que, porém, se perdem ao vento, pois nada mais são que ar emitido pela boca e que, no final das contas, tem o mesmo valor do ar (e gas) emitido pelo corpo!

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, ínteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org



Comentários

  1. Adriana, gostei bastante desse post, pois identifiquei a experiência que tive em meu antigo casamento. Ouvia "eu te amo" até como resposta a um obrigada que eu dava quando ele me passava o sal à mesa. Mas na hora do vamos ver, em que o trabalho de amor tinha que ter resultado, como ficar ao meu lado quando a mãe dele me chamava de otária, isso não acontecia... Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Juliana, é uma reflexão que senti necessidade de fazer após seu comentário ao outro post :-) Situação esta super comum...
    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Eu não fazia ideia de que era assim tão comum. Obrigada por desenvolver o assunto! Ajudou bastante!

    ResponderExcluir
  4. Querida,vc está conseguindo em tão breve tempo esclarecer indagações que sempre procurei elucidar sem sucesso! Que bom ter achado seu blog. bjsssss

    ResponderExcluir
  5. Eita! Que flechada levei desse texto!!! Ave Marias! Adoraria poder discordar, mas... Ufa!!!! Oxalá eu sobre-viva!!!!! Grato pela fertilização de idéias afiadíssimas!

    Miguel Garcia

    ResponderExcluir
  6. Ahahah, Miguel, legal seu comentário.
    Obrigada.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…