Pular para o conteúdo principal

A lenda do amor impossível porém eterno

Adriana Tanese Nogueira

Este post é dedicado às pessoas que amam com paixão. Aquelas cuja relação amorosa está essencialmente fundamentada em carinho maternal e paternal, amor morno e filial, amizade e conveniência não possam talvez compreender do que estou falando. O amor com paixão pode incluir carinho, amizade e cumplicidade, mas sua base é a paixão, uma força potente maior do que os amantes. Quando a alma é levada, a despeito do bom senso corriqueiro e da racionalidade, quando o coração agonia por alguém apésar das dificuldades nas quais irá se encontrar, quando o amor dá coragem, ousadia e força, então aquele é amor paixonal


A lenda de Tristão e Isolda remonta ao primeiro século do ano 1000. Ela parece ser a expressão da primeira tomada de conhecimento humano do fato que o Amor (com A maiúscula) pode ser tão poderoso a ponto de subjugar os dois indivíduos. Na apresentação dessa lenda por alguns autores, Amor é o imputado, não os amantes.

Já na cultura grega existia uma psicologia "divina". Os sábios gregos reconheceram rapidamente que Afrodite é imbatível e seu filho Eros lança flechas irresistíveis. Os deuses eram compreendidos pelos gregos como o que nós chamaríamos hoje de forças psíquicas. Quando se é tomados pela raiva, é Áres tomando posse de nós. Quando a paixão sexual é invencível, Afrodite está agindo. As poderosas forças divina dominam o bom senso humano e dobram sua resistência. Há forças internas que não podemos controlar. Mas Afrodite e Eros são forças sexuais. A psicologia divina grega é, de alguma forma, "fisiológica".

Mil e quinhentos anos depois, essa idéia passa por um processo de sofisticação, acompanhando a evolução da consciência humana. A lenda de Tristão e Isolda conta de amantes cuja ligação não se resume na paixão sexual. Muito pelo contrário. Neles e em sua trágica história se reflete a percepção que há relação amorosas que têm raízes nas profundezas da alma e se tornam inquebrantáveis, a despeito dos obstáculos que as circunstâncias opõem à realização desse amor. Nas diversas versões dessa lenda (entre os séculos XII e XIV) os amantes tentam diferentes caminhos: fugir na floresta para estar juntos, Tristão se casa com outra mulher, vai viver longe... Mas sempre o amor, o vínculo entre eles, mesmo quando rejeitado por eles mesmos, predomina.

O problema que essa lenda levanta é o da a-moralidade do Amor. O Amor surge como um poder (divino?) que atropela as regras sociais e morais de um grupo. A estrutura da vida em comum, os laços, os ritos, os hábitos, o "certo e errado" se encontram ameaçados por esta forma de amor. A força de união dos amantes é incompatível com seu vínculo às tradições e até as conveniências tanto coletivas quanto pessoais. É como se o Amor não coubesse no espaço sufocante das regras de convivências. Por este motivo, os amantes só se unem na morte.

Na lenda de Tristão e Isolda, os impedimentos à realização de seu amor são todos circunstanciais. Ela é filha do rei inimigo, o salva mas não lhe revela seu nome verdadeiro por óbvios motivos. Quando ele, curado, precisa fugir, ela não pode segui-lo. Deprimido por não estar com ela, Tristão se oferece para lutar numa competição cujo prêmio (ele não sabe) é a própria Isolda e que tem a finalidade de gerar a paz entre os reinos. Ele a vence... mas em nome de seu rei (que é seu tio). Seguem-se uma série de episódios baseados, no que diz respeito a eles dois, em amor, honestidade, dor, conflito de fidelidade e mais amor. Assim, pelo menos, é a história contada no filme de 2006 Tristan & Isolde dirigido por Kevin Reynolds. Apesar das divergência com as redações originais da lenda, a história captura bastante bem o essencial da lenda.

Muito influente na cultura européia, a lenda de Tristão e Isolda apresenta os amantes cujo amor não encontra lugar nesse mundo. Hoje em dia em que tantos tabus e limitações sociais cairam ainda encontramos esse drama espelhado no conflito que algumas pessoas encontram quando se trata de assumir e tornar real um amor que se choca com sua mentalidade e seus limites internos (incluindo aí infantilismo, mentiras, adição química, etc.).

