Pular para o conteúdo principal

Psicologia é uma "ciência" exata

Adriana Tanese Nogueira

Entendo ciência no sentido de conjunto organizado de conhecimentos. Apesar dos acadêmicos tentarem fazer da psicologia uma ciência do âmbito das ciências naturais, não é do perfil da psicologia oferecer respostas como a biologia ou a física fazem. Pesquisas e estatísticas psicológica oferecem conhecimentos, mas até que ponto?

Ao querer compreender uma reação emocional, um sentimento que perturba, uma sensação angustiante, um pensamento fixo, é necessário "descer" ao detalhe com precisão matemática para que o problema seja compreendido e assim também resolvido. A tomada de consciência que, como por um clic, muda a perspectiva e mostra o caminho, é um processo que está baseado não em discursos genéricos, mas em uma visão acurada e até microscópica.
Percebo, muitas vezes, que isso não é de conhecimento comum. Quando as pessoas buscam entender o que lhes acontece, elas se contentam com uma visão geral, que lhes esclarece o sentido geral de seu problema, mas que de fato não o resolve. Acusa-se a psicologia de ser vaga, e corretamente. Mas isso porque o que está se fazendo não é
psicologia "individualizada". É como quando se quer compreender o aceleramento cardíaco e suas consequências. Entretanto, esse conhecimento geral não explica por que você está tendo esse problema, por exemplo quando sequer está em movimento. O que acontece no indivíduo somente uma análise individualizada pode identificar.

O mesmo ocorre em psicologia. O que é na psicologia de um é normal, pode ser absurdo para o outro (veja-se a psicologia junguiana dos tipos). O que vale em geral pode não valer e aliás ser prejudicial para uns e outros. As estatísticas em psicologia fornecem informações que arriscam levar fora do caminho o entendimento do comportamento individual. Isso porque ao criar uma compreensão padrão nos tornamos cegos para o particular, extende-se um tapete uniformizante e mata-se a individualidade. Cuidado, portanto, com o fast-food psicológico.

Muitas vezes me pedem "dicas", que frequentemente não posso dar. Para algumas situações mais simples tenho "dicas", mas na maior parte das vezes, seria irresponsável dar respostas sem ter um conhecimento suficiente da situação. Dicas em psicologia são válidas quando são genéricas, assim como as dicas em saúde. É importante comer fibras, beber dois litros de água por dia, evitar frituras, comer bastante verduras e fazer exercício. Da mesma forma, em psicologia há boas dicas para pais, filhos, no trabalho, na relação, em casa e na rua.

Agora, não é pela dica que vai-se compreender uma situação específica. Esta estará esclarecida quando a pessoa chegar a identificar o que exatemente acontece, como exatamente ela está envolvida na situação, quais sentimentos e emoções exatos afloram, em qual momento exato, o que exatemente acontecia antes e depois, dentro e fora, e assim em diante. Aliás, se tem uma dica que posso dar em psicologia é essa: aprendamos a ser precisos, a afinar a visão para enxergar com clareza os detalhes do que queremos entender. Sem isso, é conversa boa mas estéril.

A psicologia é uma produção de conhecimento que é efetivo na medida em que é exato. Se não não serve. Obviamente, porém, é preciso dar tempo. Se as dicas psicológicas são o fast-food da psicologia, a análise apurada é a bateria de exames que requer investimento e dedicação.

Comentários

  1. Nossa, fiquei emcionada!!! Muito lindo essa experiência!!! Parabéns a todos!!! Parabéns Adriana pelo belo texto!
    Denise Garcia

    ResponderExcluir
  2. Seria mais + ou - assim "Em uma rua reta, não há curvas..." ???

    Isso pode ser relativo ao campo de visão cada um pode enxergar diferente a mesma reta dependendo do estado de psicose qualquer reta pode se tornar uma curva vise e verso. o importante mesmo olhar o ponto A desde que caminhe para frente ate o ponto B ........
    Pois Matemática é uma ciência exata o ser humano tem suas variações cada individuo tem sua Subjetividade.
    sendo assim pode haver curvas nas Retas ou curvas na reflexão isso só depende de quem ha vê ...

    ResponderExcluir
  3. Maike, nem reta nem curvas. "Exata" aqui quer dizer precisa, concreta, real; contrário a discursos genéricos, vagos.

    ResponderExcluir
  4. Psicologia é uma ciencia exata??? hahahaha
    A Psicologia nem sequer é ciência, o ser humno é q a estabeleceu como tal.
    É uma pseudo-ciencia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…