15/09/11

POR QUE AS PESSOAS SÃO TÃO APROVEITADORAS?



Adriana Tanese Nogueira  

A resposta à pergunta acima é "Porque permitimos que o façam". Ocorre um problema sério com algumas pessoas boas que gostam de pessoas: elas insistem em ser disponíveis e generosas obtendo como resultado ser usadas e desrespeitadas. Quando acordam para a realidade se sentem traídas, tristes e decepcionadas. Muitas tendem a endurecer no ressentimento; outras se deprimem sem saber como reagir de forma a salvar seja sua bondade que a confiança nos outros.

Numa cultura onde feminino e masculino vivem divorciados, coração e inteligência não se conversam. Nesse contexto ser bom geralmente
significa ser tolo e vulnerável. Quantas pessoas espertas vocês conhecem que podem chamar de boas? E quantas pessoas boas podem nomear que são espertas? Estou falando de pessoas boas, não das sonsas. Ser bom é fazer e dar sem pedir nada em troca; ser sonso é ser dócil para conseguir algo em troca.

Pessoas boas geralmente lidam ou com gente subrrepticiamente egoista (as sonsas e miopes) ou com as explicitamente egoistas (as autoritárias e insensíveis). Continuar sendo disponíveis com pessoas assim não vai tornar essas pessoas repentinamente melhores, como se pudessem receber uma iluminação improvisa e fossem ficar com vergonha de terem se aproveitado de alguém por tanto tempo. Não, muito pelo contrário: dar sem receber alimenta o egoísmo do outro. Generosidade cega nutre o aproveitamento alheio. A disponibilidade incondicional dá suporte à prepotência do outro.

A alternativa é ser inteligentemente bons. Unir a cabeça ao coração e, consequentemente, abrir os olhos. Pessoas incluem em si um emaranhado de motivos, tendências, problemas e intenções. Quando se é bons: exatamente com o que se é bons? Com qual intenção, tendência, comportamento do outro estamos sendo bons? Quando dizemos "sim", o que estamos apoiando no outro? E o nosso "não" põe limites no que exatamente do outro? 
Essas perguntas se respondem com outras perguntas: O que queremos incentivar? Quais são nossos valores? Que relação queremos? E sobretudo: o "sim" e o "não" que eu digo ao outro já os disse antes para mim mesma?

Uma mulher que faz tudo o que o marido quer, está alimentando o egoismo dele. Ele chama isso de "amor" e ela também, mas a verdade é que ela é submissa e está engolindo sapos, enquanto ele é prepotente e egocêntrico. Ela é incapaz de assumir suas necessidades, tem medo dele e/ou das consequências de se posicionar e ele pouco se importa com o que ela precisa. Resultado: não há amor. Para chegar a essa situação, ela disse "não" a si mesma antes de sofrer o "não" silencioso dele. Ele por sua vez, disse "não" à própria sensibilidade para tratá-la desse jeito. Ele não a enxerga e não quer enxergá-la. Ela está criando um tirano que a escraviza.

Permitir o comportamento do outro não é sinônimo de bondade, mas de passividade e inconsciência. Há atitudes que devem ser interrompidas. Muitas vezes, as pessoas sequer se dão conta do que fazem e jamais irão se aperceber até não encontrarem um obstáculo na sua frente. Esse obstáculo é você quando diz "não". E esse "não" tem que ser tanto mais firme quanto mais intensa for a tendência do outro ou quanto mais antigo for o comportamento que se quer modificar.

Nisso, meu cachorro ensina maravilhosamente bem. Não é culpa dele se é um Rottweiler apaixonado pela vida, cheio de energia e entusiasmo. Não é também culpa dele se é um líder cabeçudo querendo orientar o bando. Para que nos relacionemos bem, eu preciso usar uma força física (segurá-lo) e firmeza (psicológica) muito maior do que se estivesse lidando com um toy-poodle. Não preciso ficar com raiva, devo é ser firme e saber o que estou fazendo e onde quero chegar. Quando me posiciono assim, ele entende, muda de atitude e segue. Suas tendências seriam "más" se tomassem o controle sobre mim e nossa vida. Uma vez que vivemos numa cidade, por exemplo, sou eu quem conhece o que é atravessar quando a luz está verde. Se ele não confiar em mim e me seguir, ambos correremos riscos. Com este exemplo quero dizer que o mais inteligente e consciente tem que estar no comando (e nisso, sou platônica: o governo deveria ser dos filósofos, ou seja dos que possuem visão e conhecimento). Ao ver um comportamento errado, quem o sofre e se dá conta do erro tem a obrigação moral de tomar uma atitude. Para o bem de todos.
Saber dizer "não" implica se dar o direito de se proteger, de querer receber algo em troca e de ser feliz. Muitas vezes, essa "bondade", que como um tiro sai pela culatra, só se compreende quando se olha mais profundamente e se dá uma olhada no nível  de autoestima da pessoa. Baixa autoestima busca aprovação dos outros, apoio, carinho e reconhecimento. E como pretende obtê-los? Dando! No fundo o super-bom, dá para poder receber carinho e aceitação. Tem medo de estabelecer limites e de perder as pessoas, que porém não pode conquistar sem se respeitar antes. 

A busca inconsciente por amor e aprovação está na raíz daquela bondade que acaba por ser abusada pelos outros. É como uma pessoa que abre seu baú do tesouro na praia de Copacabana e sorrindo assiste ao corre-corre do povo agarrando e levando. O resultado final é esgotamento, depressão e solidão. Então, se alguém está se aproveitando de você é porque você está permitindo. Não reclame. Tome uma atitude. Na verdade, a crise que nasce da realização de que aproveitaram de nós é a crise existencial pela forma como temos conduzido nossa vida.

14 comentários:

  1. Muito bom e realista, atualmente vivemos assim mesmo !!! Show...

    ResponderExcluir
  2. O "não" protege e muito! Tb quer dizer que sabemos quem somos e com quem queremos estar!
    Muito bom, Adriana!
    um grande beijo!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Joka, Jacqueline e Fernanda!
    Sim, o "não" quer dizer ter personalidade e logo discriminar o que nos pertence e o que não. Não temos que ter medo de definir nossas condições.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. "inteligentemente bom" vou lembrar desse termo, por que ando precisando desse predicativo kk

    ResponderExcluir
  5. Inteligência associada à bondade. Use e abuse :-)

    ResponderExcluir
  6. gostei muitooo mesmo..vai me ajudar muito essa lição de agora em diante ;-) obrigada

    ResponderExcluir
  7. gostei mto. por vezes tinha a tendencia de agir dessa forma. achava q tinha q ser bom todo o tempo, c toda gente. depois de um tempo e c a idade a chegar abri meus olhos e comecei a cobrar para mim o respeito do qual sempre abri mao. algumas pessoas se chocaram. outras mudaram e aceitaram o meu novo eu. sinto-me mais feliz agora por saber impor limites.

    ResponderExcluir
  8. Prezada Adriana, suas palavras me ajudaram a refletir melhor sobre minhas atitudes. Diria que era uma pessoa boa "inconscientemente" e comecei a verificar q "algumas" pessoas se aproveitavam disso para se promover. Entao parei rs. As pessoas mudaram, mas agora só sou bonzinho "conscientemente", aproveitou, tá fora. rs
    Parabéns pelo blog!!!

    ResponderExcluir
  9. A alternativa é ser inteligentemente bons.
    Mente e coração!!!!!

    Parabéns!!! Adriana, postei no meu face esse texto, achei muito interessante. Vou te seguir tá????
    um grande abraço.

    ResponderExcluir