Essa forma de Amor é sempre revolucionária, visando a rotura das barreiras que se interpõem à sua manifestação visível. É um Amor que atropela os egos (diferentemente daquele amor que acaricia os egos, como nas relações baseadas no padrão pai-filhinha e mãe-filhinho). Um Amor desse tipo assusta os que buscam tranquilidade e sossego numa relação amorosa e, certamente, este Amor é feito para os fortes. Ele anda, muitas vezes, de mãos dadas com a dor porque romper limites (sobretudo os psicológicos) dói.

Fogem desse Amor os que preferem segurança, tanto emocional como material, assim como os que priorizam as tradições e conveniências. Alguns nunca o conhecem, mas quando esse Amor surge na vida de alguém ele é para sempre. Podem-se tentar as escapatóias já usadas por Tristão e Isoldas tantos séculos atrás, mas o resultado será o mesmo: o Amor não morre. Os amantes podem morrer e certamente um dia morrerão, mas não seu Amor.

Comentários

  1. Gostei, achei interessante, e quero mais!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que lindo texto! Mas acho que eu confundo um pouco o amor poderoso com a paixão, por conta de algum pensamento arraigado cuja origem parece ser de Platão, idealismo, algo como "o Bem só pode causar felicidade", essas coisas. Eu costumava pensar que a história desses dois não podia representar o amor porque ela não acabava bem. Mas acredito que, com a idade e a experiência, estou repensando esses conceitos...

    ResponderExcluir
  3. Ahahah, gostei, Juliana: com a idade e a experiência está repensando esses conceitos. Você está saindo da idealização. Acho que o Bem que só pode causar felicidade é platonismo mesclado à cristianismo. Afinal, Platão tinha o Bem verdadeiro no mundo das Idéias, não por aqui...
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. É verdade, Adriana, a gente tem que aprender a amar no mundo real! Amor de gente grande (é muito bom, com suas perfeições e imperfeições)!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom!!quero maiss!!!esse amor ..eu sinto que é muito poderoso mesmo....nós criamos todas essasa circunstancias que geralmente impedem o amor por imaturidade....?!!Por doer tanto e não sabermos como lidar com essa dor?Esse idealismo do amor na nossa sociedade cristã realmente é responsável por essa hipocrisia horrível que vemos na maioria das relações!!Parabéns Adriana..Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Oi "Evolução", obrigada :-))

    Vou escrever mais a respeito. Não somos nós que criamos as circunstâncias que tornam o amor "impossível" e não se trata de idealismo... Vou explicar melhor em outro post.

    Até breve!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom texto sou poeta e estudo poesia de todas as épocas principalmente para homenagear minha musa que se chama, Carolina, e é um caso de um amor impossível. Eu sou baiano com 32 ela é nova 20 cheia de planos e sonhos. mas vou lutar e ama-la para sempre.

    ResponderExcluir
  8. Adriana, eu acho que esse tipo de amor não acontece com todo mundo. Eu diria que me encaixo entre aqueles que sempre procuram sossego, carinho e compatibilidade numa relação. Sou casada com um homem maravilhoso há alguns anos. Só que há mais ou menos um ano conheci um homem também casado e feliz em seu casamento. É um homem bem diferente de mim. Pode-se dizer que é de um mundo diferente do meu. Mas por um acaso nos encontramos, nos conhecemos, conversamos, brigamos por sermos diferentes e acabamos por nos afetar bastante um ao outro. O desejo nasceu. É estranho. Eu me sinto completamente de alma desnuda quando estou com ele. É recíproco, embora nunca tenhamos dito um eu te amo claramente. Só não traí meu marido ainda porque não acho que seja justo fazer isso, mas segurar isso é muito doloroso. Por outro lado, se terminassemos os nossos casamentos isto em si já seria uma mudança enorme fora as mudanças em nossos modos de ser e em nossos projetos de vida para ficarmos juntos. No momento optei por não começar um relacionamento com ele, se é que se pode dizer que escolhi isso ou apenas me acovardei. Mas tudo o que consigo pensar agora é que vou me arrepender amargamente por essa escolha.
    De fato, o amor que não afaga os egos é apenas para os fortes. É um golpe na alma.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …