Pular para o conteúdo principal

"A Palavra Mágica" nossa de cada dia

Certa palavra dorme na sombra
de um livro raro.
Como desencantá-la?
É a senha da vida
a senha do mundo.
Vou procurá-la.

Vou procurá-la a vida inteira
no mundo todo.
Se tarda o encontro, se não a encontro,
não desanimo,
procuro sempre.

Procuro sempre, e minha procura

ficará sendo
minha palavra.

Carlos Drummond de Andrade, em 'Discurso da Primavera'

A palavra que nos diz é mágica porque ela revela quem somos, o que nos torna verdadeiramente diferentes dos outros. A palavra que conta de nossa essência nasce da alma. Na verdade, são tantas palavras, resultado da jornada do ser que se expressa de forma única em cada um de nós.

Encontrar nossa palavra equivale a poder ter voz, e portanto vez no jogo da vida. Essa voz aparece após termos aberto caminho entre dois emaranhados que se entrelaçam e se reforçam reciprocamente. De dentro, ecoam as vozes dos outros, da mãe, do pai, da família de origem. Ditam normas, o certo e o errado, o esperando e o indesejado. Para além dessas vozes outras podem ser ouvidas, padrões de comportamentos ancestrais, modos de pensar herdados com os genes, hábitos antigos que mal reconhecemos como nossos mas que se impõem a nós sem que lhes damos nossa aprovação. De fora, amigos, sociedade, mídia pressionam para encapsular cada indivíduo num padrão humano, manejável, conhecido, limitado. 

Ambas as florestas silenciam a voz interna, porque fazem muito barulho. É uma falação contínua que prejudica a audição do que realmente queremos, sentimos e pensamos. Muita gente acha que sabe o que pensa, quando na verdade está repetindo o que lhe foi ensinado a pensar. O que elas fazem não é pensar mas reproduzir pensamentos dados. O pensar nasce da reflexão a partir daquela voz interna, a única coisa original na algazarra de estereótipos e "ter que ser" que habita as psiques que são inconscientes de si.

Cada passo do caminho se cria no discernimento atento e preciso entre todos os pensamentos e sentimentos que surgem internamente. A confusão inicial irá no tempo se clareando até que, como o baú do tesouro, debaixo da areia das falas estéreis e monótonas, encontrar-se-á a propria palavra mágica.

Comentários

  1. muito interessante teu blog e teu trabalho ... atendimento online é tudo de bom ... em todas as terapias que fiz o maior trabalho que me dava era sair de casa para ir até o consultório ... online seria ótimo neste caso ...

    ResponderExcluir
  2. Olá Curiosa, obrigada. Online é bacana porque ultrapassa os limites de espaço e as oportunidades se multiplicam!
    Abraço
    Adriana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…