Pular para o conteúdo principal

Adaptação feminina letal

Adriana Tanese Nogueira

Um dos problemas com nós, seres humanos, é nossa aparentemente infinita capacidade de adaptação. Mesmo em situações prejudiciais, onde perdeu-se o sentido das coisas, é possível ir aguentando e "se adaptando" à realidade que se vive, sem se rebelar. Vários fatores convergem para manter o status quo. Entre eles há o medo da mudança e a falta de auto-confiança.

Há experiência que, através da constante erosão, consomem nossa auto-estima e nos tornam como larvas, boiando pela vida sem rumo, à mercê das vontades alheias. É o que
ocorre com mulheres que vivem em total dependência de seus homens. O estado de dependência não é somente financeiro, como também mental e psicológico. Ela o acredita inteligente, logo o respeita, quando na verdade a inteligência dele consiste em intransigência, aquela convicção que se possui quando se acredita ser representantes de alguma lei divina, ao mesmo tempo em que se tem outra pessoa nas mãos.

O estado de escravidão ao qual a mulher chega é mascarado pelos confortos que ele lhe providencia, sendo um deles o de poupá-la de pensar. Todas as decisões são tomadas por ele, porque "é assim que há de ser". Por exigir um esforço mental e emocional, a tomada de decisão é transferida para ele, evitando a ela o desgaste de poder errar, ou, Deus não queira!, de confrontar-se com ele. Lentamente, as faculdades intelectivas dela são afogadas e a vida feminina corre entre filhos, casa e comida.

O espaço conhecido e seguro do lar passa a se tornar a única referência da mulher, o que aumenta o medo do mundo externo e, consequentemente, fortalece o domínio dele, empobrecendo a autoestima dela. Como uma filha, ela vive trancada em casa. Ela pode sair, claro. Pode ir fazer compras, levar e pegar os filhos da escola e sair para as férias que ele organizar e quando ele quiser. Em troca, ela tem roupas bonitas, casa luxuosa e pode comprar bugingangas quando desejar.

Mas ela não pode pensar. Não tem autonomia para decidir sobre a própria vida. Seus filhos a vêem como a mãe-cozinheira, a mãe-arrumadeira, a mulher que faz para eles e por eles. Essa mulher não tem intimidade com os filhos, porque para ter intimidade é preciso ter interioridade. A ausência de pensamento próprio impede que ela tenha a si mesma, tenha sequer contato consigo mesma e com o que ela pensa.

Boiando pela vida ela vai, e começa a esquecer de seu passado. A memória falha, não se lembram experiências importantes. Uma capa é posta por cima de tudo o que não pertence ao presente. A identidade da mulher lentamente se dissolve, se apaga por falta de uso. O presente é feito dos afazeres domésticos que rodam em torno dos filhos e sobretudo do marido. O patriarca, dono da residência, é a luz para a qual todos olham. Cabe a ela agradá-lo e fazer conforme ele mandar. Se ela se rebelar, brigas intermináveis e caras feias a desgastam. Só e fraca, ela abaixa a cabeça e se dedica ao presente.

Um presente sem passado, que se repete igual. Um presente que exige dela obediência, repetição e acefalia. Ela não precisa pensar. Não tem o que pensar. Pensar tornaria a realidade insuportável. Aparentemente, sem alternativas, ela cala, consente e segue adiante, tela vazia aberta às projeções e vontades dele.

Comentários

  1. é bem assim que me sinto, e como recuso a continuar assim tenho enfrentado o inferno.

    ResponderExcluir
  2. Precisa sair dele, então. Com o tempo, o inferno nos engole... Vc precisa de de terapia.

    ResponderExcluir
  3. preciso me divorciar antes, una vez que ñ tenho dinheiro nem pra comprar um sorvete. é uma historia sórdida de exploração a alguem que o amou.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …