Pular para o conteúdo principal

PRCONCEITOS SEMPRE ENCONTRAM CONFIRMAÇÃO NA REALIDADE

Adriana Tanese Nogueira


Quantas vezes acontece que o que se pensa nas entrelinhas das idéias “oficiais”, o que se teme e o que se almeja sem assumir acaba casando com algum aspecto do cotidiano, e assim encontrando confirmação? Ah, viu o que ele fez? Viu o que ela falou? Bem que eu estava desconfiado… O que queremos e o que tememos, sobretudo quando fica nas sombras, ganha comprovação quando alguma coisa que a gente dizia não querer que acontecesse de fato acontece. É porque no fundo estávamos esperando por ela…

Na vida cotidiana, quando emoções subterrâneas e não transparentes se movimentam na alma, o julgamento pré-concebito dita a norma. Pré-conceitos nascem de convicções baseadas em raciocínios errôneos fruto de experiências mal trabalhadas que porém deixaram a marca (como se fosse um sulco no terreno da psique). Quanto menos uma pessoa possui clareza interior, mais fortes e numerosos serão seus preconceitos. No lugar do conhecimento, está o pré-conceito, uma concepção pré-obtida, pré-existente a experiência atual.

Acontece porém que o pré-conceito, como um imã, atrai para si eventos da mesma tonalidade afetiva dele próprio. Assim pessoas desconfiadas encontrarão pessoas inconfiáveis. E não sempre é evidente e simples, porque o pré-julgamento na maior parte das vezes funciona nas sombras, não é explícito e declarado. E oculto, o preoconceito é incrivelmento mais eficiente.

Como funciona? Funciona de maneira muito simples: preconceitos monopolizam o foco, fazendo o olho bater naquilo que irá confirmar seu conteúdo. O ouvido ouve, o olho vê, o cérebro pensa em sintonia com o preconceito. A realidade que vemos já penetra em nossa mente interpretada conforme as lentes que a enxerga, e quem é o maestro d'orquestra que rege o tipo de música que será tocada? O preconceito.

O preconceito é um raciocínio falacioso. E é falho porque está fundamentado na interpretação errônea de fatos para que se acordem com um padrão emocional e cognitivo pré-existente. A menina apaixonada verá qualquer movimento do namorado como prova do amor dele, mesmo quando ele está assoando o nariz... mas foi no lenço que ela lhe deu! O homem ciumento terá provas da inconfiabilidade de sua esposa quando ela olha casualmente para o homem que passa pela avenida... porque ele está anunciando sorvetes! E assim em diante.

Como pulgas num clima quente e úmido, preconceitos se fortalecem e se reproduzem num ambiente culturalmente pobre, em consciências fracas e na ausência de auto-conhecimento. Não é à tôa que Einstein disse: "É mais difícil quebrar um preconceito do que um átomo."

Comentários

  1. Muito bom! Gostei muito!
    Gostaria que você abordasse um aspecto que já ouvi sobre o fato do preconceito ser uma negação do que no inconsciente a pessoa deseja (não sei se me expresso bem, falando assim). Vejo isso quando se fala da homofobia, porque diz que a pessoa não tem sua sexualidade bem resolvida.
    No seu texto vejo essa associação quando você fala da baixa auto estima do racista.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Vou pensar nisso, Jacqueline. Existe sim essa projeção do bloqueio interno no mundo externo...
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. O preconceito naturaliza as suas crenças, inverte as interpretações dos fatos, só para ter a ilusão de controle...
    Gostei da reflexão, Adriana!

    ResponderExcluir
  4. ...só para ter a ilusão de ter razão e não se questionar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …